Connect with us

Hi, what are you looking for?

Saúde & Bem-Estar

Estrutura das proteínas de Alzheimer no cérebro foram observadas pela primeira vez

E elas diferem profundamente das estruturas conhecidas das fibrilas Aβ, que foram formadas em laboratório anteriormente.

(semnic/iStock)

As pesquisas sobre o mau de Alzheimer avançam cada vez mais rápido, todos os dias é possível descobrir algo novo. Mas a forma como a doença começa e se apoderar do cérebro ainda é um mistério. Agora, pela primeira vez, os cientistas observaram a estrutura dos aglomerados de proteínas associadas à doença de Alzheimer diretamente no cérebro.

Pesquisadores foram capazes de extrair e isolar as fibras amiloides beta (Aβ) do cérebro de três pessoas que morreram da doença de Alzheimer; em seguida, eles analisaram esses aglomerados de proteínas para determinar cada detalhe de sua estrutura.

LEIA TAMBÉM: Cientistas conseguem reverter um ano de danos causados pelo Alzheimer

Continua depois da publicidade

A equipe de pesquisadores utilizou a microscopia eletrônica (traçando formas com elétrons em escalas muito pequenas) para observar mais de perto as fibrilas, descobrindo que elas foram construídas de forma muito diferente das proteínas que são cultivadas no laboratório. Essas proteínas em excesso matam as células próximas, mas não está claro como elas se aglomeram ou porque o corpo não as elimina. Saber mais sobre como essas fibrilas são construídas poderia nos ajudar a resolver esses mistérios.

“Mais importante ainda, a estrutura observada difere profundamente das estruturas conhecidas das fibrilas Aβ que foram formadas in vitro”, escrevem os pesquisadores em seu artigo publicado.

Os resultados deste estudo indicam que se vamos encontrar drogas que podem limpar a proteína amiloide beta entupida, não podemos necessariamente confiar em testar as drogas em fibrilas que produzimos em um tubo de ensaio, pois o que está acontecendo dentro do cérebro das pessoas com a doença pode ser muito diferente.

Continua depois da publicidade

LEIA TAMBÉM: Cientistas criam vacina revolucionária que poderá evitar o Alzheimer

Além disso, o estudo também encontrou variações estruturais entre as fibrilhas, enfatizando a necessidade de uma abordagem personalizada no tratamento da doença de Alzheimier. Estas variações estavam presentes em todos os três cérebros da amostra, mas a equipe não está a excluindo a possibilidade de poderem fazer muitas outras descobertas.

A pesquisa ainda deixa muitas lacunas na nossa compreensão da geometria das fibrilhas beta amiloides, mas esse é um passo muito para sabermos exatamente com o que estamos a lidando quando se trata de Alzheimer e a forma como a doença afeta o cérebro.

Continua depois da publicidade

Estão a sendo feitos muitos progressos

Assistimos agora a resultados encorajadores em ensaios limitados e em pequena escala de tratamentos da doença de Alzheimer: inverter o declínio cognitivo em alguns doentes humanos e utilizar a luz e o som para limpar as placas proteicas nos ratos.

LEIA TAMBÉM: Cientistas “limpam” placa de Alzheimer utilizando somente luz e som

Continua depois da publicidade

“A consequência dessas observações são que o direcionamento de morfologias específicas de fibrilação com inibidores adequadamente seletivos pode representar uma estratégia atraente para interferir no processo da doença”, concluem os pesquisadores em seu trabalho.

A pesquisa foi publicada na revista Nature Communications.

FONTE / Science Alert

Continua depois da publicidade
Avatar
Publicado por

Comentários

Populares hoje