Cientistas descobrem novo anticorpo sintético que pode neutralizar o veneno de cobras

Proteína foi produzida através do veneno de uma mamba-negra. Imagem: Wikiemedia Commons - Domínio Público

Apesar de algumas pessoas tê-las como animais de estimação, as cobras são criaturas que as pessoas tendem a associar com perigo. Existem quase 4 mil espécies de cobras conhecidas no mundo, sendo que por volta de 200 delas tem venenos que são capazes de matar um humano. Mesmo que não pareçam ser muitas espécies, a Organização Mundial da Saúde estima que 80 mil até 137 mil pessoas morrem por ano por conta do veneno de cobras. Mas esse número pode reduzir drasticamente graças a um novo anticorpo sintético criado por pesquisadores que neutraliza as toxinas desses répteis.

O anticorpo foi produzido a partir do veneno de uma espécie conhecida como mamba-negra. Atualmente a mamba-negra se encontra entre uma das dez cobras mais venenosas do mundo e também uma das sete maiores. Isso a torna um dos animais mais perigosos que se tem conhecimento e é uma das 200 espécies cujo veneno é capaz de matar um ser humano.

Mas como publicado recentemente na Science Translational Medicine, uma equipe liderada pelo Dr. Joseph Jardine, especialista no desenvolvimento de proteínas, conseguiram desenvolver um anticorpo que neutraliza as toxinas da mamba-negra. Ela também é capaz de neutralizar o veneno de outras espécies como a da cobra-real. Para isso, eles injetaram ratos de laboratório com doses letais de veneno que foram protegidos graças a uma dose anterior da proteína. Jardine considera que esse será um componente crítico para a produção de soros antiofídicos no futuro.

Segundo o pesquisador, as cobras venenosas possuem poucas famílias de toxinas diferentes, portanto se conseguissem misturar anticorpos que ataquem cada um desses tipos seria possível criar um soro antiofídico que funcione para qualquer cobra do mundo. Contudo, ele chama atenção que esse tipo de soro universal ainda está muito longe de ser alcançado, mas é “teoricamente possível”.

Como são feitos os soros contra veneno de cobras

Como Jardine menciona, existem cobras peçonhentas nos quatro cantos do mundo que podem causar mortes ou mutilações nas suas vítimas e a tecnologia por trás dos soros antiofídicos atuais já tem quase 100 anos. Atualmente conseguem-se os soros injetando doses do veneno da cobra em animais maiores como cavalos ou até mesmo ovelhas. Depois são coletados os anticorpos que eles produzem para combater o veneno e os pacientes que foram picados recebem uma infusão desses mesmos anticorpos.

Cientistas descobrem novo anticorpo sintético que pode neutralizar o veneno de cobras
Cobra tendo seu veneno coletado para produção de soro antiofídico. Imagem: Kentucky Reptile Zoo/Facebook

O problema desse método é que os anticorpos produzidos atacam apenas um único tipo de veneno, portanto é necessário manter estoques extensos para cada tipo de cobra da região. Isso complica muito o tratamento e pode levar o paciente a óbito antes que consigam uma infusão apropriada. Além disso, existe o risco do paciente adoecer ou sofrer um choque anafilático por receber os anticorpos de cavalos.

Anticorpo criado por equipe pode revolucionar o combate contra neurotoxinas

A proteína desenvolvida por Jadine e sua equipe visa contornar esse obstáculo e para conseguir bons resultados eles buscaram atacar um dos venenos mais perigosos que se encontra nas cobras, as alfa-neurotoxinas do tipo três dedos. Elas recebem esse nome porque suas moléculas se assemelham a uma mão pequena com três dedos. Quando essas neurotoxinas entram na corrente sanguínea da vítima, elas atacam uma proteína que é necessária para a movimentação e assim conseguem “desligar” os músculos da sua presa e paralisá-la por completo.

A abordagem de sua equipe poderia contornar esses problemas. Em uma coleção de mais de 60 bilhões de anticorpos feitos em laboratório, a equipe procurou aqueles que visam um componente de veneno particularmente perigoso usado por algumas serpentes: neurotoxinas alfa de três dedos em cadeia longa.

Essas moléculas se parecem com uma mão pequena com três dedos, diz o biotecnologista Andreas H. Laustsen-Kiel da Universidade Técnica da Dinamarca em Kongens Lyngby. Quando administrado na corrente sanguínea de uma pessoa via picada de cobra, a mão literalmente dá aos vitimados o dedo do meio. O dedo do meio da toxina penetra em uma proteína necessária para o movimento, desligando os músculos e paralisando o corpo.

Dado o imenso poder dessas neurotoxinas, muitas pesquisas são feitas para neutralizar a sua ação. Alguns anticorpos já foram produzidos ao longo dos últimos anos, porém o da equipe de Jardine aparenta ser o mais promissor. Isso não apenas pela sua eficiência em neutralizar a ação das toxinas, mas por conseguir atacar outras variedades delas. Até o momento eles já comprovaram que o anticorpo foi capaz de salvar os ratos do veneno de uma mamba-negra e também de uma naja indiana. Agora eles estão trabalhando para desenvolver outros anticorpos capazes de atacar outras toxinas.

Compartilhar