Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

Nuvens ácidas de Vênus poderiam abrigar vida

(Créditos da imagem: NASA/Jet Propulsion Laboratory-Caltech).

Por um tempo, a vida em Vênus foi cogitada. Essa era, inclusive, a linha de pesquisa de Carl Sagan. Embora seu clima não muito agradável tenha matado a ideia, os cientistas pensam que as nuvens ácidas de Vênus poderiam abrigar vida.

Claro, que como um cientista, Sagan não se apegou à ideia da vida em Vênus. Ele foi um dos pioneiros a mostrar que Vênus deveria ser estéril. Em um artigo publicado na revista Nature em 1967, Sagan debate as ideias de vida.

Na época, sabíamos muito pouco sobre o planeta. Isso é notável já no resumo do artigo de Sagan: “Mesmo se a superfície for quente, as regiões polares podem ser frias o suficiente para sustentar a vida, ou podem existir montanhas suficientemente altas, e assim por diante”, diz.

Continua depois da publicidade

Hoje sabemos mais. O clima em Vênus não é nada agradável. Embora não seja o planeta mais próximo do Sol, é o mais quente, graças aos gases, que geram um imenso efeito estufa. Sua temperatura média é de incríveis 461°C.

Algumas sondas, como as soviéticas Venera 7 e Venera 13, além da Pioneer Vênus e Magellan, estas duas últimas americanas, analisaram o planeta, e conseguiram sobreviver por algumas horas em sua superfície. 

Entretanto, mesmo assim, não conseguimos estudar Vênus tanto quanto estudamos Marte, e não há nem mesmo tanto interesse. Agora, no entanto, o jogo pode mudar, com cientistas reafirmando uma não tão pequena possibilidade da vida microscópica nas nuvens ácidas de Vênus. 

Continua depois da publicidade

Carl Sagan propôs, como se vê naquele trecho destacado, montanhas onde a temperatura fosse um pouco mais amigável. E bom, a ideia das nuvens segue uma lógica um tanto parecida. 

Bravos seres nas nuvens ácidas de Vênus

Em nuvens em torno de 48 e 60 quilômetros acima da superfície, as temperaturas poderiam ser um pouco mais amigáveis, poderia haver nutrientes, além da água dissolvida por entre as moléculas de ácido sulfúrico. 

A pesquisa foi liderada por Sara Seager, astrofísica do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). A publicação ocorreu no dia 13 de agosto na revista Astrobiology

Continua depois da publicidade

A ideia da vida nas nuvens também não é muito nova. Ainda em 1967, em outro estudo, Carl Sagan, junto à Harold Morowitz, em um estudo intitulado “Life in the Clouds of Venus?”, também na Nature, já propuseram isso. 

Mas a nova equipe propôs um ciclo de como esses micróbios podem sobreviver por lá, inspirados em como ocorre esse comportamento na Terra. Sabe-se, também, que microrganismos são capazes de suportar o ácido sulfúrico. 

“Em nossa própria Terra, também temos o que chamamos de biosfera aérea. Os da Terra são varridos para cima e flutuam. Eles entram nas gotículas e o vento os carrega por continentes e oceanos inteiros”, explica Seager à Astronomy.

Continua depois da publicidade

Seria um ciclo repetido de “vida e morte”. Quando as gotas precipitassem cairiam em nuvens um pouco mais quentes, onde rapidamente o ácido evaporaria. Nesse momento, os microrganismos perderiam a proteção e entrariam em um estado dormente. 

Entretanto, poderiam ser jogados para cima novamente. No alto, onde as temperaturas estariam abaixo de 77°, e cobertos por água, eles poderiam voltar à vida, e o ciclo se repete.

Note que trata-se apenas de uma hipótese. Materiais como DNA, RNA, açúcares e proteínas podem ser destruídos pelo ácido sulfúrico. As próximas etapas envolvem amadurecer a ideia e buscar por mais exemplos semelhantes na Terra.

Continua depois da publicidade

O estudo foi publicado no periódico Astrobiology. Com informações de Astronomy

 

Continua depois da publicidade
Avatar
Publicado por

É divulgador científico por paixão. Gradua-se em Física pela UFSCAR e atua principalmente na Ciencianautas e SoCientífica.


Populares hoje