NaturezaOs curiosos pássaros vampiros das ilhas Galápagos

Redação2 meses atrás9 min
https://i2.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/06/Pássaros-vampiros-1.jpg?fit=1024%2C682&ssl=1

Durante metade do ano, um pequeno pássaro marrom nas ilhas mais setentrionais das Galápagos usa seu bico perversamente afiado para colher sementes, néctar e insetos. Mas quando o clima seca, ele bebe sangue.

Sim, isso mesmo, um tentilhão vampiro.

Passarinhos das ilhas Galápagos têm sido usados ​​desde a época de Darwin para ilustrar a evolução em ação. Mesmo entre eles, Geospiza septentrionalis é um outlier, uma das poucas aves do mundo a beber sangue intencionalmente. E a espécie só é encontrada nas ilhas de Lobo e Darwin, dois dos lugares mais remotos e proibidos de todo o arquipélago.

O pássaro vampiro tem um método. Primeiro, uma ave pula nas costas de um atobá Nazca em repouso, bica na base da asa da ave marinha e então se alimenta do sangue que mancha as penas brancas.

Outros tentilhões se amontoam para esperar sua vez, ou para assistir e aprender. Porque os atobás adultos podem voar para longe, os ataques quase nunca são fatais. As únicas vítimas fatais são filhotes que fogem dos tentilhões a pé e, incapazes de encontrar o caminho de volta, morrem de fome.

Beber sangue é uma dieta incomum, e pesquisas publicadas no ano passado mostraram que tentilhões vampiros desenvolveram bactérias especializadas para ajudar na digestão. Ainda mais surpreendente, de acordo com um artigo publicado esta semana na revista Philosophical Transactions, da Royal Society B, é que algumas dessas bactérias são similares àquelas encontradas nos morcegos hematófagos da América Central e do Sul.

Jin Song, biólogo da Universidade da Califórnia em San Diego o principal autor do estudo, já havia estudado a evolução convergente das bactérias instestinais. Diferentes animais com o equivalente a dietas da comum – comendo apenas formigas e cupins, por exemplo – desenvolvem um microbiota intestinal similar ao longo do tempo evolutivo?

Tentilhões vampiros, que foram descobertos pela primeira vez em 1964, deram ao Dr. Song a chance de olhar através das entranhas de bebedores de sangue de diferentes ramos da árvore da vida. “Quando eu descobri sobre tentilhões vampiros fiquei muito chocado”, disse ele.

Tentilhões se alinham para beber o sangue de um booby. Crédito Jaime Chaves

Tentilhões que bebem sangue são extremamente raros. Eles só recorrem à sua dieta vampírica em tempos difíceis, já que o sangue tem quantidades perigosamente altas de sal e ferro – e é pobre em nutrientes essenciais, como vitaminas do complexo B. Alguns tipos de morcegos enfrentam os mesmos desafios dietéticos.

O Dr. Song já havia coletado dados sobre morcegos hematófagos. Mas, para comparar esses animais com os pássaros, ela teve de recorrer a colegas que trabalhavam nas ilhas Galápagos, que coletavam amostras de fezes dos animais.

Quando a equipe do Dr. Song comparou os genomas bacterianos do cocô de vampiro às bactérias nas entranhas dos morcegos hematófagos, eles encontraram poucas semelhanças. Mas, como mostrou a equipe em seu artigo, os dois micro biomas intestinais tinham um ingrediente em comum que poderia ajudar a digerir o sangue: altos níveis de Peptostreptococcaceae, um grupo de bactérias que ajuda a processar sódio e ferro.

Tendo em conta que estes morcegos e aves seguiram caminhos evolutivos muito diferentes no caminho para o seu estilo de vida bebedor de sangue, “Foi interessante que pudemos encontrar algo que tivessem”, disse o Dr. Song.

“As análises são muito boas”, disseram Rosemary e Peter Grant, biólogos da Universidade de Princeton, por e-mail. Os dois estudam tentilhões de Galápagos desde a década de 1970.

Eles também viram outra extensão estranha dos mesmos hábitos alimentares, eles disseram. “Os tentilhões do solo foram observados bebendo sangue da placenta de um leão-marinho que acabara de dar à luz, algumas vezes.”

De volta às ilhas Galápagos, os co-autores do Dr. Song, Jaime Chaves, da Universidade de São Francisco de Quito, no Equador, e Daniel Baldassare, um colega biólogo, estão testando se os tentilhões também desenvolveram alguma substância analgésica ou proteínas anti-coagulantes que os morcegos vampiros usam em suas vítimas.

Dr. Chaves ainda se maravilha com o “privilégio” de ver tentilhões vampiros no ato.

“É uma das coisas mais gratificantes para qualquer cientista ser capaz de testemunhar esse comportamento único”, disse ele.

ORIGINAL INGLÊS: The Vampire Birds of the Galápagos Have Fascinating Inner Lives [The New York Times]