Connect with us

Hi, what are you looking for?

Notícia

Um satélite de 1964 está caindo em direção à Terra

(Créditos da imagem: NASA).

Ao final da tarde do último sábado (29), em torno de 18h10 no horário de Brasília, um satélite lançado pela NASA no ano de 1964, ainda no início da corrida espacial, cairá na atmosfera da Terra.

É claro que ele não representou nenhum perigo. Um satélite é muito pequeno para atingir o solo – queimando completamente na atmosfera, como um meteoro. Ademais, ele caiu sobre o gigante Oceano Pacífico.

As primeiras detecções do objeto foram realizadas por dois observatórios. O Catalina Sky Survey (CSS), da Universidade do Arizona, e o Sistema de Alerta de Impacto Terrestre de Asteroides (ATLAS), pertencente à Universidade do Havaí. Foram duas detecções independentes, o que chamou a atenção.

Continua depois da publicidade

Inicialmente ao detectar o objeto em rota de colisão com a atmosfera terrestre, os cientistas pensaram que fosse um pequeno asteroide. A entrada de asteroides na atmosfera é algo extremamente comum.

Entretanto, o Centro de Estudos de Objetos Próximos da Terra (CNEOS), do  Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, e o Centro de Coordenação NEO da Agência Espacial Europeia, realizaram cálculos de precisão.

Logo depois, ao analisar as diversas características, desde tamanho, até a rota, os cientistas perceberam que não trata-se de um asteroide. Era, na verdade, o OGO-1, um satélite lançado em 1964 pela NASA.

Continua depois da publicidade

“A espaçonave se fragmentará na atmosfera e não representará nenhuma ameaça ao nosso planeta – ou a qualquer pessoa nele – e esta é uma ocorrência operacional final normal para espaçonaves aposentadas”, explica um comunicado da NASA.

O OGO-1

O Orbiting Geophysics Observatory 1 (OGO-1) foi o primeiro de uma série de seis satélites lançados ao longo da década de 1960 pela NASA, a agência espacial americana.

A missão do OGO-1 era coletar dados do campo magnético terrestre. Também observou além das interações da Terra com o Sol. A espaçonave operou entre os anos de 1964 e 1969. Em 1971 ocorre sua desativação.

Continua depois da publicidade

Como já diz aquele ditado: “tudo que vai, volta”. E essa é a morte natural dos satélites. Em suma, os objetos em órbita da Terra estão todos em queda livre, inclusive a gigante Estação Espacial Internacional (ISS).

As espaçonaves que estão em operação, entretanto, possuem suas altitudes constantemente reajustadas. O OGO-1 enfrenta uma queda livre desde a desativação, e apenas agora entra na atmosfera, no entanto.

Essa demora toda em cair ocorre por sua alta velocidade. Sabe quando você era criança, amarrava uma corda em um balde com água e o girava para ver se a água não caía (ou só eu que fazia isso?)?

Continua depois da publicidade

Enfim, é o mesmo efeito. A gravidade puxa o satélite para baixo. Entretanto, a força tangencial faz com que ele possua uma tendência de escapar da gravidade terrestre.

Dessa forma, se a velocidade fosse muito alta, ele seria mesmo lançado para fora da órbita. Mas a sua força tangencial é, ainda, menor do que a força da gravidade. Então, ele segue sendo puxado lentamente para a Terra. Tão lentamente que ele levou 49 anos para chegar a esse ponto.

O mais curioso é que todos os outros cinco, lançados mais tarde, já voltaram para a Terra. O OGO-1, mesmo sendo o mais velho, é o único deles que ainda se aventurava pelo espaço, no entanto.

Continua depois da publicidade

Com informações de NASA e Space.com.

Avatar
Publicado por

É divulgador científico por paixão. Gradua-se em Física pela UFSCAR e atua principalmente na Ciencianautas e SoCientífica.


Populares hoje

Tecnologia

A Rússia está desenvolvendo uma nova arma destrutiva, um torpedo nuclear furtivo. O objetivo do torpedo é gerar tsunamis radioativos. Apesar de ainda estar sendo construído...

Plantas & Animais

Diversos vídeos na internet mostram como cães e outros pets podem demonstrar ciúmes em diversas situações. Contudo, ainda há poucos estudos que indiquem realmente...

Mundo Estranho

Com intuito de criar interfaces cérebro-computador, a empresa Neuralink segue nos últimos 2 anos, avançando em suas pesquisas. Com auxílio dos novos computadores criados...

Espaço

O Programa Ártemis é uma proposta que pode revolucionar a comunidade que, por décadas, foi excluída de missões importantes da NASA. No dia 9...