Saúde & Bem-EstarCientistas produzem a imagem mais detalhada do cérebro humano já feita

O cérebro era de uma mulher que havia morrido aos 58 anos de idade.
Redação3 meses atrásImagem: B.L. EDLOW ET AL/BIORXIV.ORG 2019
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/cérebro-humano.jpg

A nova imagem, possibilitada por uma poderosa máquina de ressonância magnética, tem a resolução potencial para detectar objetos com menos de 0,1 milímetros de largura. O tempo de digitalização de mais de 100 horas produziu uma imagem tridimensional de todo o cérebro humano, a mais detalhada que conhecemos até hoje.

“Jamais havíamos visto um cérebro inteiro como este”, diz o engenheiro elétrico Priti Balchandani, da Icahn School of Medicine no Monte Sinai, em Nova York, que não estava envolvido no estudo. “A imagem é, definitivamente, sem precedentes.”

O exame mostra estruturas cerebrais como a amígdala em detalhes vívidos, uma imagem que pode levar a uma compreensão mais profunda de como mudanças sutis na anatomia podem se relacionar com distúrbios como o transtorno de estresse pós-traumático.

Para obter este novo olhar, pesquisadores do Massachusetts General Hospital em Boston e em outros lugares estudaram um cérebro de uma mulher de 58 anos que morreu de pneumonia viral. Seu cérebro doado, presumivelmente saudável, foi preservado e armazenado por quase três anos.

Antes do início do exame, os pesquisadores construíram um caso esferoidal personalizado de uretano que mantinha o cérebro imóvel e permitia que bolhas de ar interferentes escapassem. Enclausurado de forma robusta, o cérebro então entrou em uma poderosa máquina de RM chamada 7 Tesla, ou 7T, e permaneceu lá por quase cinco dias de escaneamento.

A força do 7T, a duração do tempo de varredura e o fato de que o cérebro estava ainda perfeito conduziram a imagens de alta resolução, que foram descritas em bioRxiv.org. Vídeos associados do cérebro, bem como o conjunto de dados subjacentes, estão disponíveis publicamente.

 

Acima, o vídeo mostra os movimentos das rugas externas para as estruturas internas e depois retorna para as rugas de um cérebro humano completo em resolução extremamente alta.

Os pesquisadores não podem obter o mesmo tipo de resolução em cérebros de pessoas vivas. Para começar, pessoas não tolerariam um scan de 100 horas. E mesmo pequenos movimentos, como os que vêm da respiração e do fluxo sanguíneo, desfocariam as imagens.

Mas impulsionar ainda mais a tecnologia em amostras post mortem “nos dá uma ideia do que é possível”, diz Balchandani. A U.S. Food and Drug Administration aprovou o primeiro scanner 7T para imagens clínicas em 2017, e grandes centros médicos estão cada vez mais usando-os para diagnosticar e estudar doenças.

Essas imagens cerebrais detalhadas podem conter pistas para pesquisadores que tentam identificar anormalidades cerebrais difíceis de ver envolvidas em distúrbios como comas e condições psiquiátricas, como a depressão. As imagens “têm o potencial de avançar a compreensão da anatomia do cérebro humano na saúde e na doença”, escrevem os autores.

FONTE: A 100-hour MRI scan captured the most detailed look yet at a whole human brain [ScienceNews]

MAIS SOBRE CÉREBRO: Cientistas encontram universo multidimensional no cérebro

Posts relacionados