EspaçoTelescópio Hubble captura um “rosto cósmico”

Uma observação feita em junho pelo Telescópio Espacial Hubble capturou a colisão galáctica que muito se assemelha a um rosto fantasmagórico.
Milena Elísios3 semanas atrásCentro de Informações da ESA / Hubble
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/10/Hubble.jpg

Uma observação feita em 19 de junho de 2019 em luz visível pela Advanced Camera for Surveys do Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA, capturou essa colisão galáctica que muito se assemelha a um rosto fantasmagórico.

são bastante comuns, a maioria dos impactos não é frontal, como a  que provavelmente criou esse sistema Arp-Madore a cerca de 704 milhões de anos-luz da Terra. Esse encontro violento fornece ao sistema uma estrutura de anel de retenção, mas apenas por um curto período de tempo. O acidente puxou e esticou os discos de gás, poeira e estrelas das para fora, formando o anel de intensa formação estelar que molda uma espécie de face no sistema.

As galáxias em anel são raras, e apenas algumas centenas delas residem em nossa vizinhança cósmica maior. As galáxias precisam colidir com a orientação correta para interagirem e criarem o anel, e logo se fundirão completamente, escondendo seu passado confuso.

LEIA TAMBÉM: Nova descoberta indica que a vida pode ser criada por Buracos Negros

A justaposição lado a lado das duas protuberâncias centrais de estrelas das galáxias que vemos aqui também não é muito comum. Como as protuberâncias que formam os “olhos” parecem ter o mesmo tamanho, podemos ter certeza de que as duas galáxias envolvidas no acidente eram do mesmo tamanho. Isso é diferente das colisões mais comuns em que pequenas galáxias são devoradas por seus vizinhos maiores.

Este sistema galáctico é catalogado como Arp-Madore 2026-424 (AM 2026-424) no “Catálogo de galáxias e associações peculiares do sul de Arp-Madore”. O astrônomo Halton Arp publicou seu estudo de 338 galáxias interativas de aparência incomum em 1966. Mais tarde, ele se associou ao  Barry Madore para estender a busca por encontros galácticos únicos no céu do sul. Vários milhares de galáxias estão listadas nesta pesquisa de 1987.

LEIA TAMBÉM: Uma civilização extraterrestre avançada pode estar se comunicando por feixes de neutrinos

O Hubble observou esse sistema único como parte de um programa de “instantâneos” que tira proveito de falhas ocasionais no cronograma de observação do telescópio para extrair imagens adicionais. Os astrônomos planejam usar este inovador programa do Hubble para examinar de perto muitas outras galáxias que interagem. O objetivo é compilar uma amostra robusta de galáxias que interagem nas proximidades, o que poderia oferecer novos insights sobre como as galáxias cresceram ao longo do tempo por meio de fusões galácticas. Ao analisar essas observações detalhadas do Hubble, os astrônomos poderão decidir quais sistemas são os principais alvos para observações de acompanhamento do próximo Telescópio Espacial James Webb da NASA / ESA / CSA, com lançamento previsto para 2021.

FONTES / Centro de Informações da ESA / Hubble / Phys