Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Fungo zumbi recém-descoberto devora moscas de dentro para fora

fungo zumbi
Esta espécie de mosca (Coenosia tigrina) foi infectada com o fungo Strongwellsea tigrinae, que fez buracos no abdômen da mosca. Os esporos do fungo podem ser expelidos por esses orifícios. (Imagem: Universidade de Copenhague)

Duas espécies de fungos recém-descobertas têm um modo de ação macabro semelhante: comem moscas vivas enquanto as usam para lançar esporos em outras vítimas. As espécies relacionadas, Strongwellsea tigrinae e Strongwellsea acerosa, atacam como um fungo zumbi as espécies de mosca Coenosia tigrina e Coenosia testacea, que se parecem com moscas domésticas comuns.

Mas essas moscas sofrem uma mudança terrível quando são invadidas pelos fungos. Ou seja, os fungos comem um ou mais buracos no abdômen das moscas e, em seguida, produzem aglomerados de esporos de laranja, se espalhando e caindo pelos buracos.

As moscas infectadas, agora zumbis, permanecem vivas por dias durante esse processo. Significa que elas inadvertidamente espalham os esporos por toda a parte. Especialmente quando se acasalam com outras moscas.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Atuação do fungo zumbi

Enquanto as moscas zumbis vivem normalmente, os fungos continuam a devorar as moscas vivas. Finalmente, os insetos devastados pelo fungo zumbi caem no chão em espasmos e morrem. Mesmo após a morte, as moscas podem espalhar os esporos de seus assassinos. Como isso acontece?

O abdômen das moscas gradualmente se desintegra e libera mais esporos de dentro. Portanto, esses esporos têm paredes grossas que podem ajudá-los a permanecerem dormentes durante o inverno, infectando mais moscas quando os insetos se tornam ativos na primavera.

Assim, pesquisadores dinamarqueses descobriram dezenas de moscas infectadas com fungo zumbi durante o trabalho de campo em Jægerspris e Amager, Dinamarca.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Imagem do estudo
Imagem do estudo. Fonte: Science Direct

As moscas foram encontradas tanto em áreas rurais quanto em bairros residenciais. Ou seja, uma luta terrível pode estar acontecendo em campos e quintais aparentemente pacíficos. Os pesquisadores relataram suas descobertas na edição de setembro de 2020 do Journal of Invertebrate Pathology.

Eis um aspecto excitante e bizarro da biodiversidade que eles descobriram na Dinamarca, diz o líder do estudo Jørgen Eilenberg, biólogo da Universidade de Copenhagen, em um comunicado. Por si só, esse mapeamento de biodiversidade nova e desconhecida é valioso.

Mas, ao mesmo tempo, é um novo conhecimento básico que pode servir de base para estudos experimentais de vias de infecção e das substâncias bioativas envolvidas, relata Eilenberg. Ele e seus colegas suspeitam do fungo zumbi como um ‘dopador’ de moscas, com alguma substância que as mantém voando e ativas, mesmo quando seus abdomens são devorados de dentro para fora.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Modo de funcionamento dos fungos

Portanto, outros fungos atacadores de insetos usam substâncias do tipo anfetaminas para manter suas vítimas em movimento, então talvez esses fungos recém-descobertos façam o mesmo, disse o pesquisador.

Os fungos também podem produzir substâncias antimicrobianas que mantêm outros patógenos longe dos orifícios do abdômen para manter as moscas vivas por mais tempo.

Definitivamente, Eilenberg ressalta querer continuar a pesquisa com os seus colegas, pois isso tem potencial de descobrir usos dessas substâncias para a medicina.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Concluindo, o fungo zumbi pode estar nas duas novas espécies do gênero Strongwellsea descritas a partir de hospedeiros dípteros, como descreve a pesquisa publicada no Journal of Invertebrate Pathology. O Strongwellsea tigrinae foi encontrado no hospedeiro Coenosia tigrina (Muscidae) e Strongwellsea acerosa foi encontrada no hospedeiro Coenosia testaceae.

Amanda dos Santos
Publicado por

Trabalha como redatora e produtora de conteúdo. Graduada em Comunicação Social e atua como colaboradora na SoCientífica.

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.

Mente & Cérebro

Nas últimas décadas, inúmeras pesquisas mostraram a relação entre amamentação e a saúde da criança. Sabe-se, por exemplo, que a amamentação ajuda no desenvolvimento...

Planeta & Ambiente

Nukumi, uma grande fêmea de tubarão-branco marcada no ano passado está cruzando o Atlântico já faz dois meses. De acordo com especialistas, ela pode estar...