Connect with us

Hi, what are you looking for?

Arte & Filosofia

Cientistas acreditam ter desvendado o mistério da orelha de Van Gogh

m novo estudo publicado no The Internacional Journal of Bipolar Disorders defende a hipótese de crise psicótica. Ou seja, a lesão foi causada por um episódio psicótico alimentado também pela abstinência de álcool.

orelha de Van Gogh
Vincent van Gogh, auto-retrato com orelha enfaixada, 1889. (domínio público via Wikimedia Commons)

O mistério do que aconteceu com a orelha de Van Gogh, mutilada em 23 de dezembro de 1888, nenhum médico, psiquiatra ou mesmo historiador de arte conseguiu desvendar.

Após examinar detalhadamente as correspondências do famoso pintor holandês, além de milhares de documentos, pesquisadores explicaram o estado mental que levou ao suicídio de Vincent Van Gogh.

Van Gogh perdeu sua orelha esquerda em Arles, sob circunstâncias misteriosas, e a entregou para uma mulher em um bordel. Alguns historiadores acreditam que Paul Gauguin teria cortado a orelha de Van Gogh durante uma violenta discussão. Outros defendem a tese de automutilação por problemas mentais.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Lesão decorrente de um ataque psicótico

Um novo estudo publicado no The Internacional Journal of Bipolar Disorders defende a hipótese de crise psicótica. Ou seja, a lesão foi causada por um episódio psicótico alimentado também pela abstinência de álcool.

LEIA TAMBÉM: Quanto tempo o nosso corpo leva para eliminar substâncias alcoólicas?

AUTORRETRATO
Autorretrato com orelha enfaixada (ou Homem com um cachimbo), 1889 – Van Gogh, Domínio público, Wikimedia Commons

Vincent Van Gogh sofria de um transtorno de personalidade “limítrofe” sério, dizem pesquisadores do University Medical Center em Groningen, na Holanda. Os sintomas se agravaram devido a dependência de álcool. A abstinência, associada a desnutrição, poderiam ter resultado no ataque de delírio.

Então, ocorreu o episódio psicótico durante o qual o pintor holandês teria decepado sua orelha esquerda. Portanto, seriam contornos desse transtorno.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Depois, Van Gogh teria desenvolvido dois delírios relacionados também à abstinência de álcool, o que foi piorando a sua saúde mental com episódios depressivos graves. Ao menos um dos acontecimentos teve características psicóticas e ele não se recuperou plenamente. Até levá-lo ao suicídio, escreveram os cientistas no estudo.

Compreensão da psicopatia de Van Gogh

Para chegar ao diagnóstico, os pesquisadores leram cerca de 900 cartas escritas pelo pintor aos seus parentes, incluindo seu irmão Theo. Os documentos históricos permitiram respostas sobre o transtorno de personalidade para melhor compreender a psicopatologia de Van Gogh.

No entanto, esse método de análise pode apresentar falhas. As cartas foram escritas ao irmão e demais parentes para tranquilizá-los, não foi escrita para seus médicos. Nelas, ele descrevia o que estava sentindo, inclusive seus problemas mentais.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Ou seja, o diagnóstico está longe de ser definitivo. Em 2016, 35 médicos, psiquiatras e historiadores de arte internacionais falharam e não conseguiram chegar a um diagnóstico definitivo também. O encontro ocorreu no Museu Van Gogh de Amsterdam, na exposição Au bord de la folie, dedicada ao pintor.

Café Table with Absinthe
Vincent van Gogh, Café Table With Absinthe , 1887 (domínio público via Wikimedia Common)

“Existem milhares de documentos médicos sobre o estado mental de Van Gogh, mas se provou extremamente difícil determinar a causa de seus problemas”, disse Martin Bailey, especialista em Van Gogh.

Esse último estudo é baseado em uma pesquisa séria de artigos médicos sobre a condição mental e os sintomas do artista, mas é improvável que seja a última palavra sobre este difícil assunto. Ou seja, é uma questão desafiadora investigar a saúde mental de Van Gogh, diz Bailey.

Estudo publicado no The Internacional Journal of Bipolar Disorders.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Amanda dos Santos
Publicado por

Trabalha como redatora e produtora de conteúdo. Graduada em Comunicação Social e atua como colaboradora na SoCientífica.

Tecnologia

Cientistas estão trabalhando em um novo tipo de propulsão hipersônica que poderia permitir aviões voarem a mais de 20.000 km/h (Mach 17).

Plantas & Animais

Minúsculas criaturas, os rotíferos bdelóides, ficaram congelados no permafrost por 24.000 anos e foram recentemente trazidos de volta à vida, produzindo clones em um...

Sociedade & Cultura

O povo Tsimane é uma tribo indígena amplamente isolada que vive na Amazônia boliviana.  Estas pessoas levam uma vida muito diferente da nossa. E eles...

Notícia

Por muitos anos, a ecolocalização humana tem sido uma forma de percepção para pessoas que perderam a visão. Apesar disso, poucas pesquisas reforçavam essa...