Connect with us

Hi, what are you looking for?

História & Humanidade

Arqueólogos descobrem sepultamento mais antigo da África

Pesquisadores encontraram em uma caverna do Quênia o sepultamento mais antigo do Continente Africano, pertencendo a uma criança de 3 anos.

Pesquisadores encontraram o sepultamento mais antigo do Continente Africano. Imagem: Jorge González/Elena Santos

Há pelo menos 120.000 anos, humanos e neandertais da Eurásia realizavam o sepultamento de seus mortos. Contudo, na África as evidências desse comportamento são muito mais escassas. Pesquisadores encontraram apenas alguns poucos indícios de rituais de enterro no continente há mais de 50.000 anos.

Todavia, uma nova descoberta acaba de mudar um pouco essa linha do tempo. Arqueólogos encontraram o local de sepultamento de uma criança de três anos. Acontece, ademais, que o enterro aconteceu há 78.300 anos, o mais antigo registrado no continente Africano.

A caverna onde pesquisadores encontraram a ossada chama-se Panga ya Saidi e está localizada no Quênia, na África Central. A três metros de profundidade, por conseguinte, os pesquisadores encontraram o conjunto de ossos parcialmente encoberto. O material estava tão frágil que os pesquisadores precisaram retirar todo o bloco de terra ao redor dos ossos.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Pesquisadores do National Research Centre on Human Evolution (CENIEH), então, executaram análises e reconstruções dos ossos. A datação dos ossos mostrou, então, que essa era a prova mais antiga de um sepultamento no continente africano, sendo de uma criança entre 2,5 e 3 anos de idade.

Imagem: Martinón-Torres, et al., 2021

A criança estava com as pernas próximas ao tórax e as análises mostraram também que seu corpo fora coberto com algum material degradável, como uma manta. Não obstante, a cabeça da criança estava em uma posição incomum, indicando que alguém colocou um travesseiro ou suporte embaixo do crânio.

Sepultamento como parte da cultura humana

Os sepultamentos de humanos e hominídeos pré-históricos são importantes pois indicam as primeiras manifestações religiosas e culturais da nossa espécie. Muitos outros sepultamentos ancestrais apresentam relíquias e símbolos junto com o falecido. Em alguns casos até mesmo animais – possivelmente de estimação – estão presentes nas covas.

Apesar disso, ainda não está claro para os pesquisadores porque a África apresenta tão poucos sepultamentos tão antigos. Isso porque, vale lembra, o continente africano foi o berço evolutivo e cultural da espécie humana. Outros enterros anteriormente encontrados (os mais antigos da lista) também pertenceram a crianças, é importante lembrar.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Assim, os pesquisadores acreditam que esse tipo de sepultamento no continente africano esteja mais relacionado a uma morte precoce e inesperada. Todavia, as evidências ainda são vagas e cientistas precisam ainda de mais indícios para essa conclusão. O falecido ancestral do Quênia recebeu, por fim, o nome de Mtoto – que quer dizer “criança” em suaíli, língua banta da África Central.

O artigo está disponível no periódico Nature.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Mateus Marchetto
Publicado por

Aluno de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná, professor de inglês, apaixonado por ciência e divulgação científica. Me interesso principalmente pelas áreas de microbiologia, bioquímica e bioinformática.

Faça um comentário

Tecnologia

Cientistas estão trabalhando em um novo tipo de propulsão hipersônica que poderia permitir aviões voarem a mais de 20.000 km/h (Mach 17).

Plantas & Animais

Minúsculas criaturas, os rotíferos bdelóides, ficaram congelados no permafrost por 24.000 anos e foram recentemente trazidos de volta à vida, produzindo clones em um...

Notícia

Por muitos anos, a ecolocalização humana tem sido uma forma de percepção para pessoas que perderam a visão. Apesar disso, poucas pesquisas reforçavam essa...

Plantas & Animais

Raças menores de cães geralmente apresentam comportamentos mais instáveis. Pode haver, portanto, diversos motivos para cachorros pequenos serem ferozes.