Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Agora sabemos quantos tiranossauros viveram na Terra

quantos tiranossauros viveram na Terra
(Willgard Krause / Pixabay)

Uma equipe de pesquisadores da Universidade da Califórnia, Berkeley, usou a massa corporal e a densidade populacional para estimar quantos tiranossauros viveram na Terra.

Seus cálculos chegaram à conclusão de que cerca de 2,5 bilhões (Sim, bilhões) de Tyrannosaurus rex caminharam pela Terra durante sua existência.

quantos tiranossauros viveram na Terra
(Bianca van Dijk / Pixabay)

Como os cientistas descobriram quantos tiranossauros viveram na Terra?

Para chegar a este resultado, os pesquisadores utilizaram a Lei de Damuth, que é uma equação ecológica que descreve a relação entre o tamanho do corpo e a densidade populacional, derivada do estudo de espécies vivas. Em outras palavras, quanto maior o animal individual, menor sua densidade populacional, com algum peso também dado ao nível trófico (onde se encontram na cadeia alimentar) e sua fisiologia. Animais maiores tendem a ter um alcance individual maior, pois precisam de mais comida para sustentar sua massa corporal do que animais menores, o que significa que a massa corporal é inversamente correlacionada com a densidade populacional.

O registro fóssil mostrou que massa corporal média de um T. rex adulto era de cerca de 5200 kg. A equipe também usou modelos climáticos e as localizações do T. rex ainda estimadas que a extensão geográfica total da espécie era de cerca de 2,3 milhões de quilômetros quadrados na América do Norte. Com estes dados em mãos, os pesquisadores calcularam que havia cerca de um T. rex para cada 100 quilômetros quadrados na América do Norte.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Os pesquisadores estimaram que em qualquer momento durante sua existência, havia cerca de 20.000 T. rex vivos, e eles cumpriram seus deveres carnívoros por cerca de 127.000 gerações. Isso eleva o tamanho total de sua população, desde o surgimento até a extinção, para 2,5 bilhões indivíduos.

T. rex
(Yuri_B / Pixabay)

Qual o grau de certeza dessas estimativas?

A abordagem tem grande potencial, de acordo com os autores do artigo, que acreditam que a estrutura poderia ser usada para estimar o número total de qualquer espécie extinta – desde que se tenha as informações necessárias. De acordo com os pesquisadores, isso inclui a massa corporal da espécie, se ela comia carne ou vegetação e se era de sangue frio ou quente. Essas informações são então combinadas com dados sobre sua distribuição geográfica e por quanto tempo esteve vivo como espécie.

Dada a quantidade de suposições feitas para obter essas estimativas de abundância, é claro que elas apresentam altos níveis de incerteza. Mas ainda assim, os dados são empolgantes e os pesquisadores planejam realizar novas estimativas com diversas outras espécies.

O estudo foi publicado na revista Science.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Damares Alves
Publicado por

Apaixonada pela natureza, me tornei redatora e hoje escrevo exclusivamente sobre ciência. Meu objetivo é que todos possam ter acesso a pesquisas importantes e descobertas incríveis que são realizadas todos os dias.

Faça um comentário

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.

Mente & Cérebro

Nas últimas décadas, inúmeras pesquisas mostraram a relação entre amamentação e a saúde da criança. Sabe-se, por exemplo, que a amamentação ajuda no desenvolvimento...

Planeta & Ambiente

Nukumi, uma grande fêmea de tubarão-branco marcada no ano passado está cruzando o Atlântico já faz dois meses. De acordo com especialistas, ela pode estar...