Crer em Deus não está relacionado com o pensamento racional, segundo estudo em Oxford

Estudos anterores sugeriram que as pessoas que possuem fortes convicções religiosas são mais intuitivas e menos analíticas, e quando pensam de forma mais analítica, suas crenças religiosas diminuem. Mas uma nova pesquisa de acadêmicos na Universidade de Oxford, do Centro de Avanços em Ciências do Comportamento, e neurocientistas e filósofos da Universidade de Coventry, sugerem que …   Read More

6688 0

Estudos anterores sugeriram que as pessoas que possuem fortes convicções religiosas são mais intuitivas e menos analíticas, e quando pensam de forma mais analítica, suas crenças religiosas diminuem.

Mas uma nova pesquisa de acadêmicos na Universidade de Oxford, do Centro de Avanços em Ciências do Comportamento, e neurocientistas e filósofos da Universidade de Coventry, sugerem que esse não é o caso, e que as pessoas não “nascem acreditando”.

O estudo – que incluiu testes em peregrinos que participam do famoso Camino de Santiago e um experimento de estimulação cerebral – não encontrou vínculo entre pensamento intuitivo/analítico ou inibição cognitiva (capacidade de suprimir pensamentos e ações indesejadas) e crenças sobrenaturais .

Em vez disso, os acadêmicos concluem que outros fatores, como a educação e os processos socioculturais, são mais propensos a desempenhar um papel maior nas crenças religiosas.

O estudo – publicado na Scientific Reports – foi o primeiro a desafiar uma tendência crescente entre os psicólogos cognitivos nos últimos 20 anos, que tentou mostrar que acreditar no sobrenatural é algo que nos é imposto “naturalmente” ou intuitivamente.

A equipe começou por realizar uma investigação sobre uma das maiores rotas de peregrinação do mundo – o Caminho de Santiago de Compostela, no norte da Espanha. Eles perguntaram aos peregrinos sobre a força de suas crenças e o tempo gasto na peregrinação, e avaliaram seus níveis de pensamento intuitivo com uma tarefa de probabilidade, onde os participantes tiveram que decidir entre uma escolha lógica e “intuitiva”.

Os resultados sugeriram nenhuma ligação entre a força da crença sobrenatural e a intuição. Em um segundo estudo, onde eles usaram enigmas matemáticos para aumentar a intuição, eles também não encontraram nenhuma ligação entre níveis de pensamento intuitivo e crença sobrenatural.

Na última parte da pesquisa, eles usaram estimulação cerebral para aumentar os níveis de inibição cognitiva, que é utilizado para regular o pensamento analítico.

Isso envolveu a execução de uma corrente elétrica indolor entre dois eletrodos colocados no couro cabeludo do participante, para ativar o gyrus frontal inferior direito, parte do cérebro que comanda o controle inibitório.

Um estudo anterior de imagem cerebral mostrou que os ateus usavam mais essa área do cérebro quando queriam suprimir idéias sobrenaturais.

Os resultados mostraram que, embora essa estimulação cerebral tenha aumentado os níveis de inibição cognitiva, não alterou os níveis de crença sobrenatural, sugerindo que não existe uma relação direta entre a inibição cognitiva e a crença sobrenatural.

Os acadêmicos dizem que é “prematuro” explicar a crença em deuses como intuitivos ou naturais.

Em vez disso, eles dizem que sua pesquisa apóia uma teoria de que a religião é um processo baseado em nutrir a crença e se desenvolve por causa de processos socioculturais, incluindo censura e educação.

O principal autor Miguel Farias disse:

“O que impulsiona a nossa crença em deuses – intuição ou razão: coração ou cabeça? Houve um longo debate sobre este assunto, mas nossos estudos desafiaram a teoria de que ser um crente religioso é determinado pela quantidade de indivíduos que dependem do pensamento intuitivo ou analítico .

“Não imaginamos que as pessoas sejam “crentes de nascença” da mesma forma que se aprende uma língua em uma idade precoce. Os dados sociológicos e históricos disponíveis mostram que o que acreditamos é principalmente baseado em fatores sociais e educacionais, e não em estilos cognitivos, como o pensamento intuitivo/analítico.

“A crença religiosa provavelmente é arraigada na cultura e não em alguma intuição primitiva”.

Tradução realizada do título Why do we believe in gods? Religious belief ‘not linked to intuition or rational thinking’.

Publicação arquivada em