Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Raposa viaja mais de 4 mil quilômetros sozinha até o Canadá

Pesquisadores seguiram os passos de uma raposa polar que viajou da Noruega para o Canadá em menos de três meses. Segundo eles, essas viagens ocasionais por longas distâncias feitas por essa espécie podem não ser mais possíveis nos próximos anos por causa das mudanças climáticas.

Sabe-se, no passado, que as raposas árticas das regiões árticas têm resistência excepcional e viajam regularmente longas distâncias. Isso promove o fluxo gênico, isto é, a mistura de DNA entre diferentes populações da mesma espécie que podem mostrar variações genéticas que surgiram ao longo de gerações (devido a seus habitats distantes e isolados). O mar congelado e os blocos de gelo fornecem conexões entre as diferentes regiões do Ártico e os continentes do Hemisfério Norte.

Desde o início dos anos do século 19, os exploradores sabem como e quão rapidamente as raposas polares podem fazer viagens de milhares de quilômetros. Mas sempre foi difícil para eles rastrear alguma que decide migrar por longas distâncias, a pequena quantidade de dados sobre o assunto prova isso.

Continua depois da publicidade

No ano passado, um grupo de cientistas de Spitsbergen, uma ilha norueguesa, aceitou esse desafio colocando rastreadores em cerca de 50 raposas polares. No entanto, apenas uma delas se aventurou para fora da Noruega para viajar pela Groenlândia e terminar na Ilha Ellesmere no Canadá, totalizando mais de 4.350 quilômetros.

Mas o que chamou a atenção do grupo foi a duração de sua migração, que ela fez em menos de 3 meses (76 dias). De fato, os pesquisadores haviam documentado há alguns anos outra raposa, que viajara uma distância semelhante, mas em cerca de 6 meses. A raposa seguida pelo grupo viajou em média 50 quilômetros por dia e até 160 vezes. Inicialmente, os cientistas dificilmente acreditariam nisso.

“Quando começou, pensamos: é realmente possível?”, disse Arnaud Tarroux, um dos pesquisadores do grupo. “Houve algum erro nos dados?”

Continua depois da publicidade

Eles sugeriram que a motivação para esta longa jornada da raposa do Ártico era forragear. No entanto, durante o mês de fevereiro, o rastreador parou de funcionar e foi perdido até encontrá-lo na ilha canadense.

Os pesquisadores então se perguntaram o que havia acontecido com o rastreador. Teria sido removido por alguém? Teria ele acabado em um barco? Essas perguntas implicariam que o animal recebeu “ajuda”, facilitando as viagens. Mas, analisando os dados obtidos, eles estavam certos de que a viagem fora feita sem ajuda externa.

Este estudo permitiu ao grupo de Tarroux apresentar uma teoria sobre uma questão colocada em 1885 por um ganhador do Prêmio Nobel da Paz, Fridtjof Nansen. Ele se perguntou por que ele viu uma raposa durante uma expedição ao Pólo Norte. Segundo eles, as espécies encontradas no Norte fazem parte de um modelo mais geral de genes que foram trocados entre vários grupos distantes, que podem até ser separados no nível continental.

Continua depois da publicidade

Embora essas viagens longas raramente sejam feitas por raposas polares, elas contribuem imensamente para misturas genéticas intraespecíficas, o que significa que a maioria das raposas polares no Extremo Norte mantém a mesma aparência.

No entanto, esses fluxos gênicos poderiam diminuir significativamente no futuro próximo, devido ao derretimento do gelo devido ao aquecimento global, dificultando sua viagem pelos países nórdicos e promovendo o isolamento de diferentes grupos de raposas polares – que é o caso agora na Islândia, de acordo com o grupo.

“Este tipo de viagem para as espécies não será possível no futuro, se o gelo desaparecer”, diz Tarroux.

Continua depois da publicidade

Matéria traduzida a partir da original em TrustMyScience.

Da Redação
Publicado por

A SoCientífica, abreviação para Sociedade Científica, nasceu em agosto de 2014 da vontade de decifrar as novidades no mundo científico e transmiti-las para uma sociedade que depende da ciência e tecnologia mas que sabe muito pouco sobre elas. Em um momento em que a desconfiança está se sobressaindo e novas ondas negacionistas de evidências surgem, a SoCientífica está empenhada em ajudar a trazer iluminação para a sociedade novamente.

Comentários

Populares hoje

Mente & Cérebro

Pela primeira vez, pesquisadores conseguiram estudar o momento em que a morte cerebral se torna irreversível no corpo humano, observando o fenômeno em vários...

Plantas & Animais

No fim da década passada, em 2007, cientistas russos, húngaros e norte-americanos recuperaram sementes congeladas de Silene stenophylla, enquanto avaliavam aproximadamente 70 antigas tocas...

Mundo Estranho

Esta semana moradores da cidade de Cracóvia, na Polônia teriam se trancado em casa assustados com uma ‘criatura aterrorizante’ que estaria escondida nas árvores perto...

História & Humanidade

100.000 anos atrás, um grupo de 36 neandertais caminhou ao longo de uma praia no sul da Espanha. Durante a caminhada, vários indivíduos deixaram...