Droga antienvelhecimento que mata células idosas passa em primeiro teste humano
 

BiologiaMedicinaDroga antienvelhecimento que mata células idosas passa em primeiro teste humano

As células senescentes poderiam desempenhar um papel importante na batalha contra o envelhecimento.
Redação20 de março de 201910 min

Uma estratégia anti-envelhecimento passou em seu primeiro teste no início deste ano, depois que 14 voluntários tomaram drogas para matar células tóxicas em seus corpos.

O pequeno estudo em pessoas com doença pulmonar, relatado em janeiro, está sendo anunciado como a primeira tentativa de empregar drogas para limpar o corpo de células envelhecidas e tóxicas. Alguns pesquisadores acreditam que essa estratégia poderia ser empregada em pessoas saudáveis ​​para retardar o envelhecimento.

“Isso nos dá, em certa medida, uma luz verde para testes maiores”, diz James Kirkland, professor da Mayo Clinic que ajudou a liderar o estudo, realizado em clínicas no Texas e na Universidade Wake Forest a partir de 2016.

Os pacientes tomaram duas pílulas que Kirkland e seus colegas acreditavam que poderiam se livrar seletivamente das células envelhecidas: o dasatinibe, uma droga para a leucemia, e um suplemento chamado quercetina.

É cedo para drogas destinadas a retardar o envelhecimento, e alguns respiraram aliviados que os pacientes neste primeiro estudo não sofreram efeitos colaterais graves das drogas. “Minha preocupação é que não devamos pular nisso rápido demais, porque se houver um erro ou algo que não entendemos, isso pode definir o campo de volta”, diz  Judith Campisi, professora do Instituto Buck, na Califórnia.

Este foi um teste piloto – nem mesmo na primeira fase de uma sequência de três etapas de testes necessários para obter a aprovação da Food and Drug Administration dos EUA. Então, oficialmente, não mostrou nada sobre o envelhecimento.

Todos os 14 pacientes sofriam de uma doença pulmonar fatal, difícil de tratar, chamada fibrose pulmonar idiopática, o que explica por que eles estavam dispostos a participar do experimento. Os médicos descobriram que nove doses das duas pílulas ao longo de três semanas pareciam melhorar a capacidade dos pacientes de andar um pouco mais na mesma quantidade de tempo e várias outras medidas de bem-estar.

Uma bolha de entusiasmo comercial foi construída em torno da ideia de que o envelhecimento poderia ser adiado, ou seus efeitos temperados, usando tratamentos com drogas. Uma empresa chamada Unity Biotechnology, de Brisbane, na Califórnia, está desenvolvendo dois medicamentos senolíticos, o primeiro dos quais está em um ensaio clínico de fase 1 para osteoartrite – está sendo injetado nos joelhos das pessoas. Campisi é co-fundador da Unity, e Kirkland também detém ações da empresa pública, que atualmente vale cerca de meio bilhão de dólares.

Essas drogas visam as células senescentes, que esgotaram sua capacidade de se dividir, mas permanecem capazes de liberar uma potente mistura de sinais químicos. “Acredita-se que essas células e as substâncias que elas produzem estão envolvidas no processo de envelhecimento”, diz Nicolas Musi, que participou do novo estudo e dirige o Instituto Sam e Ann Barshop para Estudos de Longevidade e Envelhecimento na Universidade do Texas. Austin. “A ideia é que remover essas células pode ser benéfico para promover o envelhecimento saudável e também prevenir doenças do envelhecimento.”

Na fibrose pulmonar idiopática, células senescentes se acumulam nos pulmões. Em testes anteriores em camundongos, uma combinação de dasatinibe e quercetina, que é um pigmento de planta, mostrou eliminar essas células e prolongar o tempo em que os animais permaneceram saudáveis ​​(embora não os fizessem viver mais).

“É um vislumbre do que pode acontecer enquanto colocamos esses agentes em humanos”, diz Kirkland. Ele adverte os entusiastas antienvelhecimento de tomar as pílulas por conta própria (a quercetina já está disponível em lojas on-line de fornecedores de suplementos com nomes como LifeExtension). “Quando vamos de ratos para as pessoas, é aí que vemos as coisas darem errado”, diz Kirkland. “As pessoas simplesmente não deveriam estar tomando essas drogas fora do contexto de um estudo clínico supervisionado”.

Nem tudo sobre células senescentes é ruim. Acredita-se que as células e suas secreções sejam importantes durante o desenvolvimento de embriões, no momento do trabalho de parto, na cicatrização de feridas e na formação de tecido cicatricial. “Você nunca iria querer administrar senolíticos a uma mulher grávida”, diz Campisi. “Agora está ficando claro que você precisa dessas secreções para que certas coisas boas aconteçam. Quando as secreções se tornam crônicas, ao contrário de periódicas ou episódicas, é quando começa a dirigir patologia.”

Os pesquisadores estão iniciando seus testes em pessoas com doença grave, mas esperam explorar se agentes senolíticos podem ser administrados a pessoas saudáveis, como uma limpeza dental semestral para remover a placa bacteriana. “Você reduz o peso das células senescentes, mas não precisa chegar a zero”, imagina Campisi. “E então você sai das drogas.”

Musi diz que ele e Kirkland e seus colaboradores começaram um teste em mais 15 pacientes com problemas no pulmão, e a equipe da Mayo está testando a combinação de drogas em 20 pacientes com doença renal crônica. “Se vemos sinais de eficácia e não encontramos efeitos colaterais muito ruins, tentaremos chegar a pessoas com condições cada vez menos ameaçadoras à vida”, diz Kirkland. “Se tudo der certo.” [MIT Technology Review]