Cientistas descobrem uma enorme biosfera de vida escondida embaixo da Terra
 

AstrobiologiaBiologiaEcologiaCientistas descobrem uma enorme biosfera de vida escondida embaixo da Terra

Escondidos por todo este reino da subsuperfície, alguns dos organismos mais antigos do mundo prosperam em lugares onde a vida nem deveria existir.
Redação5 meses atrás9 min

A Terra não é o lar que você pensa que é. Muito abaixo dos escassos espaços superficiais que habitamos, o planeta está repleto de uma incrivelmente vasta e profunda “biosfera oculta” de formas de vida subterrâneas que os cientistas estão apenas começando a compreender.

Escondidos por todo este reino da subsuperfície, alguns dos organismos mais antigos do mundo prosperam em lugares onde a vida nem deveria existir, e em novas pesquisas, os cientistas quantificaram essa “matéria escura” do mundo microbiano como nunca antes.

“Dez anos atrás, nós tínhamos experimentado apenas alguns locais – o tipo de lugar que esperávamos encontrar a vida”, explica a microbióloga Karen Lloyd, da Universidade do Tennessee, em Knoxville.

“Agora, graças à amostragem ultra-profunda, sabemos que podemos encontrá-los em praticamente todos os lugares, embora a amostragem tenha alcançado apenas uma parte infinitamente pequena da biosfera profunda.”

Acima:  Candidatus Desulforudis audaxviator (bactérias roxas abrangendo esferas de carbono laranja) debaixo da mina de ouro de Mponeng, na África do Sul.

Há uma boa razão pela qual a amostragem permanece em seus estágios iniciais.

Em uma prévia dos resultados de uma colaboração épica de mais de 1.000 cientistas, Lloyd e colegas pesquisadores do Deep Carbon Observatory (DCO) estimam que a biosfera profunda – a zona da vida sob a superfície da Terra – ocupa um volume entre 2 e 2,3. bilhões de quilômetros cúbicos.

Isso é quase o dobro do volume de todos os oceanos do mundo – outro ambiente natural enorme que se encontra em grande parte inexplorado pelos seres humanos.

E assim como os oceanos, a biosfera profunda é uma fonte abundante de inúmeras formas de vida – uma população que soma de 15 a 23 bilhões de toneladas de massa de carbono (entre 245 e 385 vezes maior que a massa equivalente de todos os humanos na superfície).

As descobertas, representando numerosos estudos conduzidos em centenas de locais ao redor do mundo, são baseadas em análises de micróbios extraídos de amostras de sedimentos originadas a 2,5 quilômetros do fundo do mar e perfuradas em minas superficiais e furos de mais de 5 km de profundidade.

Acima: Archaea, chamado de Altiarchaeales, encontrado vivendo em fontes sulfídicas na Alemanha.

Escondidas nessas profundezas, duas formas de micróbios (bactérias e archaea) dominam a biosfera profunda, e estima-se que sejam 70 por cento de todas as bactérias e archaea da Terra.

Quanto a quantos tipos de organismos estamos falando, ninguém sabe.

Mas os cientistas do Observatório Deep Carbon dizem que milhões de tipos distintos estão esperando para serem descobertos e caracterizados com essas técnicas.

“Explorar o subsolo profundo é semelhante à exploração da floresta amazônica”, diz o microbiólogo Mitch Sogin, do Marine Biological Laboratory, em Woods Hole, Massachusetts.

“Há vida em toda parte, e em todos os lugares há uma imensa abundância de organismos inesperados e incomuns.”

Essas formas de vida não são apenas incomuns por sua aparência e habitat, mas pelo modo como existem, com ciclos de vida incrivelmente lentos e longos desenhados sobre escalas de tempo quase geológicas e – na ausência de luz solar – subsistindo de escassas quantidades de energia química colhidas de seus arredores rochosos.

“O mais estranho para mim é que alguns organismos podem existir por milênios”, explicou Lloyd ao The Guardian .

“Eles são metabolicamente ativos, mas em estase, com menos energia do que pensávamos para suportar a vida”.

Acima:  Nemátodo não identificado ( Poikilolaimus sp.) Em um biofilme de microorganismos, sob a mina de ouro de Kopanang, na África do Sul.

Descobertas como essa não apenas promovem a ideia de que a vida profunda poderia existir em outras partes do Universo – escondidas nas análogas biosferas ocultas de mundos alienígenas  – elas também testam nossa definição do que a vida realmente é.

De certo modo, quanto mais nos aprofundamos, mais olhamos para trás no tempo e na história evolucionária.

“Estudos moleculares aumentam a probabilidade de a matéria escura microbiana ser muito mais diversa do que a que conhecemos atualmente, e as linhagens mais profundas desafiam o conceito de três domínios introduzido por Carl Woese em 1977″, explica Sogin em um comunicado.

“Talvez estejamos nos aproximando de um nexo onde os padrões de ramificação mais antigos possíveis possam ser acessados ​​através da investigação da vida profunda.”

As descobertas foram apresentadas na véspera da reunião de outono da União Geofísica Americana de 2018 (AGU) em Washington, DC, nesta semana, e o relatório final do DCO deve ser publicado em outubro de 2019. [ScienceAlert]

Você pode doar a partir de R$ 3 mensais e nos ajudar a expandir este projeto. Com a sua ajuda, poderemos alcançar mais pessoas e produzir um conteúdo de alta qualidade. Para doar, clique aqui. É um processo rápido e fácil.