Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

Tecnologia em desenvolvimento criará oxigênio na Lua

A empresa belga Space Applications Services está desenvolvendo uma tecnologia para produzir oxigênio na Lua. O lançamento de um protótipo está agendado para 2025 como parte de uma missão de demonstração da ESA.

Imagem: Time Life Pictures/NASA/The LIFE Picture Collection/Getty Images

Os Estados Unidos, a China e a Rússia estão planejando se estabelecer permanentemente na Lua nos próximos anos. Inicialmente, as diversas operadoras poderão transportar equipamentos e recursos da Terra. No entanto, a longo prazo, os custos de transporte inerentes a esses suprimentos serão muito altos. É por isso que meios estão sendo desenvolvidos para tentar contar com recursos da própria Lua.

A extração de oxigênio em particular será essencial para futuros assentamentos humanos na Lua e em Marte .

O oxigênio poderia, de fato, ser combinado com outros gases para produzir ar respirável. Também poderia ser usado para desenvolver combustível de foguete (oxigênio líquido). Permitir que uma espaçonave “reabasteça” diretamente na Lua com recursos locais, como oxigênio, sem dúvida desempenhará um papel fundamental na exploração do sistema solar nas próximas décadas.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Extraindo oxigênio do regolito lunar

A Agência Espacial Europeia (ESA) adjudicou recentemente contratos a várias empresas. As empresas terão que desenvolver uma tecnologia capaz de extrair oxigênio diretamente da poeira lunar. A empresa Space Applications Services, da Bélgica, é uma delas.

Regolito lunar simulado não tratado à esquerda em comparação com o mesmo regolito após a extração de oxigênio com o método FFC Cambridge. Imagem: ESA

Para fazer isso, os engenheiros da empresa estão desenvolvendo uma estrutura experimental baseada no processo FFC Cambridge, um método eletroquímico de produção de titânio a partir do óxido de titânio por eletrólise em sais de cálcio fundidos desenvolvido no final dos anos 1990.

No ambiente lunar, a técnica se concentrará no regolito, composto de aproximadamente 45% de oxigênio. Se tudo correr como planejado, um primeiro protótipo será enviado à Lua em 2025 como parte de uma missão de demonstração.

Observe que, eventualmente, as ligas metálicas deixadas após a extração de oxigênio, em grande parte compostas de ferro, alumínio e silício, não serão desperdiçadas. Elas poderiam ser usadas ​​para fabricar componentes para uma base lunar graças, por exemplo, à impressão 3D.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Além do método FFC Cambridge, a Space Applications Services também está se concentrando em outra técnica de mineração envolvendo ilmenita, um minério rico em titânio encontrado em certas áreas da lua. O princípio é cozinhar o regolito em um recipiente fechado com gás hidrogênio. Na presença de calor, o oxigênio na ilmenita reage com o hidrogênio para formar vapor de água, que pode então ser dividido em oxigênio e hidrogênio.

Avatar
Publicado por

Tradutor e escritor freelancer, é divulgador científico na SoCientífica desde 2018. Nela, escreve sobre temas que dão faísca à imaginação do leitor, de tubarões e fantasmas a quasares.

Faça um comentário

Tecnologia

Cientistas estão trabalhando em um novo tipo de propulsão hipersônica que poderia permitir aviões voarem a mais de 20.000 km/h (Mach 17).

Plantas & Animais

Minúsculas criaturas, os rotíferos bdelóides, ficaram congelados no permafrost por 24.000 anos e foram recentemente trazidos de volta à vida, produzindo clones em um...

Notícia

Por muitos anos, a ecolocalização humana tem sido uma forma de percepção para pessoas que perderam a visão. Apesar disso, poucas pesquisas reforçavam essa...

Plantas & Animais

Raças menores de cães geralmente apresentam comportamentos mais instáveis. Pode haver, portanto, diversos motivos para cachorros pequenos serem ferozes.