Saúde & Bem-EstarPrimeiro estudo clínico de tratamento a base de células-tronco para a doença de Parkinson

Sete pacientes serão acompanhados por 2 anos após serem injetados com células-tronco, com a esperança de substituir as células cerebrais que morreram.
Damares Alves2 meses atrás10 min
https://i1.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/06/Pakinson.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1

Um ensaio clínico histórico foi anunciado recentemente por pesquisadores da Universidade de Kyoto. Pela primeira vez na história, este ensaio testa o uso de células-tronco para o tratamento de uma doença degenerativa do cérebro: a doença de Parkinson. O significado de um estudo como este não deve ser subestimado, já que o potencial terapêutico das células-tronco em doenças como a doença de Parkinson pode ter um grande retorno. Os tratamentos atuais para a doença de Parkinson apenas aliviam os sintomas, mas não podem curá-la.

Células-tronco neurais derivadas de células-tronco pluripotentes induzidas. Imagem de Wikimedia Commons

Doença de Parkinson: o que é isso?

Uma característica fundamental das doenças cerebrais degenerativas, como a doença de Alzheimer e a doença de Parkinson, é a morte progressiva de neurônios no cérebro. Nossos cérebros são feitos de aproximadamente 100 bilhões de neurônios, ou células cerebrais. Cada tipo de neurônio é classificado de acordo com o tipo de sinais químicos que eles produzem. Esses sinais químicos são conhecidos como neurotransmissores, e você já pode estar familiarizado com alguns deles. Por exemplo, neurônios serotoninérgicos são neurônios que produzem serotonina, e um desequilíbrio no cérebro desse neurotransmissor é notoriamente implicado na depressão. Neurônios dopaminérgicos produzem dopamina, o neurotransmissor mais comumente associado à recompensa e ao prazer. É importante ressaltar que esses neurônios dopaminérgicos também estão envolvidos no controle do movimento do corpo. Os sintomas da doença de Parkinson, como tremores, rigidez, lentidão de movimentos e demência, ocorrem porque essas importantes células cerebrais dopaminérgicas morrem.

O tratamento atual da doença de Parkinson é centrado principalmente em torno da terapia de reposição da dopamina, em que uma variedade de medicamentos é usada para aumentar os níveis de dopamina no cérebro. O medicamento comumente usado para a doença de Parkinson, chamado levodopa, é convertido em dopamina no cérebro, aumentando seus níveis. Outros medicamentos podem prevenir a degradação natural da dopamina no cérebro, aumentando também os níveis de dopamina. Ainda assim, enquanto os medicamentos atuais podem aumentar a dopamina no cérebro e ajudar a controlar os sintomas, ainda não há como curar, retardar ou reverter a progressão da doença de Parkinson. Os neurônios da dopamina continuarão morrendo e os neurônios dopaminérgicos que já morreram não voltarão.

A promessa da terapia com células-tronco

As células-tronco são as primeiras células de um ser humano a se formar e, eventualmente, se transformam em todos os outros tipos de células do corpo. Eu escrevi em um artigo anterior sobre a promessa de usar células-tronco para pesquisar doenças neurodegenerativas. Com os avanços da medicina, os cientistas agora podem pegar a pele, o cabelo ou outras células de um adulto, transformá-lo em células-tronco e usá-las para crescer de volta em células de qualquer tipo, inclusive neurônios. Células-tronco criadas dessa maneira são conhecidas como células-tronco pluripotentes induzidas.

Além da pesquisa de doenças, essa tecnologia também é promissora para o tratamento de doenças degenerativas do cérebro. Isso ocorre porque nossos cérebros são únicos porque geralmente não produzem novos neurônios. Com as células-tronco pluripotentes induzidas, existe agora uma maneira de produzir novos neurônios e esperançosamente usá-los para substituir os neurônios que morreram. Ainda assim, a produção de terapias usando esses tipos de células-tronco tem sido um desafio para se desenvolver, e testes em humanos usando células-tronco pluripotentes induzidas têm sido muito raros.

Terapia com células-tronco e doença de Parkinson

Independentemente disso, a pesquisa continua a progredir, e no ano passado um artigo relatou que o transplantes de células-tronco pluripotentes induzidas pelo homem em macacos com a doença de Parkinson foram realmente bem-sucedidos. Isso nos leva ao recém-anunciado estudo clínico de referência, no qual o mesmo grupo de cientistas pretende testar essa terapia com células-tronco em humanos com a doença de Parkinson.

O ensaio envolverá um pequeno grupo de pacientes com doença de Parkinson (apenas 7 pacientes). Neurocirurgiões vão perfurar dois pequenos orifícios no crânio desses pacientes e injetar cerca de 5 milhões de células que estão começando a se tornar neurônios dopaminérgicos no cérebro dos pacientes em uma área chamada putamen . O putâmen liga-se à área do cérebro onde os neurónios da dopamina morrem na doença de Parkinson. Essas células então se transformarão em neurônios dopaminérgicos.

Se este estudo puder demonstrar que o procedimento pode ser seguro e eficaz, será um benefício para o tratamento da doença de Parkinson. Realizado pela primeira vez em humanos, pode haver um tratamento que não apenas alivie os sintomas associados à doença, mas substitua as células que já morreram. Como apenas o terceiro ensaio clínico em humanos envolvendo células-tronco pluripotentes induzidas, e o primeiro envolvendo qualquer doença neurodegenerativa, as comunidades científicas e médicas estarão assistindo a este ensaio com muito interesse.

ORIGINAL INGLÊS: First Clinical Trial of Stem Cell Treatment of Parkinson’s Disease [Sciwothy]

Posts relacionados