Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

Mercúrio é um planeta com cauda. Veja como isso é possível

Mercúrio é um planeta com cauda
Um meteoro ou cometa? Não, é Mercúrio. (Jeff Baumgartner / Boston University)

Sim, Mercúrio é um planeta com cauda, quase como um grande e velho cometa. A cauda flui a milhões de quilômetros de distância do planeta e brilha com uma luz tênue laranja-amarela.

Isso ocorre graças à posição do planeta: ele é o planeta mais interno do nosso Sistema Solar. É menos da metade da distância de nossa estrela do que a Terra, uma distância média de 58 milhões de quilômetros.

Então, a essa longitude, o pequeno mundo denso e rochoso é constantemente banhado pela radiação solar e maltratado pelo vento solar. Por ser um planeta com uma massa tão baixa – cerca de 5,5% da massa da Terra – ele não é particularmente forte, gravitacionalmente falando. Até o seu campo magnético tem apenas 1% do da Terra.

Continua depois da publicidade

Mercúrio é um planeta com particularidades

Portanto, o planeta não tem o que poderíamos razoavelmente nomear como atmosfera. Em vez disso, há uma fina exosfera composta principalmente de átomos de oxigênio, sódio, hidrogênio, hélio e potássio. Tudo estimulado pelo vento solar e bombardeio de micrometeoroides.

Mercúrio e sua cauda de sódio
Mercúrio e sua cauda de sódio. Reprodução do Twitter de Qiсһеng Ζһаng.

Essa exosfera está gravitacionalmente ligada ao planeta, mas muito difusa para se comportar como um gás. Ou seja, a superfície de Mercúrio é um planeta com pouca proteção contra a radiação solar e o vento solar.

Ainda mais, a radiação solar exerce pressão. Inclusive, nós aproveitamos essa pressão para impulsionar uma espaçonave equipada com uma vela, um pouco como o vento impulsiona navios à vela. Essa pressão de radiação é o que dá aos cometas as suas caudas.

Concluindo, à medida que os cometas se movem perto do Sol, o gelo dentro deles começa a se sublimar e levanta poeira ao escapar do corpo do cometa. Assim, a pressão da radiação solar empurra essa poeira em uma longa cauda, enquanto o gás é moldado pelos campos magnéticos embutidos no vento solar. Por isso, as caudas dos cometas sempre fluem para longe do Sol – não é o movimento que produz a cauda, mas a sua proximidade com a estrela.

Continua depois da publicidade
Amanda dos Santos
Publicado por

Trabalha como redatora e produtora de conteúdo. Graduada em Comunicação Social e atua como colaboradora na SoCientífica.


Populares hoje

Ciência

Na Paleontologia, encontrar novas peças que pertenceram a milhões de anos atrás é um dos principais objetos de estudo. No entanto, durante uma expedição...

Notícia

Os hominídeos Homo antecessor são parentes bem antigos dos Homo sapiens. Esses humanos ancestrais habitavam vastas regiões da Europa entre 1,2 milhões e 800...