NotíciaNova tecnologia permite manipular facilmente o sexo de bebês através do esperma

Redação1 semana atrás5 min
https://i2.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/08/sexo.jpg?fit=1200%2C900&ssl=1

Pesquisadores da Universidade do Japão testaram seu método de seleção de sexo, que determina se o esperma carrega um cromossomo X ou Y em camundongos.

O experimento de prova de conceito retarda os cromossomos portadores de X – que produziriam uma fêmea – para que os diferentes espermatozoides sexuais pudessem então ser separados.

Como é determinado o sexo em humanos?

Humanos possuem dois cromossomos sexuais, o X e o Y, que são transportados no esperma, cada espermatozoide carrega um ou outro.

Um espermatozoide portador de cromossomo X produzirá uma fêmea e o esperma do cromossomo Y produzirá um macho.

Em humanos, os outros 22 pares de cromossomos – os autossomos – são idênticos.

Os cromossomos individuais estão dentro das cabeças dos espermatozoides, que fertilizam os óvulos.

Todos os óvulos possuem um cromossomo X, tornando o esperma o único fator determinante do sexo biológico.

O estudo

A pesquisa foi realizada em camundongos, mas a técnica é susceptível de ser amplamente aplicável a outros mamíferos, incluindo seres humanos.

O Dr. Peter Ellis, professor de Biologia Molecular e Reprodução da Escola de Biociências da Universidade de Kent, disse: “Ele potencialmente permite a seleção sexual rotineira em qualquer dessas espécies.”

Preocupações éticas

A descoberta de que algumas substâncias químicas retardam a produção de espermatozoides que carregam o cromossomo X pode levar a géis para uso doméstico, isso torna menos provável que um casal conceba uma menina, alertaram cientistas.

É provável que haja uma larga procura por esses produtos, especialmente em países onde as relações sexuais já foram distorcidas em favor dos meninos. “Em países onde já existe uma relação de sexo distorcida, é claro que, se houver tecnologias mais fáceis, baratas e acessíveis, elas serão usadas”, diz o bioeticista Wybo Dondorp, da Universidade de Maastricht, na Holanda.

Porque desenvolver esse tipo de tecnologia?

A escolha do sexo das crianças é uma questão eticamente complexa, mas a capacidade de escolher o sexo no gado por exemplo, pode levar a uma agricultura muito mais humana.

Masayuki Shimada, da Universidade de Hiroshima, no Japão, tentou seu novo método para classificar os espermatozoides em bovinos, onde há muita demanda por determinação sexual. Vacas são de uso limitado para os produtores de leite, enquanto os produtores de carne preferem machos.

Nos EUA, muitos agricultores inseminam vacas com sêmen, classificadas usando uma técnica chamada citometria de fluxo. Isso dá cerca de 90% de chance de cada filhote ser do sexo desejado. Mas é uma tecnologia muito cara.

O artigo científico foi publicado na revista PLOS Biology.

FONTE / New Scientist