EspaçoEvidência de tsunami gigante encontrada em Marte

E revela um oceano antigo.
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/tsunami-em-marte-1280x786.jpg

A busca por pistas sobre um oceano no passado oblíquo de Marte é um verdadeiro desafio para os astrônomos. A hipótese de que as planícies do norte já foram cobertas por um oceano é reforçada pela identificação da cratera que causou um mega-tsunami que cobriu os paleo-rios da região da Arábia Terra.

Na Terra, crateras marinhas no fundo do oceano estão ligadas a antigos mega-tsunamis, como o de Chicxulub, que causou o cataclismo há 66 milhões de anos, e que ainda hoje pode ser encontrado graças a depósitos claramente identificados ao longo das costas pálidas do Golfo do México.

Estas crateras marinhas terrestres são conhecidas por terem uma morfologia muito particular. No momento do impacto em um oceano raso, forma-se uma cavidade transitória que sofrerá deformação significativa causada pelo contexto marinho com paredes de crateras grandes e desmoronadas, depósitos de sedimentos significativos na cratera durante o enchimento súbito da cratera pelo mar.

LEIA TAMBÉM: Terra versus Marte: um comparativo resumido

É utilizando estes mesmos índices que geomorfólogos franceses conseguiram encontrar a cratera de Lomonosov, com 120 quilômetros de diâmetro, que provavelmente está na origem do gigantesco tsunami.

Foi a partir de uma abordagem morfométrica acoplando as imagens da câmara HRSC da sonda ESA Mars Express e dos dados topográficos em particular que foi possível destacar a singularidade da cratera de Lomonosov. Difere de outras crateras por uma topografia muito particular, como os numerosos colapsos na sua muralha, as aberturas ao longo delas, a sua falta de volume e o enchimento com sedimentos no fundo da cratera.

Todas essas pistas só podem ser explicadas pelo contexto marinho, causando o colapso da cavidade transitória no momento do impacto em um oceano raso. Acontece que a idade desta cratera corresponde à idade dos depósitos de tsunami previamente identificados na região da Arábia Terra por esta equipe há um ano.

Sabia-se que Marte continha um oceano primitivo, mas a recente identificação dessa cratera como fonte de depósitos de tsunamis sugere que um oceano também estava presente muito mais recentemente, apenas há cerca de três bilhões de anos.

Esta conclusão do estudo que acaba de ser publicado na revista JGR Planets relança o debate sobre a existência deste hipotético oceano e tem fortes implicações para as condições climáticas que deveriam prevalecer naquele momento.

FONTE / Futura Sciences / DOI: doi.org/10.1029/2019JE006008