Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Antiga criatura descoberta nas profundezas do Oceano Ártico

Nas profundezas do Oceano Ártico, enterrado no fundo do sedimento, uma criatura antiga esperou por mais de um milhão de anos para ser descoberta.

Paul Valentich-Scott, do Museu de História Natural de Santa Barbara (Califórnia), e três cientistas do Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, Menlo Park, Califórnia), Charles L. Powell, Brian D. Edwards e Thomas D. Lorenson estavam à altura do desafio. Cada um com experiências diferentes, eles foram capazes de coletar, analisar e identificar um novo gênero e novas espécies de moluscos bivalves.

O caminho para a descoberta raramente é simples ou fácil. Esta descoberta não é exceção. Brian Edwards foi o cientista-chefe de uma expedição conjunta entre EUA e Canadá, a bordo da Guarda Costeira dos EUA Healy, no verão de 2010.

Continua depois da publicidade

O objetivo principal da expedição era mapear o leito oceânico do Ártico e os sedimentos abaixo. O Dr. Edwards levou amostras de sedimentos profundos para entender melhor a geologia da região, incluindo o incomum monte do fundo do mar onde essas amostras foram coletadas. Em vários desses núcleos ele descobriu conchas de bivalves enterradas a 4,5 m abaixo da superfície do fundo do mar.

LEIA TAMBÉM: Cabeça de lobo de 32.000 anos perfeitamente preservada encontrada no permafrost siberiano.

Ao retornar ao seu laboratório da USGS em Menlo Park, Califórnia, Brian trabalhou com Tom Lorenson na amostragem dos núcleos e na extração das conchas. As conchas recuperadas foram então levadas para o paleontólogo Chuck Powell, da USGS, para identificação.

Continua depois da publicidade

Enquanto Chuck foi capaz de determinar a classificação de nível mais alto das conchas de moluscos (Família Thyasiridae), ele foi incapaz de determinar o gênero ou  . Chuck entrou em contato com Paul Valentich-Scott, especialista em moluscos do Museu de História Natural de Santa Bárbara, na Califórnia.

Cientista-chefe Brian Edwards coletando amostras do fóssil.Crédito: Helen Gibbons, USGS / ECS Project.

Ao examinar esses antigos espécimes de conchas, Paulo estava bastante certo de que eles eram novos para a ciência. A caçada para validar a  em potencial estava em andamento.

Paul contatou grupos de especialistas em bivalves de thyasirid em todo o mundo e todos deram um sinal positivo, aquela era uma nova espécie. Além disso, vários cientistas sentiram que também poderia ser um novo gênero (o nível acima das espécies).

“É sempre emocionante quando se é a primeira pessoa a olhar para uma nova criatura”, declarou Valentich-Scott. “Embora tenha tido a sorte de descobrir e descrever muitas novas espécies na minha carreira, é sempre estimulante desde o início.”

Continua depois da publicidade

LEIA TAMBÉM: Lula gigante filmada nas profundezas do Pacífico.

Então o trabalho meticuloso começou. Paul contatou museus ao redor do mundo e pediu emprestados espécimes potencialmente relacionados a sua descoberta. Ele encontrou muitas espécies que compartilhavam algumas características, mas nenhuma combinava com os novos espécimes do Ártico.

Novas espécies de moluscos bivalves foram recentemente descritas e denominadas Wallerconcha sarae . Crédito: Paul Valentich-Scot.

Os quatro cientistas têm escrito suas descobertas nos últimos dois anos e agora o trabalho foi publicado na revista científica internacional ZooKeys .

 e espécie é nomeado após dois indivíduos. O gênero é nomeado em homenagem ao Dr. Thomas R. Waller, um proeminente paleontólogo da Smithsonian Institution. A nova espécie tem o nome de Sara Powell, filha do co-autor Chuck Powell. Chuck foi rápido em mencionar “Eu quero nomear novas espécies com o nome de todos os meus filhos”.

Continua depois da publicidade

Mesmo que muitos dos espécimes coletados eram definitivamente fósseis, os cientistas não podem descartar que o novo animal ainda pode estar vivo hoje. Quem sabe que outras novas criaturas podem ser encontradas nessas expedições?

ORIGINAL INGLÊS: Ancient creature discovered in the depths of the Arctic Ocean [Phys.org]

Continua depois da publicidade
Da Redação
Publicado por

A SoCientífica, abreviação para Sociedade Científica, nasceu em agosto de 2014 da vontade de decifrar as novidades no mundo científico e transmiti-las para uma sociedade que depende da ciência e tecnologia mas que sabe muito pouco sobre elas. Em um momento em que a desconfiança está se sobressaindo e novas ondas negacionistas de evidências surgem, a SoCientífica está empenhada em ajudar a trazer iluminação para a sociedade novamente.

Comentários

Populares hoje

Física & Química

O urânio é um elemento químico famoso pela aplicação em usinas de energia nuclear e bombas atômicas. Esse elemento radioativo tem o número atômico...

Notícia

Há 20 mil anos, a Terra estava passando pela mais recente de suas eras glaciais. Devido a alterações na atmosfera do planeta, enormes coberturas...