Connect with us

Hi, what are you looking for?

Coronavírus

Corticoide salva a vida de pacientes com coronavírus em estado crítico, diz OMS

corticoide
Há evidências de que corticoides ajudam a salvar a vida de pacientes com COVID-19. Foto: Unsplash.

Há ainda mais evidências de que os corticoides, baratos e amplamente disponíveis, podem ajudar a salvar a vida de pacientes com coronavírus em estado crítico.

Em uma nova análise com dados de sete ensaios clínicos, os medicamentos reduziram o risco de morte entre os pacientes em um terço, em comparação com pacientes que receberam apenas o tratamento padrão.

Atualização das diretrizes de tratamento

covid-19

Com base na análise, a Organização Mundial de Saúde (OMS) atualizou suas diretrizes de tratamento para corticoides.

Continua depois da publicidade

Agora, a recomendação é que os pacientes com infecção grave por COVID-19 recebam os medicamentos por sete a dez dias como seu novo padrão de tratamento.

Aqueles com infecções leves não devem receber corticoide, porque os dados atuais indicam que ele provavelmente não obteria benefícios e ainda poderia causar danos, afirmam as diretrizes.

A nova análise foi publicada dia 2 de setembro no Journal of the American Medical Association (JAMA).

Continua depois da publicidade

Corticoide e o coronavírus

corticoide e o coronavirus

Inicialmente, alguns estudos já apontavam indícios de que os corticoides poderiam salvar a vida de pacientes com COVID-19.

Por exemplo, dados da China, publicados em março no JAMA Internal Medicine, sugeriram que os corticoides poderiam reduzir as mortes entre pacientes com coronavírus com a “síndrome do desconforto respiratório agudo” (SDRA) – quando os pulmões ficam gravemente inflamados.

Em junho, pesquisadores do Reino Unido relataram que o corticoide dexametasona reduziu a taxa de mortalidade entre os pacientes com COVID-19 que necessitavam de oxigênio, seja por meio de ventilação ou métodos menos invasivos. Mas essa pesquisa ainda não foi revisada por pares.

Continua depois da publicidade

Então, sem acesso a todos os detalhes do estudo, os médicos não tinham certeza se deviam começar a usar dexametasona em pacientes hospitalizados com COVID-19.

E, se utilizado, não sabiam como implementar na prática, escreveram os professores de medicina Hallie Prescott e Todd Rice em um editorial sobre a nova análise, também publicado no JAMA.

Dexametasona

dexametasona

Desde que o relatório no Reino Unido foi publicado, houve uma adoção generalizada de corticoides no tratamento de pacientes criticamente enfermos com COVID-19.

Continua depois da publicidade

Quem relata esse aumento é a Dra. Nahid Bhadelia, diretora médica da Unidade de Patógenos Especiais da Escola de Medicina da Universidade de Boston, ao Stat News.

“Isso é particularmente verdadeiro em muitos países com recursos limitados onde trabalho”, ela observa, visto que a dexametasona é fácil de obter e barata.

A dexametasona atua suprimindo o sistema imunológico e reduzindo a inflamação no corpo.

Continua depois da publicidade

Ela é comumente prescrita para psoríase, artrite reumatóide, asma e alguns tipos de câncer, como leucemia.

Na nova análise, os pesquisadores viram ensaios que testavam a dexametasona ou um dos outros dois esteróides, hidrocortisona e metilprednisolona.

Enfim, todas as drogas amortecem a resposta imune, causam a constrição dos vasos sanguíneos e ajudam a reduzir a fibrose ou o desenvolvimento de tecido cicatricial espesso, de acordo com o editorial do JAMA.

Continua depois da publicidade

Ainda de acordo com a análise, todos os três esteroides reduziram a mortalidade do paciente em taxas semelhantes: no geral, uma redução de 34% no risco de morte entre pacientes gravemente enfermos em comparação com aqueles que receberam o tratamento padrão, relatou o Stat News.

Então, os benefícios dos corticoides superam os riscos para pacientes críticos com COVID-19, embora o limite exato em que um paciente individual deva receber corticoides permaneça obscuro, escreveram Prescott e Rice no editorial.

Com informações da Live Science.

Continua depois da publicidade

 

Amanda dos Santos
Publicado por

Trabalha como redatora e produtora de conteúdo. Graduada em Comunicação Social e atua como colaboradora na SoCientífica.


Populares hoje

Ciência

Na Paleontologia, encontrar novas peças que pertenceram a milhões de anos atrás é um dos principais objetos de estudo. No entanto, durante uma expedição...

Notícia

Os hominídeos Homo antecessor são parentes bem antigos dos Homo sapiens. Esses humanos ancestrais habitavam vastas regiões da Europa entre 1,2 milhões e 800...