Connect with us

Hi, what are you looking for?

Planeta & Ambiente

Com aquecimento global, cientistas alertam para a Antártica

Geleiras derretendo

Cientistas estão alertando para o derretimento irreversível da Antártica devido ao aquecimento global.

Qual é o consenso científico?

Desde a Primeira Revolução Industrial, o homem interfere cada vez mais no clima por meio da emissão de gases do efeito estufa, como o gás carbônico (CO2) e o gás metano (CH4).

Para determinar a temperatura média do planeta, os climatologistas e meteorologistas contam com dados atmosféricos de várias localidades espalhadas pelo mundo, obtidos por estações meteorológicas. Isso inclui coleta de dados em mares e oceanos – com estações embarcadas em navios, por exemplo – além de dados da alta troposfera por meio de balões e radares meteorológicos em aeronaves.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

O consenso na comunidade científica é de que o aquecimento global seja causado principalmente pelo homem. De qualquer forma, a mudança climática nos últimos anos tem trazido muitos problemas como queimadas e aumento do nível do mar.

Desde o início das observações com satélites, no fim dos anos 1970, o Ártico tem perdido cada vez mais gelo no verão e ganho cada vez menos gelo no inverno. Além disso, há registros de mortes em massa de corais devido ao aumento da temperatura da água nos recifes.

Cientistas alertam para derretimento da Antártica

Mas agora os cientistas estão alertando para a situação da Antártica. Segundo eles, se o aquecimento global continuar sem controle, o continente poderá se tornar uma massa estéril e sem gelo pela primeira vez em mais de 30 milhões de anos. Para estudiosos, isso pode ser um “caminho sem volta”.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

A Antártica existe há cerca de 34 milhões de anos e contém mais da metade da água doce do mundo em sua camada de gelo. Agora, recentes simulações estão mostrando que se o gelo do continente derreter, ele só volta ao seu estado inicial quando as temperaturas voltarem aos níveis pré-industriais. Mas para os estudiosos do clima, este é um cenário muito improvável.

Em outras palavras, as perdas que estão acontecendo na Antártica são permanentes.

Consequências que preocupam

No estudo, os pesquisadores executaram simulações computacionais para ver como a Antártica será daqui a milhares de anos. E um dos fatores mais decisivos é o aumento da temperatura média global.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Assim, os cientistas descobriram que, se a temperatura média superar em 4ºC os níveis pré-industriais, grande parte do gelo na Antártica Ocidental derreterá.

VEJA MAIS: Considerações sobre o aquecimento global

Com isso, o nível médio dos oceanos subiria 6,5 metros; esse resultado devastaria cidades costeiras como Nova York e Londres. Mas esse cenário pode estar ainda mais próximo do que pensamos: é questão de apenas algumas décadas.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Caso as temperaturas globais cresçam entre 6ºC e 9ºC nos próximos milênios, mais de 70% do gelo atual da Antártica será perdido “irreversivelmente”.

Ainda mais, se as temperaturas subirem em 10ºC, o continente está condenado a perder todo o seu gelo. Se isso vier a acontecer as consequências poderão ser catastróficas, segundo o estudo. O nível global do mar então aumentará cerca de 58 m.

A pesquisa foi publicada na revista Nature.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Avatar
Publicado por

Matheus Gouveia é formado em Engenharia Elétrica e apaixonado por ciência e tecnologia. Atualmente é redator da SoCientífica e autor do blog "DoCaramba!".

Tecnologia

Cientistas estão trabalhando em um novo tipo de propulsão hipersônica que poderia permitir aviões voarem a mais de 20.000 km/h (Mach 17).

Plantas & Animais

Minúsculas criaturas, os rotíferos bdelóides, ficaram congelados no permafrost por 24.000 anos e foram recentemente trazidos de volta à vida, produzindo clones em um...

Sociedade & Cultura

O povo Tsimane é uma tribo indígena amplamente isolada que vive na Amazônia boliviana.  Estas pessoas levam uma vida muito diferente da nossa. E eles...

Notícia

Por muitos anos, a ecolocalização humana tem sido uma forma de percepção para pessoas que perderam a visão. Apesar disso, poucas pesquisas reforçavam essa...