Connect with us

Hi, what are you looking for?

História & Humanidade

Carta cristã mais antiga do mundo encontrada em papiro egípcio do século III

Papiro P.Bas. 2.43. Crédito: Universidade de Basel

Uma pesquisadora anunciou que ela encontrou a carta cristã mais antiga conhecida, escrita no Egito romano do século III da Era Comum. A carta é mais antiga do que todas as provas documentais cristãs anteriormente conhecidas do Egito romano.

O Egito desempenhou um papel muito significativo na história do cristianismo primitivo, já que à época era dominado pelo Império Romano. Descobrir esse documento é uma forma de entrar na vida dos primeiros seguidores de Jesus Cristo e entender o contexto histórico em que o cristianismo começa a se expandir definitivamente.

A carta cristã autografada, escrita em papiro, é parte da famosa coleção da Universidade da Basel. E, apesar da vasta quantidade de documentos da Universidade, a grande maioria dos papiros não foram publicados e permanecem amplamente ignorados pela pesquisa até agora, como relatado no site Phys.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

O manuscrito

O papiro é uma carta de um homem chamado Arrianus para seu irmão Paulo. O documento se destaca da massa de cartas preservadas do Egito greco-romano por sua fórmula de saudação final: depois de relatar os assuntos familiares do dia-a-dia e de pedir o melhor molho de peixe como lembrança, o escritor da carta usa a última linha para expressar seu desejo de que seu irmão prospere “no Senhor”. O autor usa a forma abreviada da frase cristã “Rezo para que te vás ‘no Senhor’”.

A carta refere-se a alguns negócios de família e Arrianus informa seu irmão que seus pais estão bem. Além disso, não há muito de notável no documento sem ser a última linha.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

LEIA TAMBÉM: Heracleion, a Atlântida do Egito: a cidade enigmática submersa pelo mar

A frase contida na última linha fora amplamente utilizada na comunidade cristã primitiva. Ela aparece em muitos dos primeiros manuscritos dos Evangelhos. E, por conta disso, é possível afirmar com quase cem por cento de certeza de que o autor e sua família eram cristãos.

A pesquisadora Sabine Huebner, professora de história antiga na Universidade de Basel, foi capaz de rastrear o papiro até 230 EC, o que acaba tornando esta carta a mais antiga entre todas as outras cartas documentais cristãs conhecidas em todo o mundo.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

O documento também fornece detalhes importantes sobre o contexto social desta família cristã primitiva: Arrianus e seu irmão Paulus eram jovens, filhos educados da elite local, proprietários de terras e funcionários públicos.

A localização do papiro pôde também ser encontrada, e vem da aldeia de Teadelphia, no Egito central, e pertence ao famoso arquivo de Heroninus, o maior arquivo de papiro da época romana.

Em livro por publicar, a pesquisadora Huebner tentará mostrar que essas descobertas podem ajudar a evidenciar a vida social, política e econômica dos primeiros cristãos.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

FONTES / Phys / Ancient Origins

Redação
Publicado por

A SoCientífica, abreviação para Sociedade Científica, nasceu em agosto de 2014 da vontade de decifrar as novidades no mundo científico e transmiti-las para uma sociedade que depende da ciência e tecnologia mas que sabe muito pouco sobre elas. Em um momento em que a desconfiança está se sobressaindo e novas ondas negacionistas de evidências surgem, a SoCientífica está empenhada em ajudar a trazer iluminação para a sociedade novamente.

Faça um comentário

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.

Mente & Cérebro

Nas últimas décadas, inúmeras pesquisas mostraram a relação entre amamentação e a saúde da criança. Sabe-se, por exemplo, que a amamentação ajuda no desenvolvimento...

Planeta & Ambiente

Nukumi, uma grande fêmea de tubarão-branco marcada no ano passado está cruzando o Atlântico já faz dois meses. De acordo com especialistas, ela pode estar...