História & HumanidadeChing Shih, de prostituta à pirata mais poderosa dos mares

https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/Ching-Shih.jpeg

Ching Shih (ou Zheng Shi) foi uma prostituta chinesa que se tornou uma poderosa pirata, controlando a infame Frota Bandeira Vermelha. A frota cresceu sob o seu comando, com reservas de saque em expansão e um sistema organizado de negócios. Por fim, Ching Shih procurou a anistia quando oferecida pelo governo chinês, mas não sem antes negociar para manter as riquezas e o poder que ganhou como senhora pirata.

Pouco se sabe sobre o início da vida de Ching Shih. Ela nasceu na província de Guangdong, na China, em 1775, e seu nome de nascimento era ShiI Xiang Gu. Ela se tornou uma prostituta que trabalhava em um bordel flutuante em Cantão. Em 1801, o pirata Zhèng Yi, que comandou uma frota de navios chamada “Red Flag Fleet”, notou a beleza de Ching Shih, e desejava estar com ela. Há vários relatos de como eles realmente vieram a ficar juntos. Segundo alguns, Zhèng Yi enviou um ataque e ordenou-lhes que pilhassem o bordel. Ele pediu que lhe trouxessem Ching Shih, sua prostituta favorita. Os homens fizeram o que lhes foi ordenado, e Zhèng Yi e Ching Shih casaram. Em outros relatos, Zhèng Yi simplesmente pediu Ching Shih em casamento. Ela concordou com sua proposta, desde que tivesse algum poder dentro de sua organização, e receberia uma parte igual de sua pilhagem. Embora os relatos variem de como eles realmente vieram a ficar juntos, Ching Shih e Zhèng Yi começaram a comandar a Frota da Bandeira Vermelha juntos.

Com Zhèng Yi e Ching Shih lado a lado, a Frota Bandeira Vermelha cresceu rapidamente de 200 navios para mais de 600 navios, e eventualmente para 1700 a 1800 navios. Sua frota era “codificada por cores”, com a frota principal sendo Vermelha e as demais frotas Preta, Branca, Azul, Amarela e Verde. Eles formaram a Coligação de Piratas Cantoneses com o pirata Wu Shi’er. Zhèng Yi morreu em 1807, apenas 6 anos depois de se casar com Ching Shih. Na altura da sua morte, a frota Bandeira Vermelha incluía aproximadamente 50.000 a 70.000 piratas. Ching Shih, não querendo regressar a uma vida de prostituição, sabia que esta era a sua oportunidade de se tornar uma poderosa senhora pirata. Ela poderia simplesmente ter abandonado a organização, permitindo que Chang Pao, o segundo comandante de Zhèng Yi, assumisse o comando. Chang Pao havia sido adotado como filho por Zhèng Yi e Ching Shih. No entanto, Ching Shih desejava o poder e a glória de ser a líder da Frota Bandeira Vermelha. Com o apoio de Chang Pao, Ching Shih assumiu o comando.

Ching Shih era uma senhora pirata rígida. Ela se concentrava muito em negócios e estratégia militar. Ela até se esforçou muito para formar um governo “ad hoc” sob o qual seus piratas estavam vinculados e protegidos por leis e impostos. Qualquer pilhagem que fosse apreendida tinha de ser primeiro apresentada à frota e registada antes de poder ser distribuída. Qualquer que fosse o navio capturado, os saqueadores tinham o direito de reter 20% do seu valor, enquanto os restantes 80% eram colocados no fundo colectivo da frota.

Ching Shih estabeleceu regras muito rígidas sobre o tratamento das prisioneiras capturadas – em particular as prisioneiras do sexo feminino. Mulheres cativas que eram consideradas “feias” eram libertadas, ilesas. Uma pirata que desejava levar uma bela mulher cativa como sua esposa era livre para fazê-lo, mas eles eram obrigados a ser fiéis e a cuidar dela. A infidelidade e o estupro eram ambas ofensas pelas quais um pirata seria executado. A pena de morte severa era comum para piratas da Frota da Bandeira Vermelha que não aderiram ao código. Os desertores eram caçados e suas orelhas cortadas quando capturados. Outras punições incluíam chicotear, aquartelar e bater em ferros.

A frota de Ching Shih assumiu a liderança sobre muitas aldeias costeiras, às vezes até mesmo impondo taxas e impostos sobre as aldeias. Estas aldeias costeiras estendiam-se de Macau a Cantão. Ching Shih chamava-se “O Terror do Sul da China” e punia cruelmente aqueles que resistiam, pregando os pés no convés do seu navio e espancando-os. Alguns afirmam que Ching Shih era um contrabandista de ópio, enquanto outros afirmam que ela se limitava principalmente a saquear, roubar e tributar as aldeias que os seus piratas invadiam. Navios navais chineses, portugueses e britânicos foram todos destruídos pela frota de Ching Shih. Como parecia que ela não podia ser derrotada, os chineses ofereceram anistia a todos os piratas, na esperança de eliminar o reinado de Ching Shih sobre o mar.

No entanto, as negociações entre Chang Pao e o oficial Zhang Bai Ling chegaram a um impasse. O governo chinês queria que os piratas se ajoelhassem diante deles, e houve desacordo sobre o que aconteceria com as reservas de saque. Ching Shih tomou as questões nas suas próprias mãos e entrou no escritório de Zhang Bai Ling desarmada, acompanhada por 17 mulheres e crianças analfabetas. Ching Shih e Zhang Bai Ling concluíram as negociações. Ching Shih foi autorizada a guardar todo o seu saque. Para resolver o impasse de se ajoelhar, Zhang Bai Ling concordou em testemunhar o casamento de Ching Shih e Chang Pao, pelo qual os dois tiveram que se ajoelhar diante de Zhang Bai Ling em agradecimento. Neste ponto, Ching Shih terminou sua carreira como pirata e teve um filho com Chang Pao. Quando Chang Pao morreu, Ching Shih retornou a Cantão e abriu sua própria casa de jogo. Ela permaneceu em Cantão até morrer em 1844.

A história de Ching Shih é clássica e cheia de riquezas. Através de sua força e coragem, ela se tornou uma poderosa pirata do sexo feminino, responsável por uma grande frota e uma tripulação massiva. Com o passar do tempo, ela se tornou cada vez mais poderosa, e suas reservas de saque cresceram até que ela viu a oportunidade de anistia. Através de duras negociações, Ching Shih foi capaz de ir embora com tudo o que desejava, e a anistia que ela esperava.

Esta é uma tradução autorizada do artigo original de Ancient Origins. Leia-o em inglês clicando aqui.

LEIA TAMBÉM: Misterioso navio encontrado no Mar Báltico com armas prontas pra atirar

Posts relacionados