Connect with us

Hi, what are you looking for?

Referência

O que é Antifa? Conheça o termo antifascista internacional

Muitos não conheciam o Antifa, apesar de não ser um termo novo. Há anos eles já se tornam polêmica em diversos assuntos

Confronto envolvendo manifestantes Antifa e policiais, Dinamarca, 2016. (Créditos da imagem: Kristoffer Trolle)

Antifa é um termo que entrou em moda nas últimas semanas. Muitos não o conheciam, apesar de não ser um termo novo. Há anos eles já se tornam polêmica em diversos assuntos.

Durante a posse do presidente americano Donald Trump, os Antifa protestaram, quando houve a manifestação supremacista em Charlottesville, em 2017, eles se juntaram à ala esquerda e protestaram. 

Manifestantes supremacistas com símbolos nazistas e nacionalistas em Charlottesville, EUA, 2017.
(Créditos da imagem: Anthony Crider / Wikimedia Commons)

Os antifa não são exatamente um grupo centralizado: são uma ideologia antifascista com tendências da extrema esquerda, formados principalmente por comunistas, socialistas e anarquistas.

No Estados Unidos, um dos primeiros grupos a resgatar esse termo foi o Rose City Antifa, criado em 2007.

Continua depois da publicidade

A História dos Antifa

Suas raízes se dão no início do século 20, quando o fascismo estava tomando um grande número de governos pelo mundo. Na época, juntavam-se pessoas de todo o espectro político sob a mesma bandeira: lutar contra o fascismo.

Apesar de raízes mais antigas, o fascismo propriamente dito nasceu de fato na década de 1920, com o ditador italiano Benito Mussolini, e conquistou diversos outros políticos no decorrer dos anos.

A bandeira que hoje os Antifa utilizam é a mesma bandeira que um grupo alemão Antifaschistische Aktion (Ação Antifascista), criado pelo Partido Comunista Alemão na década de 1930, utilizava.

Continua depois da publicidade
Congresso do Antifaschistische Aktion em 1932.

Havia uma verdadeira guerra entre comunistas e fascistas, que se odiavam mortalmente.

Mas à medida que as pessoas de outros espectros políticos, não só da esquerda, perceberam o mal que era o fascismo, a luta se expandiu.

Ao LiveScience, o historiador Frederico Finchelstein disse que “muitos estavam à esquerda, alguns estavam no centro, outros eram até conservadores. Mas todos eles perceberam o que o fascismo significava: a destruição da democracia por dentro e a criação de uma ditadura”.

Pós Segunda Guerra 

Há uma tendência de ligar o fascismo apenas à Alemanha Nazista e à Itália de Mussolini, mas devemos lembrar que discursos xenofóbicos, racistas, antissemitas, entre muitos outros discursos de ódio, eram comum por toda a Europa, se expandindo também para as Américas.

Continua depois da publicidade

Ao fim da Segunda Guerra Mundial, inclusive, muitos Nazistas famosos fugiram para a América da Sul, principalmente para a Argentina, mas o Brasil também recebeu alguns deles. Isso porque ainda havia muitos simpatizante das ideologias fascistas espalhadas pelo mundo, e ainda há nos dias de hoje.

Adolf Eichmann, principal responsável pela perseguição de judeus pelo Terceiro Reich, por exemplo, havia se escondido na Argentina. Na década de 1960, foi encontrado e capturado secretamente pelo Mossad, o serviço secreto de Israel.

Dias de hoje

Infelizmente, novamente tem se tornado banais as demonstrações públicas racistas e xenofóbicas, além da extrema intolerância a outras ideologias políticas e flertes com ditaduras.

Continua depois da publicidade

Em contraposição, os movimentos antifascistas também ganham maior destaque, protestando contra políticos, civis e militares que dispersam discursos de ódio.

Violência

Uma das principais polêmicas é a violência, tanto pela extrema direita, como pelos manifestante sob a bandeira Antifa, e isso também é algo histórico. Donald Trump chegou a dizer que tornaria o Antifa uma organização terrorista. No Brasil, Bolsonaro e partidários possuem posição semelhante.

Claro que não são todos os antifascistas que utilizam da violência. Mas há quem prefira táticas de guerrilha, argumentando que a violência é intrínseca ao fascismo, e, portanto, devem combatê-lo pelos próprios meios.

Continua depois da publicidade

Conforme disse ao NY Times a professora da Universidade de Nova York Ruth Ben-Ghiat, a militância mais radical “pode ​​se tornar uma justificativa para quem está no poder e aliados à direita de reprimir. Nessas situações, a esquerda, ou antifa, é historicamente colocada em situações impossíveis.”

Perigo

Como a História nos mostra, qualquer discurso radical é perigoso, seja na esquerda, seja na direita. O mundo viu ditaduras horrendas no fascismo, comunismo – em diversas ideologias diferentes.

Ao se sentir se aproximando de qualquer discurso extremado, afaste-se. Em tempos de crises e polarização política é muito fácil cair nas garras de discursos extremos. A democracia, a liberdade e os direitos humanos devem ser universais, e quaisquer coisas que vão contra esses princípios devem ser repudiadas.

Continua depois da publicidade

Populares hoje

Saúde & Bem-Estar

Uma empresa israelense chamada CorNeat Vision desenvolveu uma córnea sintética e permitiu a um homem de 78 anos, cego há dez anos, recuperar totalmente...

Tecnologia

Muitos especialistas em estratégia militar alertam que as guerras do futuro não serão terrestres, mas confrontos sob o signo da inteligência artificial e do...

História & Humanidade

Os sapiens não são a única espécie humana que já circulou pela Terra, embora hoje só nós estejamos vivos. Fora os sapiens, a espécie...

História & Humanidade

Nós possuímos, em nosso DNA, registros de um ancestral misterioso, que acasalou com espécies humanas há aproximadamente um milhão de anos.