Connect with us

Hi, what are you looking for?

Saúde & Bem-Estar

Toxina mortal pode curar cães – e futuramente pessoas

O tratamento foi eficaz em eliminar as células tumorais retiradas do câncer de bexiga humana, de cães e ratos.

Pesquisadores usam a toxina mortal para curar cães com câncer de bexiga, o tratamento também se mostrou eficaz em eliminar células cancerígenas humanas.
Pesquisadores usam a toxina mortal para curar cães com câncer de bexiga, o tratamento também se mostrou eficaz em eliminar células cancerígenas humanas.

A temida toxina do antraz pode se tornar um aliado na guerra contra o câncer? Pesquisadores usaram a toxina mortal para curar cães, e o tratamento foi bem-sucedido em cães de estimação que sofrem de câncer de bexiga.

O antraz é uma doença causada por uma bactéria, conhecida como Bacillus anthracis, que libera uma toxina que causa a quebra da pele e forma úlceras, além de desencadear pneumonia, dores musculares e no peito. Para adicionar ao seu resumo sinistro e destacar seus efeitos letais, essa toxina tem sido infamemente usada  como arma biológica.

No entanto, meus colegas e eu descobrimos uma maneira de domar esse assassino e usá-lo contra outra ameaça: o câncer de bexiga.

Continua depois da publicidade

Sou bioquímico e biólogo celular e trabalho na pesquisa e desenvolvimento de novas abordagens terapêuticas contra câncer e doenças genéticas há mais de 20 anos. Nosso laboratório investigou, projetou e adaptou agentes para combater doenças; esta é a nossa mais recente história emocionante.

Pressionando as necessidades

Entre todos os cânceres, o que afeta a bexiga é o sexto mais comum e em 2019 causou mais de 17.000 mortes nos EUA. De todos os pacientes que recebem cirurgia para remover esse câncer, cerca de 70% retornam ao consultório médico com mais tumores. Isso é psicologicamente devastador para o paciente e torna o câncer da bexiga um dos mais caros para tratar.

Para piorar as coisas, atualmente existe uma escassez mundial de Bacillus Calmette-Guerin, uma bactéria usada para fazer a imunoterapia, usada para diminuir a recorrência do câncer de bexiga após a cirurgia. Essa situação dificultou o trabalho dos médicos para atender às necessidades de seus pacientes. Portanto, há uma clara necessidade de estratégias mais eficazes para tratar o câncer de bexiga.

Continua depois da publicidade

Anthrax vem em socorro

Anos atrás, os cientistas do laboratório Collier modificaram a toxina do antraz, vinculando-a fisicamente a uma proteína natural chamada fator de crescimento epidérmico (EGF) que se liga ao receptor de EGF, que é abundante na superfície das células cancerígenas da bexiga. Quando a proteína EGF se liga ao receptor – como uma chave se encaixa em uma fechadura – ela faz com que a célula absorva a toxina EGF-antraz, que então induz a célula cancerosa a cometer suicídio (um processo chamado apoptose), deixando as células saudáveis ​​em paz.

A proteína EGF-antraz se liga às células cancerígenas da bexiga, desencadeando apoptose ou morte celular programada, que é um processo regulado que leva à morte celular. (Soleil Nordic / Shutterstock.com)
A proteína EGF-antraz se liga às células cancerígenas da bexiga, desencadeando apoptose ou morte celular programada, que é um processo regulado que leva à morte celular. (Soleil Nordic / Shutterstock.com)

Em colaboração com colegas da faculdade de medicina da Universidade de IndianaHarvard University e do MIT, projetamos uma estratégia para eliminar tumores usando essa toxina modificada. Juntos, demonstramos que essa nova abordagem nos permitiu eliminar as células tumorais retiradas do câncer de bexiga humana, de cães e ratos.

Isso destaca o potencial desse agente em fornecer uma alternativa eficiente e rápida aos tratamentos atuais (que podem levar entre duas e três horas para serem administrados por um período de meses). Uma boa notícia é que a toxina antraz modificada poupou as células normais. Isso sugere que esse tratamento pode ter menos efeitos colaterais.

Usando a toxina mortal para curar cães

Esses resultados encorajadores levaram meu laboratório a unir forças com o grupo do Dr. Knapp no hospital veterinário de Purdue para tratar cães de estimação que sofrem de câncer de bexiga.

Continua depois da publicidade

Pacientes caninos para os quais todas as terapêuticas anticâncer convencionais disponíveis não tiveram sucesso foram considerados elegíveis para esses testes. Somente após os testes padrão terem provado que o agente era seguro em animais de laboratório e com o consentimento de seus cuidadores, seis cães elegíveis com câncer de bexiga terminal foram tratados com o agente derivado da toxina do antraz.

Duas a cinco doses deste medicamento, entregues diretamente dentro da bexiga através de um cateter, foram suficientes para diminuir o tumor em uma média de 30%. Consideramos esses resultados impressionantes, dado o grande tamanho inicial do tumor e sua resistência a outros tratamentos.

Há esperança para todos

Nossos colaboradores do Hospital Universitário de Indiana removeram cirurgicamente as células da bexiga de pacientes humanos e as enviaram ao meu laboratório para testar o agente. Em Purdue, minha equipe descobriu que essas células eram muito sensíveis ao agente derivado da toxina do antraz. Esses resultados sugerem que essa nova estratégia contra câncer de bexiga pode ser eficaz em pacientes humanos.

Continua depois da publicidade

A estratégia de tratamento que desenvolvemos ainda é experimental. Portanto, ainda não está disponível para o tratamento de pacientes humanos. No entanto, minha equipe está buscando ativamente o apoio econômico e as aprovações necessárias para mover essa abordagem terapêutica para ensaios clínicos em humanos. Estão em andamento planos para desenvolver uma nova geração ainda melhor de agentes e expandir sua aplicação à luta contra outros tipos de câncer.

Por R. Claudio Aguilar, Professor Associado de Ciências Biológicas da Purdue University.

Este artigo foi republicado do The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Continua depois da publicidade

Populares hoje

Saúde & Bem-Estar

Uma empresa israelense chamada CorNeat Vision desenvolveu uma córnea sintética e permitiu a um homem de 78 anos, cego há dez anos, recuperar totalmente...

Tecnologia

Muitos especialistas em estratégia militar alertam que as guerras do futuro não serão terrestres, mas confrontos sob o signo da inteligência artificial e do...

História & Humanidade

Os sapiens não são a única espécie humana que já circulou pela Terra, embora hoje só nós estejamos vivos. Fora os sapiens, a espécie...

História & Humanidade

Nós possuímos, em nosso DNA, registros de um ancestral misterioso, que acasalou com espécies humanas há aproximadamente um milhão de anos.