Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

Astronomia ameaçada? Os riscos da poluição no espaço

Satélites Starlink
Estaria a astronomia ameaçada? Quais são os riscos da poluição no espaço? (Imagem: Mike Lewinski)

A poluição espacial está chegando a limites preocupantes. Desde a década de 1990, o acúmulo de resíduos espaciais tem crescido consideravelmente. Isso se torna um problema para satélites, astronautas e até para nós aqui na terra. Além disso, o aumento de satélites em órbita significa um problema visual, que pode comprometer pesquisas de astrônomos. Estaria então a astronomia ameaçada?

Um “aterro” no espaço

Lixo espacial nasa

A imagem acima, modelo da NASA, mostra a quantidade de lixo que orbitava a terra em 2011. Já é possível ver que o problema está chegando a limites preocupantes. Os resíduos, que viajam a velocidades de até 28 mil Km/h, colocam naves e satélites em risco de colisão, e o impacto poderia causar sérios danos. Em algumas ocasiões, tripulantes da Estação Espacial Internacional (ISS) precisaram buscar refúgio em naves de emergência, devido a dejetos espaciais que passaram muito próximos.

Infelizmente, ainda não existe uma tecnologia viável que permita a limpeza do espaço. Alguns engenheiros e cientistas já estão trabalhando em ideias para isso, mas, por enquanto, elas não são acessíveis economicamente.

Continua depois da publicidade

Projetos recentes de empresas espaciais podem aumentar ainda mais a chance de existir grande quantidade de lixo espacial no futuro.

O projeto Starlink e a poluição visual

Mais recentemente, algumas empresas como a SpaceX começaram a enviar satélites em massa para o espaço. Essa empresa espacial, especificamente, queria lançar em órbita até 42 000 satélites, para conectar o mundo inteiro com internet banda larga – numa iniciativa chamada Starlink.

O projeto da SpaceX tem recebido várias críticas de cientistas ao redor do globo. Uma das preocupações é de que a Starlink poderia, justamente, acabar criando “cascatas” de lixo espacial. Outra é de que os objetos poderiam causar séria interferência nos equipamentos dos cientistas.

Continua depois da publicidade

Além disso, a poluição visual seria outro grande problema, pois os satélites refletem suficiente luz solar à noite e podem ser vistos até a olho nu. A enorme quantidade de satélites em órbita poderia então deteriorar toda a nossa imagem do céu.

Em 2019, mais de uma dezena de milhares de pesquisadores na área pediu a regulamentação do projeto Starlink. Logo depois, a Comissão Federal de Comunicações deu à empresa a permissão para lançar até 30 mil satélites.

Astronomia ameaçada

A observação astronômica vem sendo prejudicada pela presença desses objetos. Um exemplo é o caso do fotógrafo e observador astronômico, Daniel López, que tentou fotografar o cometa Neowise. Justamente no momento da foto, um grupo de satélites passou na frente do cometa.

Continua depois da publicidade

De acordo com o astrônomo James Lowenthal, de Smith College, muitos objetos brilhantes no céu podem prejudicar fortemente a observação astronômica. Como resultado, seria uma ameaça grave a essa ciência. Em seguida, a Sociedade Espanhola de Astronomia (SEA) divulgou um documento afirmando que a multiplicação dos satélites artificiais prejudica a atividade dos cientistas.

Tentativa de “escurecer” os satélites

Devido a todos esses alertas, o CEO da SpaceX, Elon Musk, prometeu tentar reduzir o impacto do projeto Starlink. Assim, a empresa agora está lançando ‘satélites escuros’ para tentar impedir os danos à pesquisa astronômica. Em janeiro deste ano, a empresa lançou 60 satélites experimentais, supostamente revestidos com uma camada de escurecimento.

No início desse ano, foi lançado um protótipo chamado de DarkSat. Recentes observações revelaram que o seu brilho é de cerca de metade de um satélite padrão Starlink. Especialistas dizem que é um grande avanço, mas os astrônomos afirmaram que ainda não é o suficiente.

Continua depois da publicidade

Com informações de Scientific AmericanBusiness Insider.

Avatar
Publicado por

Matheus Gouveia é formado em Engenharia Elétrica e apaixonado por ciência e tecnologia. Atualmente é redator da SoCientífica e autor do blog "DoCaramba!".


Populares hoje

Ciência

Na Paleontologia, encontrar novas peças que pertenceram a milhões de anos atrás é um dos principais objetos de estudo. No entanto, durante uma expedição...

Notícia

Os hominídeos Homo antecessor são parentes bem antigos dos Homo sapiens. Esses humanos ancestrais habitavam vastas regiões da Europa entre 1,2 milhões e 800...

Notícia

No dia 18 de fevereiro de 2021, a sonda Perseverance da NASA pousou na cratera de Jezero, na superfície de Marte. No entanto, o...