Connect with us

Hi, what are you looking for?

Saúde & Bem-Estar

Doença misteriosa em cães foi identificada como coronavírus

Surto de vômito entre cães foi identificado por pesquisadores como um novo tipo de coronavírus canino não transmissível a humanos.

Imagem: Pixabay

Veterinários de vários locais da Inglaterra vêm relatando casos de vômitos agudos desde 2019. A Universidade de Liverpool, através da SAVSNet, Rede de Vigilância Veterinária de Pequenos Animais, coletou dados o suficiente para identificar os casos como uma nova variante do coronavírus entérico canino (CeCoV).

Ao todo, foram 1.258 questionários de casos de veterinários e proprietários, além de 95 amostras clínicas de 71 animais.

Não é o mesmo coronavírus humano

O coronavírus canino afeta apenas cães e não é o mesmo que o SARS-Cov-2, que causa a COVID-19 em humanos. Os pesquisadores não encontraram evidências de qualquer doença semelhante em pessoas.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Os pesquisadores estão, agora, trabalhando em um projeto chamado SAVSNet-Agile com o objetivo de desenvolver um sistema de vigilância para a saúde canina que englobaria todo o país de forma eficiente.

“Desenvolvemos modelos estatísticos complexos para procurar surtos de doenças. Ser capaz de detectar rapidamente o aumento da incidência, sem disparar um alarme falso de uma variação natural aleatória, é o principal problema aqui. Detecção precoce é crucial para o tratamento precoce e monitoramento aprimorado”, disse o Dr. Barry Rowlingson, da Universidade de Lancaster.

Imagem: David Mark/Pixabay

Informações importantes para prevenir

“O projeto SAVSNet-Agile visa fornecer informações às clínicas veterinárias locais para que possam estar alertas a quaisquer novos surtos.”

Os veterinários começaram a suspeitar de uma causa infecciosa porque os vômitos eram mais frequentes do que o normal na gastroenterite canina.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Os pesquisadores descobriram um aumento específico e significativo no número de cães registrados como exibindo sinais gastroentéricos entre o final de dezembro de 2019 e março de 2020.

Além de reutilizar os registros de saúde, a SAVSNet também coletou dados do questionário de veterinários e proprietários que cuidavam dos animais afetados, bem como de controles saudáveis. Isso mostrou que os cães machos corriam mais risco do que as fêmeas.

O estudo científico foi publicado em Emerging Infectious Diseases. Com informações de Universidade de Lancaster.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Faça um comentário

Notícia

Durante o desenvolvimento embrionário, os mamíferos (a maioria deles) crescem na cavidade do útero da mãe. Esse ambiente vai se dilatando e desenvolvendo ao...

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Saúde & Bem-Estar

Os exercícios de alta intensidade de intervalos (HIIT) se tornaram populares nos últimos anos por uma série de razões. Eles não exigem tanto tempo...

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.