Nova imagem do Hubble é a maior foto do universo já vista
 

AstronomiaNova imagem do Hubble é a maior foto do universo já vista

E é de tirar o fôlego.
Redação2 semanas atrás5 min

Astrônomos produziram a maior foto do universo, usando 16 anos de observações do Telescópio Espacial Hubble. A imagem, uma combinação de quase 7.500 exposições separadas do Hubble, contém cerca de 265.000 galáxias. Elas se estendem por 13,3 bilhões de anos, há apenas 500 milhões de anos após o Big Bang.

O Hubble Legacy Field combina observações feitas por várias pesquisas de campo profundo do Hubble. Em 1995, o Campo Profundo do Hubble capturou vários milhares de galáxias inéditas. O subsequente Hubble Ultra Deep Field de 2004 revelou quase 10.000 galáxias em uma única imagem.

O novo conjunto de imagens do Hubble, criado a partir de quase 7.500 exposições individuais, é o primeiro de uma série de imagens do Hubble Legacy Field.

“Agora que fomos mais longe do que em pesquisas anteriores, estamos colhendo muito mais galáxias distantes no maior conjunto de dados já produzido pelo Hubble”, disse o Dr. Garth Illingworth, astrônomo na Universidade da Califórnia.

“Esta imagem contém a história completa do crescimento das galáxias no Universo, desde o tempo delas como ‘crianças’ até quando elas se tornaram em ‘adultas’.”

Este gráfico revela imagens aproximadas de 15 galáxias das 265.000 galáxias do Campo Profundo do Hubble.

Nenhuma imagem ultrapassará essa até que futuros telescópios espaciais como o Telescópio Espacial James Webb da NASA/ESA sejam lançados.

“Nós montamos este mosaico como uma ferramenta para ser usada por nós e por outros astrônomos”, disse Illingworth.

“A expectativa é que essa pesquisa leve a uma compreensão ainda mais coerente, aprofundada e maior da evolução do Universo nos próximos anos.”

A maior foto do universo, do Hubble Legacy Field, produz um enorme catálogo de galáxias distantes.

“Tais medidas de alta resolução das numerosas galáxias neste catálogo permitem uma ampla gama de estudos extragalácticos”, disse Katherine Whitaker, astrônoma na Universidade de Connecticut.

“Muitas vezes, esses tipos de pesquisas produziram descobertas imprevistas que tiveram um grande impacto em nossa compreensão da evolução das galáxias.”

“Um aspecto interessante dessas novas imagens é o grande número de canais de cores sensíveis agora disponíveis para visualizar galáxias distantes, especialmente na parte ultravioleta do espectro”, disse o Dr. Rychard Bouwens, astrônomo da Universidade de Leiden, na Holanda.

“Com imagens em tantas frequências, podemos dissecar a luz das galáxias nas contribuições de estrelas jovens e velhas, bem como de núcleos galácticos ativos.” [Sci-News]

Você pode doar a partir de R$ 3 mensais e nos ajudar a expandir este projeto. Com a sua ajuda, poderemos alcançar mais pessoas e produzir um conteúdo de alta qualidade. Para doar, clique aqui. É um processo rápido e fácil.