Connect with us

Hi, what are you looking for?

Mente & Cérebro

Pontuações em testes de QI têm aumentado. Estamos ficando mais inteligentes?

Testes de Qi 1
(Stanislaw Pytel / Getty Images)

Desde os algoritmos que fazem nossas contas de mídia social funcionarem até a tecnologia de rastreamento do sono em nossos smartwatches, o mundo nunca pareceu tão avançado e desenvolvido tecnologicamente. Por isso, seria fácil supor que a cada geração, os seres humanos estão ficando mais inteligentes. Mas será mesmo?

É uma pergunta que muitos cientistas têm ponderado, particularmente tendo em vista que ao longo do século 20 a pontuação média nos testes de QI em todo o mundo aumentou significativamente – especialmente no Ocidente. Este aumento foi de cerca de três pontos de QI por década – o que significa que estamos vivendo tecnicamente com mais gênios no planeta do que nunca.

Este aumento na pontuação de QI e a aparente tendência de aumento dos níveis de inteligência ao longo do tempo é conhecido como o efeito Flynn (nomeado em homenagem ao falecido educador nascido nos EUA, James Flynn). E melhorias na saúde e nutrição, melhor educação e condições de trabalho, juntamente com o recente acesso à tecnologia, tudo isso contribuiu.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

De fato, no século XIX, por exemplo, a industrialização criou grandes cidades superlotadas com maus resultados em termos de saúde e morte prematura. Mas a melhoria da habitação, da saúde e da parentalidade, juntamente com um maior acesso à educação gratuita e a progressão gradual de empregos manuais para empregos mais exigentes do ponto de vista intelectual, levou muitos a viverem vidas mais longas e mais saudáveis. Pesquisas até sugerem que existe o que é conhecido como um “gradiente de QI-mortalidade” pelo qual pessoas mais inteligentes muitas vezes vivem mais tempo.

A pesquisa em países que não passaram pelo desenvolvimento pós-indústria também apoia a ideia de que a melhoria do acesso à educação, moradia e nutrição são os principais fatores que levaram ao aumento do QI. Um estudo dos países da África Subsaariana, por exemplo, constatou que o efeito Flynn ainda não se instalou ali. Ou em outras palavras, os resultados dos testes de QI não aumentaram em massa porque as circunstâncias da vida não melhoraram significativamente para um grande número de pessoas.

Mas essa não é a história toda, porque nos últimos 30 anos houve alguns relatos de diminuição de desempenho nos testes de QI em alguns países. Então, é justo assumir que os humanos no Ocidente atingiram o pico de inteligência?

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Pico de inteligência?

O quociente de inteligência, ou testes de QI, são uma medida de raciocínio e a capacidade de usar a informação e a lógica rapidamente. Os testes avaliam a memória de curto e longo prazo através de enigmas e testam a capacidade de uma pessoa de se lembrar de informações.

Embora os resultados dos testes de QI tenham aumentado por algum tempo, pesquisas sugerindo um “efeito Flynn inverso”, indicam que esta tendência ascendente pode agora estar diminuindo. Um estudo norueguês, por exemplo, descobriu que homens nascidos antes de 1975 mostraram o esperado “efeito Flynn” positivo de um ganho de três pontos para cada década sucessiva. Mas para aqueles nascidos depois de 1975, houve um declínio constante no QI. Isto equivale a uma diferença de sete pontos entre gerações – com o QI médio tendo caído cerca de 0,2 pontos por ano. Outros estudos realizados entre 2005 e 2013 no Reino Unido, Suécia e França também mostraram resultados semelhantes.

Testes de QI
Todo mundo tem potencial para ser um gênio? TypoArt BS / Shutterstock

Estes resultados são difíceis de explicar, mas tem sido sugerido que pode estar ligado a mudanças na forma como as crianças são ensinadas nas escolas. Esta tem sido uma época que tem visto grandes mudanças de leitura de literatura séria e aprendizagem de rotina – uma técnica de memorização baseada na repetição – para uma abordagem mais coletiva de solução de problemas científicos, que agora é ensinada à maioria das crianças do ocidente.

Estes métodos de ensino “centrados no estudante” são agora combinados com habilidades interpessoais e trabalho em equipe, juntamente com o incentivo para que os estudantes compreendam as percepções emocionais dos outros. O impacto geral desta abordagem pode encorajar um trabalho mais inteligente e eficaz, mas coloca menos ênfase nas habilidades individuais exigidas nos testes de QI. Portanto, talvez nesse sentido, já não sejamos tão bons em realizar testes de QI.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Tem sido sugerido que uma diminuição nos padrões nutricionais também poderia desempenhar um papel. No Reino Unido, por exemplo, muitas pessoas lutam para cumprir as diretrizes nutricionais adequadas. A imigração de pessoas que cresceram em condições de maior pobreza junto com a tendência dos mais inteligentes de ter menos filhos também foram apresentadas como possíveis teorias.

“Tendenciosa e injusta”.

Outra consideração é que nos últimos 50 anos, foram levantadas questões sobre a adequação dos testes de QI – descritas em alguns quadrantes como tendenciosas, injustas e inapropriadas. De fato, o uso de testes de QI para seleção de empregos e escolas tem diminuído. É provável então que este declínio no uso, juntamente com uma redução no treinamento para tais testes, levou a um desempenho inferior quando os testes de QI são usados.

Portanto, em resposta à pergunta, os humanos estão ficando mais espertos – é difícil dizer. Mas o que é certo é que as notas mais baixas de QI não são necessariamente um sinal de que os humanos são agora menos inteligentes, mais apenas que as pessoas estão pontuando menos nos testes de QI. E, neste sentido, as razões potenciais para um QI em declínio devem ser vistas no contexto – um contexto em que a visão predominante dos testes de QI mudou.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Também é importante pensar sobre o que os testes de QI realmente medem – e o que eles não medem – junto com o que queremos dizer quando falamos de inteligência. Os testes de QI, por exemplo, não são bons para medir coisas como personalidade, criatividade, ou inteligência emocional e social – ou mesmo sabedoria. Estes são atributos que muitos de nós podem muito bem premiar além de um resultado de teste de QI com alta pontuação.

Por Roger Staff , Professor Honorário Sênior em Saúde Mental na University of Aberdeen .

Este artigo foi publicado originalmente por  The Conversation. Leia o artigo original.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
The Conversation
Publicado por

The Conversation é uma fonte independente de notícias e pontos de vista da comunidade acadêmica e de pesquisa, entregues diretamente ao público.

Faça um comentário

Tecnologia

Cientistas estão trabalhando em um novo tipo de propulsão hipersônica que poderia permitir aviões voarem a mais de 20.000 km/h (Mach 17).

Plantas & Animais

Minúsculas criaturas, os rotíferos bdelóides, ficaram congelados no permafrost por 24.000 anos e foram recentemente trazidos de volta à vida, produzindo clones em um...

Notícia

Por muitos anos, a ecolocalização humana tem sido uma forma de percepção para pessoas que perderam a visão. Apesar disso, poucas pesquisas reforçavam essa...

Plantas & Animais

Raças menores de cães geralmente apresentam comportamentos mais instáveis. Pode haver, portanto, diversos motivos para cachorros pequenos serem ferozes.