Connect with us

Hi, what are you looking for?

Saúde & Bem-Estar

Minúsculos robôs controlados desenvolvem conexões às células nervosas

células nervosas
As células nervosas (coloridas em azul e verde nesta imagem de microscópio) crescem ao longo de finas ranhuras de um micro robô que os cientistas controlam com campos magnéticos. (HONGSOO CHOI/ DGIST-ETH MICROROBOTICS RESEARCH CENTER)

Já pensou em robôs minúsculos operando como conectores de células nervosas? Pois ele podem e preenchem lacunas entre dois grupos distintos de células.

Isso é o que os pesquisadores relataram em 25 de setembro na Science Advances através de manchas microscópicas que podem levar a maneiras mais sofisticadas de fazer crescer redes de células nervosas em laboratório.

Talvez até mesmo iluminar maneiras de reparar células nervosas cortadas em pessoas.

Continua depois da publicidade

Responsáveis por essa criação e como ela funciona

Os engenheiros do Instituto Daegu Gyeongbuk de Ciência e Tecnologia da Coreia do Sul, Eunhee Kim e HongsooChoi, e seus colegas construíram robôs retangulares de 300 micrômetros de comprimento.

micro robô

Estreitas pontes horizontais que se aproximam da largura das células trocam mensagens com outras células e permite que eles se comuniquem.

Para os ratos, esses micro robôs eram um terreno fértil para células nervosas, descobriram os pesquisadores.

Continua depois da publicidade

À medida que as células cresciam, seus axônios emissores de mensagens e dendritos receptores de mensagens seguiam ordenadamente as pontes alinhadas dos robôs.

Uma vez carregado com cerca de 100 células nervosas, o objetivo de um micro robô era se aninhar entre duas ilhas separadas de células nervosas cultivadas em placas de vidro e preencher a lacuna.

Ainda mais, os campos magnéticos rotativos enviaram o micro robô desordenamente em direção ao seu alvo.

Continua depois da publicidade

Quando o micro robô se aproximou, os pesquisadores usaram um campo magnético mais estável para alinhar o robô entre os dois grupos de células.

VEJA TAMBÉM: Experimentos autoimunes impedem glóbulos brancos de atacar o corpo para protegê-lo

Então, as células do micro robô cresceram em direção aos aglomerados, enquanto as células dos aglomerados cresceram em direção ao robô, em uma relação vice-versa.

Continua depois da publicidade

Essas novas conexões permitiram que os sinais neurais fluíssem de um grupo de células nervosas para outro, revelaram eletrodos.

Possibilidades para as células nervosas

A criação dessas pontes neurais pode ajudar os pesquisadores a projetar melhores réplicas de redes de células nervosas complexas no cérebro.

Portanto, sistemas semelhantes também podem levar a novas maneiras de estudar o crescimento dessas células.

Continua depois da publicidade

aprendendo a caminhar

Experimentos que podem, em última análise, apontar para terapias para pessoas com lesões nervosas.

Essa construção de precisão também pode ser útil na computação. Os cientistas terão a opção de projetar e construir computadores biológicos com essas células.

Ou seja, as plataformas para essas redes neurais in vitro requerem conexões neurais precisas e seletivas no local de destino, com influências externas mínimas e medição da atividade neural para determinar como os neurônios se comunicam.

Continua depois da publicidade

Um micro robô acionado magneticamente para entrega de células neurais direcionadas e conexão seletiva de redes neurais possibilita o desenvolvimento de mais tecnologias para manipular ativamente essas redes.

Uma maneira altamente produtível de estudar a função cerebral e doenças relacionadas.

Pesquisa está disponível em Science Advances.

Continua depois da publicidade

 

Amanda dos Santos
Publicado por

Trabalha como redatora e produtora de conteúdo. Graduada em Comunicação Social e atua como colaboradora na SoCientífica.


Populares hoje

Notícia

Os hominídeos Homo antecessor são parentes bem antigos dos Homo sapiens. Esses humanos ancestrais habitavam vastas regiões da Europa entre 1,2 milhões e 800...