Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

Astrônomos descobrem a menor estrela já observada

A menor estrela já medida foi descoberta por uma equipe de astrônomos liderada pela Universidade de Cambridge. Com um tamanho de apenas uma pequena parte maior do que Saturno, a força gravitacional na sua superfície estelar é cerca de 300 vezes mais forte do que os seres humanos sentem na Terra.

A estrela é provavelmente tão pequena quanto as  pode eventualmente ser, já que tem massa suficiente para permitir a fusão de núcleos de hidrogênio em hélio. Se fosse qualquer menor, a pressão no centro da estrela já não seria suficiente para permitir que este processo ocorra. A fusão do hidrogênio é também o que alimenta o Sol, e os cientistas estão tentando replicá-la como uma poderosa fonte de energia aqui na Terra.

Estas muito pequenas e fracas estrelas também são os melhores candidatos possíveis para detectar planetas do tamanho da Terra que podem ter água líquida em sua superfície, como TRAPPIST-1, uma anã ultra-fria com sete mundos do tamanho da Terra.

Continua depois da publicidade

A estrela recém-medida, chamado EBLM J0555-57Ab, está localizada a cerca de 600 anos-luz de distância. É parte de um sistema binário, e foi identificada quando passava na frente de sua companheira muito maior, um método que é geralmente usado para detectar planetas, e não estrelas. Os detalhes serão publicados na revista Astronomy & Astrophysics.

[standout-css3-button href=”http://apoia.se/socientifica”]Considere fazer uma doação à Sociedade Científica[/standout-css3-button]

“Nossa descoberta revela quão pequenas as estrelas podem ser”, disse Alexander Boetticher, o principal autor do estudo e estudante de mestrado no Laboratório Cavendish e Instituto de Astronomia de Cambridge. “Esta estrela se formou com apenas uma massa ligeiramente inferior, a reação de fusão de hidrogênio no seu núcleo não poderia ser sustentada, e a estrela em vez disso se transformou numa anã marrom.”

Continua depois da publicidade

EBLM J0555-57Ab foi identificada por WASP, uma experiência que busca planetas através das Universidades de Keele, Warwick, Leicester e St Andrews. EBLM J0555-57Ab foi detectada quando passou em frente ou transitou a sua maior estrela-mãe, formando o que é chamado de um sistema binário estelar eclipsado. A estrela-mãe ficou com um brilho diminuído de forma periódica, e a assinatura de um objeto em órbita ficou evidente. Graças a esta configuração especial, os pesquisadores podem medir com precisão a massa e tamanho de quaisquer companheiros em órbita, neste caso, uma pequena estrela. A massa de EBLM J0555-57Ab foi estabelecida através do método de oscilação Doppler, utilizando dados do espectrógrafo CORALIE.

“Esta estrela é menor, e provavelmente mais frio do que muitos dos exoplanetas gigantes gasosos que foram identificados até agora”, disse von Boetticher. “Enquanto uma característica fascinante da física estelar, muitas vezes é mais difícil de medir o tamanho de tais estrelas de baixa massa do que até mesmo para muitos dos planetas maiores. Felizmente, podemos encontrar essas pequenas estrelas com equipamentos caça-planetas, quando eles orbitam um estrela hospedeira maior em um sistema binário. Pode parecer incrível, mas encontrar uma estrela às vezes pode ser mais difícil do que encontrar um planeta.”

Esta estrela recém-medida tem uma massa comparável com a estimativa atual para TRAPPIST-1, mas tem um raio que é cerca de 30% menor. “As menores estrelas fornecem as condições ideais para a descoberta de planetas semelhantes à Terra, e para a exploração remota de suas atmosferas”, disse o co-autor Amaury Triaud, pesquisador sênior do Instituto de Astronomia de Cambridge. “No entanto, antes de podermos estudar planetas, nós absolutamente necessário para compreender a sua estrela, o que é fundamental.”

Continua depois da publicidade

Apesar de serem as mais numerosas estrelas no Universo, estrelas com tamanhos e massas menores do que 20% da massa do Sol são mal compreendidas, uma vez que elas são difíceis de detectar devido ao seu pequeno tamanho e baixa luminosidade. O projeto EBLM, que identificou a estrela neste estudo, tem como objetivo de conectar esse lapso no conhecimento. “Graças ao projeto EBLM, vamos conseguir ter uma compreensão muito maior dos planetas que orbitam estrelas mais comuns que existem, como os que orbitam TRAPPIST-1”, disse o co-autor Professor Didier Queloz de Cambridge’ Cavendish Laboratory.

[standout-css3-button href=”http://apoia.se/socientifica”]Considere fazer uma doação à Sociedade Científica[/standout-css3-button]

Via: Phys

Continua depois da publicidade
Da Redação
Publicado por

A SoCientífica, abreviação para Sociedade Científica, nasceu em agosto de 2014 da vontade de decifrar as novidades no mundo científico e transmiti-las para uma sociedade que depende da ciência e tecnologia mas que sabe muito pouco sobre elas. Em um momento em que a desconfiança está se sobressaindo e novas ondas negacionistas de evidências surgem, a SoCientífica está empenhada em ajudar a trazer iluminação para a sociedade novamente.

Comentários

Populares hoje

Saúde & Bem-Estar

Surto de vômito entre cães foi identificado por pesquisadores como um novo tipo de coronavírus canino não transmissível a humanos.

Espaço

Após um documentarista divulgar imagens intrigantes acerca de um possível OVNI, o Pentágono confirmou sua autenticidade. Nas filmagens, o objeto voador estava sobrevoando um...

Saúde & Bem-Estar

O alumínio é um metal pesado que não é essencial para o corpo humano. Contudo, esse composto é altamente reativo biologicamente e diversos estudos...

Plantas & Animais

No dia 01 de Abril de 2009 cientistas anunciaram o nascimento do primeiro — e único — animal extinto já ressuscitado. Em um artigo...