Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

É assim que o espaço seria se pudéssemos ver em raios-x

O observatório espacial eROSITA varreu o céu por alguns meses, para criar um mapa super detalhado dos objetos do espaço em raios-x.

Mapa do céu em raios-x. (Créditos da imagem: eROSITA / Instituto Max Planck)

O eROSITA é um observatório espacial russo-alemão construído pelo Instituto Max Planck de Física Extraterrestre na Alemanha, e sua primeira missão, recém finalizada, foi varrer o céu no espectro de raios-x por alguns meses, gerando a imagem que vocês veem na capa.

Para realizar essa varredura celeste, contudo, ele foi posicionado em um dos pontos Lagrangianos entre o Sol e a Terra. Esses pontos são locais onde a resultante da gravidade dos dois corpos, se anula, tornando-se uma posição estável.

Para ilustrar esse ponto, imagine dois ímãs: um mais fraco e outro mais forte. Se você colocar um prego muito próximo a um deles, ele será atraído, mas há uma distância – mais próxima do ímã menor – em que os dois ímãs puxam o prego com a mesma força, anulando a força resultante.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Com esses meses de observação, os pesquisadores fizeram um mapa contendo todos os objetos que emitem raio-x, extremamente detalhado, superior aos que tínhamos anteriormente. 

“Essa imagem do céu muda completamente a maneira como olhamos para o universo energético. Vemos uma riqueza de detalhes – a beleza das imagens é realmente impressionante”, disse astrofísico Peter Predehl , principal pesquisador da eROSITA nos laboratórios alemães, em um comunicado de imprensa.

Nós, seres humanos, somos muitos limitados na observação da natureza: só conhecemos o mundo através do que enxergamos, ferejamos ou ouvimos, mas os dados nos permitem ir muito além.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Devido ao seu tamanho e distância da Terra, o “remanescente da supernova Vela”, mostrado nesta figura, é um dos objetos mais importantes no céu dos raios-X. (Créditos da imagem: Peter Predehl, Werner Becker (MPE), Davide Mella)

O universo com raios-x

Não são todas as faixas de luz que enxergamos. O universo também pode ser visto por rádio, por microondas, luz infravermelha, luz ultravioleta, por raios-x, raios gama: uma infinidade de formas.

Os raios-x são liberados por diversos objetos pelo universo, com destaque para o mais energéticos, como buracos negros, estrelas de nêutrons, quasares e supernovas.

Do mapa que os pesquisadores fizeram, 77% dos objetos são buracos negros ou núcleos galácticos ativos, que se formam com a liberação de energia pela “alimentação” do buraco negro.

Para se ter ideia da diferença na energia liberada por esse núcleos galácticos ativos, os aglomerados de galáxias correspondem apenas por 2% dos objetos da imagem.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
O superaglomerado de galáxias de Shapley é uma das concentrações mais massivas de galáxias no universo local, a uma distância de cerca de 650 milhões de anos-luz (z ~ 0,05). (Créditos da imagem: Esra Bulbul, Jeremy Sanders (MPE))

Se pudéssemos ver os raios-x também ficaríamos um pouco limitados aqui embaixo, pois a atmosfera da Terra os bloqueia – ainda bem, pois são prejudiciais para seres vivos.

Por isso, precisamos vê-los com um equipamento no espaço. O último satélite a fazer isso foi o ROSAT, na década de 1990. O eROSITA é mais novo, e cerca de 4 vezes mais potente.

Em 182 dias de coleta, o observatório reuniu 165 gigabytes de dados brutos, que precisaram ser processados. Portanto, um ‘pré-processamento’ era feito diariamente, a cada download dos dados.

O astrofísico Kirpal Nandra dá um spoiler do que está por vir com essa nova geração de observatórios de raios-x:

Publicidade. A leitura continua abaixo.

“Nos próximos anos, seremos capazes de sondar ainda mais longe, onde as primeiras estruturas cósmicas gigantes e buracos negros supermassivos estavam se formando.”

Avatar
Publicado por

É divulgador científico por paixão. Gradua-se em Física pela UFSCAR e atua principalmente na Ciencianautas e SoCientífica.

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.

Mente & Cérebro

Nas últimas décadas, inúmeras pesquisas mostraram a relação entre amamentação e a saúde da criança. Sabe-se, por exemplo, que a amamentação ajuda no desenvolvimento...

Planeta & Ambiente

Nukumi, uma grande fêmea de tubarão-branco marcada no ano passado está cruzando o Atlântico já faz dois meses. De acordo com especialistas, ela pode estar...