Connect with us

Hi, what are you looking for?

Tecnologia

Pele artificial é inspirada em personagem de Star Wars

Mão artificial de Luke Skywalker em Star Wars
Novas pesquisas encontram inspiração em personagem da franquia Star Wars. (Créditos da imagem: Alan Hume/Return of the Jedi)

“A verdade é mais estranha que a ficção”, já dizia o escritor norte-americano Mark Twain. E, muitas vezes, quando o assunto é ficção científica, é realmente assim que acontece. Coisas que eram possíveis apenas atrás das telas se tornam realidade.

Foi o caso de uma pesquisa mais recente, feita por cientistas que desenvolveram uma nova pele artificial.

Vários anos depois da famosa frase, foi lançado o primeiro filme da franquia Star Wars. Este se tornaria um enorme sucesso mundial e uma das maiores obras de ficção científica. Mal sabia George Lucas, o criador da franquia, que a sua história inspiraria pesquisas no futuro.

Continua depois da publicidade

Pele artificial simula sensação de tato

Em agosto deste ano, alguns pesquisadores em Singapura criaram uma pele artificial que imita a sensação do tato. O pesquisador da Universidade de Singapura, Dr. Benjamin Tee, disse que se inspirou no personagem Luke Skywalker, durante uma cena em que ele perde uma das mãos. A mão direita é então substituída por uma robótica, capaz de sentir dor e toque.

A nova invenção processa informações mais rápido do que o sistema nervoso humano. Além disso, ela é capaz de reconhecer vários de tipos de texturas e de ler cartas em braille com precisão de mais de 90%.

Assim, esse é mais um passo para a criação de próteses sensíveis. Acredita-se que essa é uma tecnologia que estará bem presente no futuro. As pesquisas para desenvolvimento de peles artificiais são muito importantes para a biomedicina, uma das áreas mais promissoras hoje em dia.

Continua depois da publicidade

De acordo com Tee, há um grande interesse da comunidade científica em investir nesses estudos. No entanto, eles ainda se encontram em um estágio experimental.

Dr. Benjamin Tee demonstra pele artificial

Com essas inovações, espera-se poder criar próteses que detectem objetos, sintam sua textura e reconheçam a dor. Essa última da lista, a capacidade de sentir dor, agora já está mais próxima de virar realidade.

VEJA TAMBÉM: Pele humana com cabelo foi criada com sucesso em laboratório

Continua depois da publicidade

Dispositivo reage à dor como a pele

Ainda mais recentemente, pesquisadores desenvolveram um dispositivo eletrônico que reage à dor como nós. O estudo foi feito na Universidade Australiana RMIT.

Dispositivo que reage à dor como a pele

De acordo com o professor da universidade RMIT, Madhu Bhaskaran, nenhuma tecnologia (até agora) foi capaz de imitar de forma tão realista a sensação de dor. A pele artificial desenvolvida pelos cientistas australianos reage a pressões e temperaturas que causam dor na pele.

Essa invenção foi possível com três tecnologias, desenvolvidas pela equipe:

Continua depois da publicidade

A primeira é a eletrônica extensível, também conhecida como “tatuagem eletrônica”. A segunda são os revestimentos reativos à temperatura. Estes consistem em películas que se ajustam em resposta ao calor. Por fim, as células de memória eletrônica que, por sua vez, imitam a maneira como o cérebro troca informações por meio de sinapses.

Segundo Bhaskaran, ainda é necessário melhorar ainda mais para aplicar a invenção na prática. Mas os fundamentos em si já estão estabelecidos, como a semelhança com a pele humana, por exemplo.

Continua depois da publicidade

Populares hoje

Saúde & Bem-Estar

Uma empresa israelense chamada CorNeat Vision desenvolveu uma córnea sintética e permitiu a um homem de 78 anos, cego há dez anos, recuperar totalmente...

Tecnologia

Muitos especialistas em estratégia militar alertam que as guerras do futuro não serão terrestres, mas confrontos sob o signo da inteligência artificial e do...

História & Humanidade

Os sapiens não são a única espécie humana que já circulou pela Terra, embora hoje só nós estejamos vivos. Fora os sapiens, a espécie...

História & Humanidade

Nós possuímos, em nosso DNA, registros de um ancestral misterioso, que acasalou com espécies humanas há aproximadamente um milhão de anos.