Connect with us

Hi, what are you looking for?

Mundo Estranho

Conheça 5 fenômenos naturais que ainda são misteriosos para a ciência

Todos estes fenômenos naturais parecem mágicas reais. A origem de alguns deles os pesquisadores já foram capazes de resolver, mas alguns ainda permanecem um mistério.

1. Círculos de fadas na Namíbia

Nas extensões do deserto da Namíbia, existem círculos estranhos com diâmetro de até 15 metros, cuja origem os ecologistas ainda discutem. Alguns argumentam que foram criados por cupins modificam a vegetação nos locais de seus ninhos: tornam o solo mais poroso e criam reservatórios permanentes para águas da chuva com 50 cm de profundidade. Outra explicação é que as plantas competem pelo acesso à água. As tribos locais acreditam que um dragão vive no subsolo e sua respiração causa esses círculos.

© Shutterstock

2. Lago Natron, na Tanzânia

As margens do lago Natron assustam com a falta de vida e, ao mesmo tempo, fascinam. A concentração de sal e álcalis no lago é tão alta que qualquer criatura viva que cai acidentalmente na água imediatamente se mumifica. A única exceção são os microrganismos halofílicos de cianobactérias. A segunda exceção são os pequenos flamingos, para os quais existe simplesmente o paraíso na terra. Devido à alta temperatura da água (atingindo 50 ° C), eles podem chocar ovos ali em qualquer momento do ano. O cheiro desagradável não os incomoda, pelo contrário, afugenta os predadores que poderiam caçar os pássaros. Em fevereiro e março, a concentração de carbonato de sódio no lago se torna tão alta que a água se torna viscosa. Nadar no lago não vale a pena – os esqueletos de animais e pássaros espalhados pelas margens irão te provar isso.

(imagem: Domínio Público)

3. Pedras rastejantes

Este é um fenômeno geológico no lago seco Raistrak Playa, no Vale da Morte, nos EUA. As pedras nesses locais realmente se movem sem a ajuda dos seres vivos, sozinhas, superando 2 a 5 metros por minuto e deixando rastros. Até o início do século 20, as pessoas supunham que se tratava de forças sobrenaturais e disseram que os campos magnéticos eram os culpados, mas apenas alguns anos atrás, em 2014, os pesquisadores chegaram à conclusão final: causas naturais eram responsáveis.

(Imagem: TV Cultura)

4. Luzes de Hessdalen

Estas misteriosas luzes brancas foram vistas pela primeira vez em 1981 em um vale perto da cidade norueguesa de Hessdalena. Elas apareceram regularmente: em 1984, por um mês, os cientistas registraram as luzes 53 vezes. Atualmente, esses fenômenos naturais ainda podem ser vistos, embora com muito menos frequência. Instituições de pesquisa como a Østfold University College (Noruega) e o Conselho Nacional de Pesquisa da Itália investigam o fenômeno.

(Imagem: Domínio Público)

5. A dança dos estorninhos

Olhando para milhares de estorninhos dançando no céu, é difícil acreditar que vemos pássaros. É uma visão absolutamente fascinante, e os cientistas ainda não conseguem determinar exatamente por que os estorninhos se comportam dessa maneira. De acordo com uma teoria, essa é uma reação defensiva. Por outro lado – graças a esse voo, eles mantêm a comunicação dentro do rebanho e recebem a quantidade máxima de informações de cada indivíduo. O fenômeno foi observado em Roma.

VIA / Popular Mechanics

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Avatar
Publicado por

Tradutor e escritor freelancer, é divulgador científico na SoCientífica desde 2018. Nela, escreve sobre temas que dão faísca à imaginação do leitor, de tubarões e fantasmas a quasares.

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.

Mente & Cérebro

Nas últimas décadas, inúmeras pesquisas mostraram a relação entre amamentação e a saúde da criança. Sabe-se, por exemplo, que a amamentação ajuda no desenvolvimento...

Planeta & Ambiente

Nukumi, uma grande fêmea de tubarão-branco marcada no ano passado está cruzando o Atlântico já faz dois meses. De acordo com especialistas, ela pode estar...