Connect with us

Hi, what are you looking for?

Tecnologia

Lente plana ultra fina é desenvolvida por pesquisadores brasileiros

lente-plana-ultra-fina
A nova peça poderá ser usada em smartphones e em outros dispositivos. Foto: Augusto Martins/USP.

Pesquisadores da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC-USP) desenvolveram uma lente plana ultra fina. A peça é mil vezes mais fina do que um fio de cabelo e pode ser usada em smartphones ou dispositivos que exigem a presença de sensores.

É uma tecnologia interessante e que pode ser usada em diversos cenários. “No contexto tecnológico atual, suas aplicações são quase ilimitadas”, diz Emiliano Rezende Martins, professor do Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação da EESC-USP e um dos coordenadores da pesquisa.

Como é a lente plana ultra fina?

A lente plana ultra fina possui um camada única de silício, composta por nanopostes que interagem com a luz. Essa estrutura tem uma impressão diferenciada, feita por meio da litografia, técnica já conhecida e usada na fabricação de transistores.

Continua depois da publicidade

Conforme Rezende Martins, as metalentes foram criadas há cerca de uma década e permitem a máxima resolução. Entretanto, o ângulo de visão é muito fechado, menor do que o grau de circunferência. “Uma maneira de solucionar o problema é compor metalentes, formando estruturas complexas”, diz o pesquisador.

 

Lente plana ultra fina

Metalenses são superfícies nanoestruturadas que imitam a funcionalidade de elementos ópticos.

Pesquisa já surpreende, mas pode ir ainda mais longe

Durante a pesquisa, a equipe percebeu que o campo de visão aumenta em uma lente convencional quando o índice de refração também aumenta, conforme a lente vai ficando mais plana. Dessa maneira, eles projetaram uma metalente com o objetivo de imitar uma lente completamente plana, que teria um infinito índice de refração.

“Nossa lente tem um campo de visão arbitrário, que idealmente pode chegar a 180 graus sem distorção da imagem. Já testamos sua efetividade para um ângulo de 110 graus. A partir dessa abertura, a energia da luz diminui devido ao efeito de sombra. Mas isso pode ser corrigido por meio de pós-processamento”, afirma Rezende Martins.

Continua depois da publicidade

Por mais que a resolução encontrada seja suficiente para as aplicações comuns, sua composição dificulta as super-resoluções. Até o momento, só puderam ser feitas fotografias em verde, mas em breve a lente será aprimorada, garante o pesquisador.

A pesquisa foi publicada na revista ACS Photonics. Com informações de Agência Fapesp.

Continua depois da publicidade
Erik Behenck
Publicado por

Erik Behenck é jornalista, adora novas descobertas e apaixonado pela escrita.


Populares hoje

Ciência

Na Paleontologia, encontrar novas peças que pertenceram a milhões de anos atrás é um dos principais objetos de estudo. No entanto, durante uma expedição...

Notícia

Os hominídeos Homo antecessor são parentes bem antigos dos Homo sapiens. Esses humanos ancestrais habitavam vastas regiões da Europa entre 1,2 milhões e 800...