FilosofiaPor que as ideias epicuristas se adequam aos desafios da vida secular moderna

Temma Ehrenfeld, Aeon3 meses atrásUma vida confusa. Detalhe dos Provérbios Holandeses (1559) de Pieter Bruegel, o Ancião. Imagem cortesia Gemäldegalerie, Berlim.
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/Uma-vida-confusa.-Detalhe-dos-Provérbios-Holandeses-1559-de-Pieter-Bruegel-o-Ancião.-Imagem-cortesia-Gemäldegalerie-Berlim.-1280x768.jpg

“A busca da Felicidade” é uma frase famosa num famoso documento, a Declaração da Independência dos Estados Unidos (1776). Mas poucos sabem que seu autor foi inspirado por um antigo filósofo grego, Epicuro. Thomas Jefferson se considerava um epicurista. Ele provavelmente encontrou a frase em John Locke, que, como Thomas Hobbes, David Hume e Adam Smith, também tinha sido influenciado por Epicuro.

Hoje em dia, os educados em língua inglesa podem chamar-lhe de epicurista se você se queixar a um garçom sobre sopa com excesso de sal, e estoico se não reclamar. Na mente popular, um epicurista afina o prazer, consumindo muito bem, enquanto um estoico vive uma vida de virtude, prazer sublimado para sempre. Mas isso não faz justiça a Epicuro, que chegou mais perto de todos os antigos filósofos de compreender os desafios da vida secular moderna.

O epicurismo competiu com o estoicismo para dominar a cultura grega e romana. Nascido em 341 AEC, apenas seis anos após a morte de Platão, Epicuro atingiu a maioridade em um bom momento para alcançar influência. Ele tinha 18 anos quando Alexandre o Grande morreu no final da retaguarda da Grécia clássica – identificada através de sua coleção de cidades-estado independentes – e o surgimento da regra dinástica que se espalhou por todo o Império Persa. Zeno, que fundou o Estoicismo em Chipre e mais tarde o ensinou em Atenas, viveu durante o mesmo período. Mais tarde, o romano estoico Sêneca tanto criticou Epicuro como o parafraseou favoravelmente.

Hoje, estas duas grandes filosofias contestadoras dos tempos antigos foram reduzidas a atitudes sobre conforto e prazer – você vai devolver a sopa ou não? Esse mal-entendido me diz que as ideias epicuristas ganharam, de alguma forma, sem toda a lógica da filosofia. Os epicuristas estavam preocupados com o que as pessoas sentiam. Os estoicos se concentraram em uma hierarquia de valor. Se os estoicos tivessem vencido, estoico significaria, agora, nobre, e uma epicurista um trivial.

Epicuristas focaram na busca de prazer – mas eles fizeram muito mais. Eles falavam tanto sobre reduzir a dor – e mais ainda sobre ser racional. Eles estavam interessados na vida inteligente, uma ideia que evoluiu em nossos dias para significar consumo consciente. Mas igualar saber o que o fará mais feliz com conhecer o melhor vinho significa que Epicuro é mal-compreendido.

A racionalidade com que ele se vinculou à democracia dependia da ciência. Agora conhecemos Epicuro principalmente através de um poema, De rerum natura, ou “Sobre a Natureza das Coisas”, uma exposição de 7.400 linhas do filósofo romano Lucrécio, que viveu 250 anos depois de Epicuro. O poema foi circulado apenas entre um pequeno número de pessoas de letras até que foi redescoberto no século XV, quando o documento desafiou radicalmente o cristianismo.

Seus princípios foram tidos como espantosamente modernos, até a mesmo em física. Em seis livros, Lucrécio afirma que tudo é feito de partículas invisíveis, o espaço e o tempo são infinitos, a natureza é um experimento sem fim, a sociedade humana começou como uma batalha para sobreviver, não há vida após a morte, as religiões são ilusões cruéis, e o universo não tem um propósito claro. O mundo é material – com um pouco de livre arbítrio. Como devemos viver? Racionalmente, abandonando a ilusão. Ideias falsas nos deixam muito infelizes. Se minimizarmos a dor que elas causam, maximizamos o nosso prazer.

Os modernos seculares são tão epicuristas que podemos não ouvir este trovão. Ele não enfatizou o perfeccionismo ou belas discriminações no prazer – enviando de volta a sopa. Ele entendeu o que os budistas chamam de samsara, o sofrimento do desejo sem fim. Os prazeres são envenenados quando exigimos que não acabem. Assim, por exemplo, é natural desfrutar do sexo, mas o sexo o fará infeliz se você esperar possuir seu amante para sempre.

Epicuro também parece estranhamente moderno em sua atitude para com os pais. As crianças são suscetíveis de trazer pelo menos tanta dor como prazer, ele observou, então você pode querer pular fora. Os casais modernos que escolhem ser “sem filhos” enquadram-se na cultura epicurista que temos hoje em dia. Faz sentido dizer às pessoas para procurarem a sua felicidade e depois esperar que elas assumam décadas de responsabilidade por outros seres humanos? Bem, talvez, se você procurar um significado. Nossa ideia de significado é algo parecido com a virtude abraçada pelos estoicos, que afirmaram que isso lhe traria felicidade.

Tanto os estoicos quanto os epicuristas entenderam que algumas coisas boas são melhores do que outras. Assim, você necessariamente se depara com escolhas, e com a necessidade de renunciar a um bem para proteger ou ganhar outro. Quando você faz essas escolhas com sabedoria, você será mais feliz. Mas os Estoicos acham que você estará agindo de acordo com um grande plano de um grande designer, e os epicuristas não.

Como moderados seculares, buscamos a felicidade a curto prazo e alcançamos prazer mais profundo no trabalho bem feito. Buscamos a estima dos colegas. Tudo isso faz sentido à luz da ciência, que documentou que a felicidade para a maioria de nós surge de laços sociais – não do jardim de rosas perfeito ou de um armário de alta costura. Epicuro não só apreciaria a ciência, como seria um grande fã da amizade.

Os estoicos e os epicuristas divergem quando se trata de política. Epicuro pensou que a política só trazia frustração. Os estoicos acreditavam que você deveria se engajar na política da forma mais virtuosa possível. Aqui nos EUA, onde vivo, metade do país se abstém de votar em anos não-presidenciais, o que parece epicurista em essência.

No entanto, Epicuro foi um democrata. Num jardim nos arredores de Atenas, criou uma escola escandalosamente aberta a mulheres e escravos – uma prática que os seus contemporâneos viram como prova da sua depravação. Quando Jefferson defendeu a educação para os escravos americanos, ele poderia ter tido Epicuro em mente.

Imagino que Epicuro veria muito mais consumo do que o necessário na minha própria vida americana e muito pouca autodisciplina. Acima de tudo, ele queria que nós assumíssemos a responsabilidade por nossas escolhas. Aqui está ele na sua Carta a Meneceu:

Pois não são as bebedeiras e as festas contínuas e o divertimento de rapazes e mulheres, nem o consumo de peixe e outras iguarias de uma mesa extravagante, que produzem a vida agradável, mas o cálculo sóbrio que procura as razões de cada escolha e evitação e afasta as opiniões que são a fonte do maior tumulto para as almas dos homens.

Você considera a “busca da felicidade” como um projeto de pesquisa duro e lamenta a si mesmo quando você está triste? Você é epicurista. Nós pensamos nos estoicos como mais duros, mas eles proporcionaram o conforto da fé. Aceite o seu destino, disseram eles. Epicuro disse: É uma bagunça. Seja mais esperto que os outros. Quão moderno você pode ser?

Temma Ehrenfeld é uma jornalista freelancer que cobre psicologia, saúde e finanças pessoais. Seu trabalho apareceu na Newsweek, na LA Review of Books e no The Wall Street Journal, entre outros. Ela mora em Nova York.

Este artigo foi originalmente publicado em Aeon e foi traduzido sob Creative Commons.