Connect with us

Hi, what are you looking for?

História & Humanidade

Capacete Viking quase completo é descoberto no Reino Unido

capacete viking
(Imagem: Chris Caple/Durham University)

Há alguns anos, mais especificamente na década de 50, um grupo de trabalhadores da pequena e pacata cidade de Yarm, fez uma descoberta fantástica. Eles encontraram um velho e enferrujado capacete dentro do sistema de encanamento da cidadezinha. No entanto, de acordo com o pesquisador que fez a análise deste artefato, ele é bastante valioso, pois trata-se de um capacete Viking. Apesar de já ter sido encontrado um modelo da mesma origem, esse artefato foi o primeiro encontrado no solo da Grã-Betânia. O primeiro exemplar encontrado no mundo foi descoberto em 1943, na Noruega.

A importância do capacete Viking para a arqueologia

Esse novo estudo só foi possível após a Câmera de Yarm ter cedido o capacete para o Preston Park Museum alguns anos atrás, relatou Jo Kelly para o jornal britânico Northern Echo. Pensando na importância que haveria por trás desse artefato, foi que o arqueólogo Chris Caple, da Universidade de Durham, resolveu investir seu tempo nesse novo projeto.

LEIA TAMBÉM: Esqueleto Viking infectado com varíola nos aproxima da origem do vírus

Continua depois da publicidade

Assim, depois dos testes analisados no metal, foi possível fazer algumas identificações. Na pesquisa publicada na revista Medieval Archaeology, o autor revelou que “o artefato foi forjado no norte da Inglaterra entre os séculos IX e XI. Constituído de placas de ferro finas rebitadas, não decoradas, com a cobertura da região superior, e era composta com uma crista”.

Capacete Yarm revela seus detalhes reais. Fonte: Chris Caple / Durham University

(Imagem: Chris Caple/Durham University)

Durante uma declaração de Caple para o site Stockton, ele descreveu seu estudo como “desafiador”, uma vez que a estrutura em ferro mais afinado do capacete Viking deveria ser manuseada com um cuidado redobrado. Ela estava sujeita a sofrer com a corrosão, então todo o procedimento foi realizado em ambiente seco.

LEIA TAMBÉM: Um navio viking será escavado pela primeira vez em mais de 100 anos

De acordo com Chris, “não era simplesmente uma questão de mostrar a data em que o capacete foi criado. Mas sim, de descobrir como havia sobrevivido por tantos anos, até ser desenterrado, na década de 1950”.

Continua depois da publicidade

Como foi realizada a análise do artefato e o que ela revelou?

Após estar de posse do capacete, Caple realizou algumas análises físicas e químicas em todo o objeto. E acabou descobrindo que seu objeto de estudo ficou preservador devido a “condições de alagamento”. No entanto, essa proteção não perdurou por muito tempo, e devido ao fino material da composição, ele começou a enferrujar e a danificar.

Assim, o artefato só não foi realmente perdido pois foi encontrado bem a tempo. Segundo os fatos históricos, objetos anglo-escandinavos datados do século X são difíceis de serem encontrados. Uma vez que foi no mesmo período que o cristianismo ganhou forças e os devotos não enterravam mais os pertences junto ao corpo do falecido.

Uma varredura de raio-X do capacete Viking mostra os rebites e placas sobrepostas de sua construção. Fonte: Chris Caple / Durham University

(Imagem: Chris Caple/Durham University)

Para Caple, “os materiais e construção do capacete sem adornos falam do pragmatismo crescente da produção de armas e armaduras, que era necessário para abastecer o número crescente de guerreiros armados presentes neste período. Enquanto os capacetes saxões eram frequentemente muito condecorados e usados ​​por líderes guerreiros, tanto símbolos de autoridade quanto capacetes, no século 10 agora podemos imaginar que a maioria dos guerreiros profissionais tinha capacetes como o Elmo Yarm”.

LEIA TAMBÉM: Vikings descobriram o Brasil 400 anos antes de Colombo chegar nas Américas?

Continua depois da publicidade

“Eles foram fabricados de forma simples, bem projetados para proteger o usuário (rebites nivelados com a superfície para que não pegassem armas de lâmina), mas não mais decorados. Junto com uma cota de malha, um capacete Viking era um equipamento de proteção pessoal, essencial para um guerreiro. Vemos quase todos os combatentes na Tapeçaria de Bayeux do século 11, usando capacetes e cota de malha”.

Com informações de SmithSonian Magazine e Preston Park Museum.

Continua depois da publicidade
Ruth Rodrigues
Publicado por

Bióloga de formação, mas divulgadora científica de coração. Escreve sobre o mundo das ciências para o SoCientífica.


Populares hoje

Mente & Cérebro

Pela primeira vez, pesquisadores conseguiram estudar o momento em que a morte cerebral se torna irreversível no corpo humano, observando o fenômeno em vários...

Plantas & Animais

No fim da década passada, em 2007, cientistas russos, húngaros e norte-americanos recuperaram sementes congeladas de Silene stenophylla, enquanto avaliavam aproximadamente 70 antigas tocas...

Mundo Estranho

Esta semana moradores da cidade de Cracóvia, na Polônia teriam se trancado em casa assustados com uma ‘criatura aterrorizante’ que estaria escondida nas árvores perto...

História & Humanidade

100.000 anos atrás, um grupo de 36 neandertais caminhou ao longo de uma praia no sul da Espanha. Durante a caminhada, vários indivíduos deixaram...