Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Grilos machos criam megafones para que fêmeas possam ouvi-los

Esses grilos desenvolveram a habilidade impressionante de amplificar suas vozes para atrair fêmeas. (Imagem de Roos Rojas por Pixabay)

O uso de ferramentas é um tanto incomum para os insetos. Recentemente, pesquisadores observaram abelhas usando ferramentas bem estranhas para se defender de vespas. Contudo, biólogos acabam de observar mais um exemplo desse tipo de comportamento. Os grilos machos da espécie Oecanthus henryi, assim como muitas outras, cantam para atrair as fêmeas. No entanto, os grilos que têm uma voz mais baixa desenvolveram uma ferramenta para compensar a sua fraqueza sonora: megafones naturais.

(Rittik Deb)

Biólogo do Centro Nacional de Ciências Biológicas em Bangalore, Rittik Deb é o autor do artigo disponibilizado pela revista The Royal Society. No estudo, Deb – juntamente a Sambita Modak and Rohini Balakrishnan – explica como os machos da espécie O. henryi usam folhas de árvores para ampliar a voz de seu canto. Acontece que, para as fêmeas dos grilos, só uma coisa atrai mais do que o tamanho do macho: a intensidade da sua voz.

Já em 2008 Deb observou pela primeira vez esse comportamento nos grilos dessa espécie. Análises mais recentes possibilitaram os pesquisadores entender a fundo como os insetos criam essa ferramenta e qual o real efeito do megafone natural dos bichos. Os pesquisadores constataram que o canto dos grilos mais quietos atingia os 70db. Após os animais cortarem um furo no meio de uma grande folha e se posicionarem no meio do furo, cantando, o volume duplicou e, em alguns casos, triplicou.

O ritual do acasalamento dos grilos

O acasalamento é uma parte essencial da evolução, como você pode imaginar. Isso porque um animal transmite parte de seus genes e características para uma próxima geração de indivíduos. Ou seja, se um animal puder se reproduzir mais, seus genes ficaram em maior quantidade na população. Caso contrário eles somem ao longo do tempo. É triste, mas é a forma pela qual a seleção natural cria as populações mais adequadas para cada ambiente.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
(Rittik Deb)

No caso dos Oecanthus henryi, os insetos que naturalmente não tinham atributos precisaram improvisar. Esse tipo de comportamento é passado também geneticamente pelos animais e por esse motivo os grilos aprenderam a criar megafones através das gerações. Aliás, os grilos astros do rock, com seus amplificadores, não só buscam atrair mais fêmeas, mas também mantê-las por perto por mais tempo. Acontece que quanto mais tempo os animais permanecem na cópula, maior é a chance de uma reprodução de sucesso e com muitos filhotes.

Já os machos que possuem uma voz de Elvis Presley por natureza acabam nem se preocupando em ampliar o som ainda mais. Nesse sentido, esses animais já conseguem atrair fêmeas suficientes para o seu período de reprodução, sem nenhum artifício. Vale ressaltar que quando uma fêmea ouve o dois cantos distintos, ela normalmente se sentirá mais atraída pelo mais alto, sendo de origem natural ou dos megafones.

O artigo está disponível no periódico The Royal Society.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Mateus Marchetto
Publicado por

Aluno de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná, professor de inglês, apaixonado por ciência e divulgação científica. Me interesso principalmente pelas áreas de microbiologia, bioquímica e bioinformática.

Mente & Cérebro

Os corvos são considerados modelos de cognição em psicologia animal, e são uma das mais fortes evidências de que a consciência é um fenômeno...

Plantas & Animais

No oceano, no meio dos corais, você pode encontrar esse estranho organismo. Embora muitas vezes se pareça com uma pedra circular esverdeada e brilhante,...

Plantas & Animais

Cientistas descreveram, em um estudo publicado no Journal of Mammalian Evolution, uma nova espécie gigante de um dente-de-sabre, Machairodus lahayishupup, que teria vivido na América do...

Plantas & Animais

Um novo estudo mostrou que os tubarões, assim com as aves, se orientam pelo campo magnético da Terra para realizar migrações de longa distância.