História & HumanidadeMistério: Por que nenhum texto antigo menciona origem e propósito da Esfinge?

Alguns egiptólogos sugeriram que a Grande Esfinge antecede as Pirâmides e toda a quarta dinastia do antigo Egito.
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/08/grande-esfinge.jpg

Há uma enorme estátua monolítica ao lado das pirâmides mais famosas do Egito e ninguém sabe seu propósito, idade exata ou história. Nós sabemos que é antiga. De fato, algumas teorias têm avançado a ideia de que a Grande Esfinge de Gizé é anterior até mesmo à civilização egípcia antiga. A verdade é que nós não sabemos.

O que sabemos é que já para os antigos egípcios, o monumento era antigo. A Grande Esfinge de Gizé é tão misteriosa que os estudiosos até se aventuraram e fizeram referência à Esfinge dizendo que ela é “a própria encarnação da antiguidade e do próprio mistério”.

E isso é talvez o que melhor descreve esta estátua maciça. É realmente antiga e realmente misteriosa. Essas são duas palavras que melhor definem a Esfinge hoje.

A citação acima vem de um dos mais famosos egiptólogos, Miroslav Verner, procurando explicações que ajudariam a entender a complexidade da antiga civilização egípcia. Aqui está o que Verner escreveu sobre a Esfinge:

A Grande Esfinge de Gizé é mais do que simplesmente um símbolo do Egito antigo e moderno. É a própria encarnação da antiguidade e do próprio mistério. Ao longo dos séculos, ela tem alimentado a imaginação de poetas e cientistas, aventureiros e viajantes. Embora tenha sido frequentemente medida, descrita, investigada usando os meios científico-técnicos mais modernos e discutida em conferências científicas especiais, as questões fundamentais permanecem sem resposta: Quem a construiu, quando e porquê?

Um mistério complexo

A Esfinge é tão misteriosa que nem sequer sabemos o seu nome exato. Na verdade, o nome “Esfinge” é relativamente moderno. Foi dado à estátua de Gizé pelos gregos antigos fazendo referência a uma criatura mítica que tinha a cabeça de uma mulher, o corpo de um poderoso leão e as asas de um pássaro.

A estátua maciça está localizada a nordeste de uma antiga estrutura identificada por arqueólogos como o Templo do Vale de Khafre. A Esfinge foi esculpida in-situ. Na verdade, os especialistas mainstream argumentam que quem esculpiu a Esfinge o fez em uma pedreira antiga. O monumento maciço é feito de calcário que se originou aproximadamente cinquenta milhões de anos atrás.

Acredita-se que a pedreira onde a Esfinge foi esculpida tenha sido usada pelos construtores das pirâmides para obter pedra calcária. Acredita-se que outros monumentos circundantes foram feitos usando o próprio calcário de que a Esfinge é feita.

A Grande Esfinge, que é considerada a mais antiga escultura monumental conhecida no Egito mede setenta e três metros de comprimento, da pata à cauda, e mede vinte metros de altura, desde a base até o topo da cabeça. A estátua inteira tem dezenove metros de largura.

Sendo uma das maiores e mais antigas estátuas da superfície do planeta, não surpreende que a Esfinge esteja envolta em mistério desde tempos imemoriais.

Apesar de séculos de estudo, nenhum estudioso foi capaz de definir, descrever e explicar com precisão a Grande Esfinge de Gizé. Sua origem, data, propósito e nome são um enigma histórico.

Quem a comissionou?

A verdade é que não sabemos. No entanto, egiptólogos como Selim Hassan estão inclinados a acreditar que, dado o seu ambiente, a Esfinge foi muito provavelmente encomendada por Khafre. Hassan deixa claro, no entanto, que devemos entender que esta é uma hipótese e que não existe um único princípio ligando a Esfinge a Khafre.

A evidência que Hassan menciona baseia-se na sua localização e proximidade do complexo funerário perto da segunda maior pirâmide de Giza, a de Khafre.

A evidência, assim como com as pirâmides e seu propósito, é circunstancial quando analisamos a história e o propósito da Esfinge.

Outra suposta indicação que sugere que Khafre comissionou o enorme monumento é uma estátua de Khafre que foi descoberta enterrada de cabeça para baixo junto com outros fragmentos dentro do templo do Vale. A evidência escrita é inexistente.

Mais de mil anos depois de Khafre, Thutmose IV erigiu a Estela dos Sonhos e associou a Esfinge com Khafre. Quando a estela gravada foi encontrada, a escrita nela estava muito danificada e incompleta. Vale ressaltar que apenas fez referência a Khaf, não a Khafre. O extrato que menciona Khaf está traduzido abaixo:

que trazemos para ele: bois … e todos os vegetais jovens; e vamos dar louvor a Wenofer … Khaf … a estátua feita para Atum-Hor-em-Akhet.

Assim como seu nome, sua origem permanece um enigma arqueológico.

Resolvendo o enigma

A Esfinge é um mistério para os modernos egiptólogos, mas volte cem anos ou mais, e você vai descobrir que os egiptólogos no século XIX estavam tão desconcertados com o monumento quanto nós estamos hoje.

No entanto, existem alguns estudiosos que escavaram e estudaram a Esfinge e foram levados a acreditar que as estátuas e seus templos associados são anteriores ao governo não só de Khafre, mas também de Menkaure e Khufu.

Um dos mais famosos egiptólogos a explorar o planalto de Gizé, Flinders Petrie escreveu em 1883 que: “A data do Templo de Granito [Templo do Vale] tem sido tão positivamente afirmada como sendo anterior à quarta dinastia, que pode parecer precipitado disputar o ponto”.

Outro egiptólogo famoso que discutiu a esfinge e sua origem misteriosa é Augusto Mariette, fundador do Museu Egípcio do Cairo. Mariette desenterrou o Inventário Stella, que se acredita remontar a cerca de 670 AC. Ele menciona como o Faraó Khafre encontrou a Esfinge, enterrada na areia. Isto significa que ele não a comissionou e que possivelmente é anterior à quarta dinastia do antigo Egito.

No entanto, os principais estudiosos rejeitam o conteúdo da Estela do Inventário como uma falsificação intencional, criada por sacerdotes locais que tentam distorcer a história ao incutir no templo muito mais contemporâneo de Ísis uma história que não possuía antes. Mas como tudo o resto com a Esfinge, isso também é apenas uma teoria.

Um terceiro egiptólogo igualmente famoso, Gaston Maspero, que meticulosamente escavou e pesquisou a Esfinge em 1886, concluiu que desde que a Estela de Sonho mencionou Khafre, foi ele quem foi o Faraó responsável por sua escavação, o que sugere que a Esfinge já deve ter estado lá no momento em que Khafre foi coroado Faraó. Maspero sugeriu que a Esfinge é anterior não só a Khafre, mas também a seus antecessores, talvez até a Quarta Dinastia inteira do Egito antigo.

Maspero escreveu:

Este objeto maravilhoso [a Grande Esfinge] estava em existência nos dias de Khafre, ou Khephren, e é provável que seja muito mais antiga que seu reinado e que data do final do período arcaico de aproximadamente 2686 AEC.

Mais velha do que velha

Para entender o quão velha é a Esfinge (pelo menos), devemos viajar para um tempo e imaginar a Necrópole de Gizé quase completamente abandonada. Foi então que a Grande Esfinge ficou quase completamente enterrada na areia.

O primeiro caso documentado de restaurações da Esfinge data de mais de 3.400 anos atrás, quando o Faraó Tutmés IV organizou uma equipe de trabalhadores que, após muito esforço, conseguiu escavar as patas dianteiras dos monumentos, onde mais tarde colocaria sua famosa estela de granito, a Estela dos Sonhos.

Acredita-se que Ramessés, o Grande, cerca de 200 anos depois iniciou uma segunda escavação e restauração da Grande Esfinge.

O egiptólogo Mark Lehner, um pioneiro no estudo das Pirâmides e do planalto de Gizé, afirmou que havia muito provavelmente uma escavação e renovação muito anterior da Esfinge, datando do Velho Reino, entre 2.686 e 2.184 AC.

Texto adaptado. Você pode lê-lo integralmente na fonte original em “LEIA MAIS”.

LEIA MAIS: Unwritten Mystery: Why No Ancient Texts Mention the Origin and Purpose of the Sphinx [Curiosmos]

Posts relacionados