Connect with us

Hi, what are you looking for?

Planeta & Ambiente

Cientistas criam plástico biodegradável que se decompõe facilmente

Pesquisadores acabam de criar um novo plástico biodegradável. Imagem: Christopher Delre/Universidade da Califórnia

O plástico foi uma revolução para as mais variadas indústrias e comércios ao redor do mundo. Contudo, há pouco mais de cem anos, quando os primeiros plásticos surgiram, pouco se sabia dos possíveis impactos ambientais desses polímeros. O problema, por conseguinte, é que o plástico não é biodegradável em condições naturais. Isso causa o acúmulo de lixo plástico nos oceanos e aterros que vemos hoje.

Tentando mudar isso, pesquisadores da Universidade da California – Berkeley acabam de criar um plástico biodegradável. No estudo publicado na Nature no dia 21 de abril, os autores mostram como o material sintetizado se degrada ao longo do tempo. E o melhor, não é preciso muito esforço para que isso aconteça. Basta deixar o material na água a uma temperatura de 40 C° por três dias que o plástico some.

Imagem: Stux/Pixabay

Os pesquisadores ressaltam também que o polímero criado por eles não se degrada a temperaturas normais. Um dos controles passou três meses molhado a temperatura ambiente e não acabou degradado. Assim, os autores indicam que mesmo uma peça de roupa poderia ser viável com esse material, contanto que a temperatura de lavagem não fosse elevada.

Fundamentos de um material biodegradável

Quando um planta morre, por exemplo, rapidamente as bactérias e fungos presentes no solo começam o processo microscópico de degradação. Esses microrganismos quebram as partículas complexas que formam a planta, formando outras moléculas que podem ser reabsorvidas por outros organismos. A matéria orgânica vegetal e animal, assim, é biodegradável.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Contudo, plásticos são materiais altamente sintéticos, que dificultam o trabalho desses microrganismos. Assim, os pesquisadores envolveram o novo plástico com uma fina camada de enzimas chamadas de proteinases K. Essas enzimas se ligam às pontas dos polímeros de PLA (plástico mais comum em embalagens) e vão quebrando as moléculas, formando pequenos ácidos que microrganismos do solo conseguem absorver.

Imagem: Meineresterampe/Pixabay

Para manter as enzimas junto ao plástico, ademais, os pesquisadores envolveram os materiais de teste com uma segunda camada fina de um segundo material biodegradável. Essa última parte impede que as enzimas acabem saindo da superfície do plástico, mantendo-o biodegradável.

Ouro benefício adicional importante desse novo polímero é que ele não forma microplásticos. Ou seja, as pequenas moléculas que se formam depois da degradação não são tóxicas e nem causam problemas ao longo da cadeia alimentar.

Dessa forma, os pesquisadores já estudam a produção desse material em larga escala, ampliando também a efetividade para outros polímeros não biodegradáveis que não sejam PLA.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

O artigo está disponível no periódico Nature.

Mateus Marchetto
Publicado por

Aluno de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná, professor de inglês, apaixonado por ciência e divulgação científica. Me interesso principalmente pelas áreas de microbiologia, bioquímica e bioinformática.

Faça um comentário

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.

Mente & Cérebro

Nas últimas décadas, inúmeras pesquisas mostraram a relação entre amamentação e a saúde da criança. Sabe-se, por exemplo, que a amamentação ajuda no desenvolvimento...

Planeta & Ambiente

Nukumi, uma grande fêmea de tubarão-branco marcada no ano passado está cruzando o Atlântico já faz dois meses. De acordo com especialistas, ela pode estar...