Connect with us

Hi, what are you looking for?

Tecnologia

Ciência brasileira está por trás dos fundamentos da Neuralink

“Estamos, no maior sentido, construindo sobre os ombros de gigantes.”

Os trabalhos científicos sobre a interação cérebro-maquina não são recentes, como se dá a entender após o anúncio da Neuralink de conectar o cérebro a um computador.

O cientista brasileiro Miguel Nicolelis já estuda esse tipo de interação há quase 20 anos, e, ao longo desse tempo, ele e outros cientistas já colaboraram com muitos artigos, o que ofereceu aos pesquisadores da empresa de Elon Musk um caminho bem sólido por onde seguir.

Em artigo considerado clássico na pesquisa de cérebro-máquina, publicado na PLOS One, em 2003, Miguel Nicolelis e sua equipe descreveram pioneiramente como macacos podem usar somente o cérebro para fazer movimentos com braços robóticos.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Os resultados do artigo o levaram, mais tarde, a demonstrar esses resultados em humanos. Um desses protótipos foi exibido na abertura da Copa do Mundo de 2014.

O exoesqueleto de Nicolelis fez uma brevíssima aparição na abertura da Copa. Imagem: Gizmodo/UOL

Apesar dos poucos segundos garantidos a ele na abertura, fazendo com que um paraplégico pudesse chutar uma bola com a interação cérebro-máquina, seu trabalho tem efeitos a longo prazo, como se demonstra com o anúncio da Neuralink.

O presidente da Neuralink, Max Hodak, chegou a usar a frase “estamos, no maior sentido, construindo sobre os ombros de gigantes”, quando se referiu à pesquisa de Nicolelis.

A Neuralink

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Há alguns anos, o fundador da Tesla e SpaceX vem anunciando que está trabalhando num projeto voltado à neurociência e tecnologia, até que, na última terça-feira, Elon Musk revelou que seu time testou um implante que permite a um macaco controlar um computador com seu cérebro.

Nesse projeto, que nomearam Neuralink, buscam, através de um implante, criar uma interface quase instantânea entre um sistema digital e o cérebro, na medida em que o computador se torna uma extensão ininterrupta de nossa própria cognição. Ele lembrou que os humanos já fazem interface com sistemas digitais quando usam um smartphone ou laptop.

O dispositivo consiste em uma sonda minúscula de fios flexíveis ultrafinos, mais finos que um fio de cabelo humano, que podem detectar a atividade dos neurônios e efetivamente “ler” o cérebro, embora seja uma parte muito pequena dele.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Incluído nesse projeto, está o temor à Inteligência Artificial. Ele e seu time também buscam evitar a “ameaça existencial da IA”, no qual uma interface homem-computador perfeita daria à humanidade a opção de se relacionar com a IA, em vez de se tornar radicalmente inferior a ela.

LEIA MAIS: Neuralink de Elon Musk conectou um cérebro de macaco a um computador

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Redação
Publicado por

A SoCientífica, abreviação para Sociedade Científica, nasceu em agosto de 2014 da vontade de decifrar as novidades no mundo científico e transmiti-las para uma sociedade que depende da ciência e tecnologia mas que sabe muito pouco sobre elas. Em um momento em que a desconfiança está se sobressaindo e novas ondas negacionistas de evidências surgem, a SoCientífica está empenhada em ajudar a trazer iluminação para a sociedade novamente.

Faça um comentário

Notícia

Durante o desenvolvimento embrionário, os mamíferos (a maioria deles) crescem na cavidade do útero da mãe. Esse ambiente vai se dilatando e desenvolvendo ao...

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Saúde & Bem-Estar

Os exercícios de alta intensidade de intervalos (HIIT) se tornaram populares nos últimos anos por uma série de razões. Eles não exigem tanto tempo...

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.