Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

No passado, a Terra e a Lua compartilharam o mesmo campo magnético

campo magnético terra e lua
(Shutterstock)

O campo magnético exerce uma importantíssima função em um planeta ou satélite – proteger das intempéries espaciais. O Sol – e qualquer outra estrela – lança, ao espaço, toneladas e mais toneladas de plasma super carregado, além de muita radiação. O campo magnético bloqueia, então, grande parte disso. As auroras são, inclusive, efeito desse bloqueio.

Mas nem sempre tudo foi tão perfeito. Quatro bilhões de anos atrás, a Terra era inabitável. Era um verdadeiro inferno, com a superfície quente e o ar tóxico para quaisquer formas de vida. E não só a Terra era raivosa. A atividade do jovem Sol era muito maior também, ou seja, muitas ejeções de massa coronal e ventos solares atingiam a Terra, que era agredida a torto e a direito – e o campo magnético terrestre não segurava tudo sozinho.

Além de impossibilitar a vida, há um problema: a radiação ionizante é capaz de destruir a atmosfera. A radiação ionizante é aquela capaz de transformar um átomo em um íon, ou seja, arrancando alguns elétrons da eletrosfera atômica. Qualquer onda eletromagnética com frequência maior do que a radiação ultravioleta ioniza – e recebemos muita luz ultravioleta aqui. 

Continua depois da publicidade

Mas em um novo estudo da revista Science Advances, os cientistas sugerem o que protegeu a Terra naquele período: a Lua. Hoje, o interior da Lua já esfriou, e ela não é mais capaz de gerar um campo magnético. Mas durante a sua juventude, podia sim manter um campo magnético. 

(NASA)

Barreira natural

Os cientistas acreditam que a Lua ajudou a Terra a não perder sua atmosfera e a manter condições favoráveis para a vida quando a superfície da Terra deixou de ser um inferno, mesmo com uma atividade solar mais constante. Embora hoje muito morta, a Lua fora muito ativa.

“A Lua parece ter representado uma barreira protetora substancial contra o vento solar para a Terra, o que foi fundamental para a capacidade da Terra de manter sua atmosfera durante este tempo”, explica em um comunicado o autor principal do estudo, Jim Green, cientista-chefe da NASA. “Estamos ansiosos para acompanhar essas descobertas quando a NASA enviar astronautas à Lua por meio do programa Artemis, que retornará amostras críticas do pólo sul lunar”.

A Lua se formou de uma forma violenta – o choque de dois corpos. Quando um planeta chamado Theia se chocou com a Terra, então, nos conturbados primórdios do sistema solar, um grande fragmento tornou-se a Lua. Isso ocorreu, mais precisamente, há 4,5 bilhões de anos. Hoje, o seu interior já esfriou, mas naquela época ainda permanecia quente o suficiente para gerar um campo magnético.

Continua depois da publicidade
(NASA)

“É como fazer um bolo: você tira do forno e ele ainda está esfriando”, explica Green. “Quanto maior a massa, mais tempo leva para esfriar”.

Entendendo o campo magnético

“Compreender a história do campo magnético da Lua nos ajuda a entender não apenas as atmosferas iniciais possíveis, mas como o interior lunar evoluiu”, diz David Draper, co-autor do estudo. “Isso nos fala sobre como o núcleo da Lua poderia ter sido – provavelmente uma combinação de metal líquido e sólido em algum momento de sua história – e essa é uma peça muito importante do quebra-cabeça de como a Lua funciona no interior”.

Em diversos momentos o campo magnético luar teria filtrado a radiação mais forte – e a Terra teve que lidar com uma quantidade menor. Isso ocorreu no período entre 4,1 e 3,5 bilhões de anos atrás. O nitrogênio e oxigênio da Terra podem ter viajado para a Lua nesse período. Então, na próxima missão tripulada, os astronautas podem testar a ideia.

“Amostras significativas dessas regiões permanentemente sombreadas serão críticas para que possamos desvendar essa evolução inicial dos voláteis da Terra, testando nossas suposições de modelo”, diz Green.

Continua depois da publicidade

O estudo científico foi publicado no periódico Science Advances. Com informações de NASA e The Conversation.

Avatar
Publicado por

É divulgador científico por paixão. Gradua-se em Física pela UFSCAR e atua principalmente na Ciencianautas e SoCientífica.


Populares hoje

Ciência

Na Paleontologia, encontrar novas peças que pertenceram a milhões de anos atrás é um dos principais objetos de estudo. No entanto, durante uma expedição...

Notícia

Os hominídeos Homo antecessor são parentes bem antigos dos Homo sapiens. Esses humanos ancestrais habitavam vastas regiões da Europa entre 1,2 milhões e 800...

Notícia

No dia 18 de fevereiro de 2021, a sonda Perseverance da NASA pousou na cratera de Jezero, na superfície de Marte. No entanto, o...