Uma noite mal dormida pode fazer você engordar e perder massa muscular

2549

Uma noite sem dormir pode ser suficiente para fazer com que seu corpo comece a armazenar gordura extra e a retirar proteína dos músculos, conclui pesquisa.

De Diógenes Henrique e Victor Hugo Joaquim

A falta de sono tem sido associada à obesidade há muito tempo, mas um novo estudo sugere que a insônia e lanches pesados à noite podem não ser os únicos culpados. As últimas descobertas fornecem as evidências mais convincentes até o momento de que o sono interrompido altera o metabolismo e aumenta a capacidade do corpo de armazenar gordura. Acontece que uma noite sem dormir pode ser suficiente para fazer com que seu corpo comece a armazenar gordura extra e a perder músculo, sugere a pesquisa.

Isso ajuda a explicar por que as pessoas com insônia e funcionários em turnos com padrões de sono interrompidos são particularmente propensos à obesidade e ao diabetes tipo 2, diz Jonathan Cedernaes, pesquisador do sono e ciclo circadiano da Universidade de Uppsala, na Suécia. Ele e seus colegas coletaram amostras de gordura e músculos em quinze homens jovens e saudáveis ​​em duas manhãs separadas — uma após uma boa noite de sono e a outra depois de ficarem acordados a noite toda.

“O sono não é apenas para conservar energia, tem tantas funções”, disse Cedernaes ao The Guardian.

Após a noite sem dormir, os músculos dos participantes mostraram sinais de perda de proteína. Seu tecido adiposo, ao contrário, apresentava níveis elevados de proteínas e metabólitos envolvidos na promoção do armazenamento de gordura.

Permanecer acordado a noite toda também pareceu mudar a expressão de vários genes no tecido adiposo associados à obesidade e ao diabetes tipo 2. Esses achados se encaixam em pesquisas anteriores mostrando que dormir por apenas quatro horas por noite durante cinco noites consecutivas pode provocar ganho de peso.

Essas descobertas se somam a evidências científicas crescentes sobre como o sono interrompido influencia os ritmos usuais do relógio biológico, aumentando o risco de uma ampla gama de problemas de saúde, tais como obesidade, doenças cardíacas e diabetes. Um outro estudo publicado no começo deste ano relaciona uma noite de sono ruim com o mal de Alzheimer. Segundo o estudo, uma noite de sono mal dormida aumenta o risco de desenvolver a doença.

Trabalho por turnos e a privação do sono são relacionados ao risco de obesidade e diabetes, mas as razões por trás dessa associação são complexas e difíceis de elucidar. Sono insuficiente parece perturbar os hormônios que controlam o apetite e a percepção de bem-estar. Aqueles que dormem menos têm mais tempo para comer, podem estar cansados ​​demais para se exercitar e ter menos autocontrole quando se trata de resistir à tentação de lanches não saudáveis. Um estudo anterior de Cedernaes e colegas mostrou que mesmo um curto período de privação de sono levou as pessoas a comer mais e a optar por alimentos de maior caloria.

Para complicar ainda mais, a obesidade aumenta o risco de apneia do sono, um problema respiratório que prejudica a qualidade do sono. O mais recente estudo fornece novas evidências de que a privação do sono tem uma influência direta no metabolismo básico e no equilíbrio do corpo entre a massa gorda e a massa muscular.

No mais recente estudo, publicado na revista Science Advances, Cedernaes e colegas submeteram quinze voluntários saudáveis ​​a uma sessão de testes em duas ocasiões, uma vez após uma noite normal de sono e uma vez depois de ficar acordado a noite toda. Durante a visita, eles deram amostras de gordura e tecido muscular e sangue.

Após a privação do sono, o tecido adiposo das pessoas mostrou mudanças na atividade dos genes que estão ligadas às células, aumentando sua tendência a absorver lipídios e também a proliferar.

Os participantes foram investigados após uma noite de perda de sono, ou seja, estiveram sub vigília noturna na noite anterior ao teste, e também foram investigados após uma noite de sono normal, em cada condição após um dia de trabalho em laboratório (26 horas no total e com oportunidade de 8,5 horas de sono basal ) com níveis padronizados de atividade física e refeições isocalóricas. Biópsias do músculo vasto lateral (VLM) e tecido adiposo subcutâneo (SAT), bem como amostragem de sangue em jejum, precederam um teste oral de tolerância à glicose (OGTT) e subsequente coleta de sangue. Isto foi seguido por um pipeline de análises omicas através dos tecidos. (Imagem: Jonathan Cedernaes et al. DOI: 10.1126/sciadv.aar8590)

Em contraste, no músculo, os cientistas viram níveis reduzidos de proteínas estruturais, que são os blocos de construção que o corpo necessita para manter e construir massa muscular. Estudos epidemiológicos anteriores também encontraram trabalhadores em turnos e aqueles que dormem menos têm menor massa muscular. Isso pode ser em parte devido a fatores de estilo de vida, mas o trabalho mais recente mostra que também existem mecanismos biológicos fundamentais em jogo.

“A perda de sono por si só está reduzindo as proteínas que são os principais componentes do músculo”, disse Cedernaes, embora tenha acrescentado que é possível que a dieta e o exercício possam contrariar essas mudanças.

O estudo também encontrou um aumento na inflamação no corpo após a privação de sono, que é um fator de risco conhecido para diabetes tipo 2.

No entanto, os autores disseram que seria importante investigar mais para ver se as mudanças de curto prazo que eles identificaram foram sustentadas em pessoas que trabalham em padrões de turno ou que sofrem privação de sono por longos períodos de tempo.

A ligação entre a privação do sono e a doença é uma preocupação crescente devido ao aumento do trabalho por turnos e às mudanças nos padrões de sono em pessoas no mundo todo. No ano passado, uma revisão de 28 estudos constatou que os trabalhadores permanentes do turno noturno tinham 29% mais chances de desenvolver obesidade ou sobrepeso do que os trabalhadores em turnos rotativos.

Estatísticas no Reino Unido revelam que o número de pessoas trabalhando regularmente em períodos noturnos no país aumentou para 260 mil nos últimos cinco anos, de acordo com o TUC, que estimou no ano passado que a força de trabalho da Grã-Bretanha atingiu quase 3,2 milhões — de modo que proporcionalmente o número de trabalhadores noturno equivalha a um em cada oito trabalhadores.

A restrição de sono pode mexer com o metabolismo do corpo, interrompendo os ciclos hormonais normais, diz Cedernaes. A perda do sono parece prejudicar a produção de hormônios envolvidos na manutenção muscular, como o hormônio do crescimento e a testosterona, e pode elevar os níveis matinais de cortisol, que promovem o armazenamento de gordura, ele disse à revista New Scientist.

Ainda segundo à New Scientist, agora os pesquisadores estão investigando se planos específicos de dieta ou exercícios podem ser usados ​​para neutralizar esses efeitos. “Pode ser o caso, por exemplo, que comer alimentos ricos em proteínas ou fazer treinamento de resistência possam reduzir o risco de degradação muscular”, diz Cedernaes.

Fontes: New Scientist e The Guardian. Imagem de capa: JBSA Photo Gallery (Courtesy photo / Public Domain). Agradecimento a Giovane Almeida pela revisão de texto.

Referência:

  1. CEDERNES, J. et al. Acute sleep loss results in tissue-specific alterations in genome-wide DNA methylation state and metabolic fuel utilization in humans. Science Advances (2018). DOI: 10.1126/sciadv.aar8590
Publicação arquivada em