Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Pesquisa classifica Dickinsonia como um animal

Créditos: Pete Buchholz

O Período Cambriano é famoso pelo surgimento explosivo de grupos de animais em um curto período de tempo. O menos conhecido pelo público é o Período Ediacarano, que abriga alguns dos primeiros organismos macroscópicos. Eles possuem uma variedade de formas e tamanhos, mas muitos são planos e parecem ser feitos de unidades repetidas e apresentam um estranho aspecto que lembra colchões de ar.

A relação desses organismos tem sido o foco de muitos debates desde sua descoberta. Algumas destas possíveis relações inclui grupos de animais vivos, líquens, fungos, um reino multicelular completamente extinto ou gigantescos organismos unicelulares. A paleontóloga Renee Hoekzema e seus colegas realizaram pesquisas que mostram que pelo menos um desses estranhos organismos, Dickinsonia, é um animal.

Dickinsonia é um dos maiores e mais icônicos organismos ediacaranos, sendo, a grosso modo, oval e um dos maiores espécimes, com quase 1,5 metros de comprimento, mas com apenas alguns centímetros de espessura. Seu corpo é composto por inúmeros segmentos ou “unidades” infladas e refletidas a partir de um eixo central, e um grande segmento em forma de cunha, chamado “região deltóide”. Os menores espécimes de Dickinsonia e presumivelmente os mais novos apresentam essas regiões proporcionalmente maiores e com poucas unidades, enquanto os espécimes maiores possuem regiões deltóides menores e com muito mais unidades.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

A equipe procurou determinar de onde surgiam novas unidades em Dickinsonia durante seu desenvolvimento. Teriam elas emergido da região deltóide, ou de uma outra região, a qual eles chamam de região anti-deltóide? Para entender melhor isso, eles examinaram 20 espécimes com uma variedade de diferentes tamanhos e mediram as dimensões de cada uma dessas unidades e da região deltóide.

Fóssil de Dickinsonia costata e esquema mostrando o eixo central, região deltóide (topo), região anti-deltóide (inferior) e as unidades individuais. Imagem de Hoekzema et al.

Fóssil de Dickinsonia costata e esquema mostrando o eixo central, região deltóide (topo), região anti-deltóide (inferior) e as unidades individuais. Imagem de Hoekzema et al.

Eles descobriram que é mais provável que as novas unidades tivessem surgido da região deltóide e que as unidades menores da extremidade anti-deltóide sejam as partes mais antigas do organismo. Isto é suportado pelo fato de que as regiões deltóides de alguns espécimes, parecem apresentar novas unidades parcialmente fundidas. Além disso, uma vez que as unidades separaram-se desta região, elas cresceram até alcançar um terço do corpo, tornando todo o organismo mais largo atrás dessa mesma extremidade.

Essa é uma idéia diferente da maioria das anteriores, que consideravam as unidades do extremo anti-deltóide como as mais novas, simplesmente por serem menores.

Os autores observaram que o crescimento pela adição de tecido perto (mas não em) de uma região é semelhante com o que é visto em alguns animais, mas não com o que ocorre em outros organismos. O grupo também aponta para fósseis que mostram o desenvolvimento e a mudança na morfologia de Dickinsonia. Em animais que possuem um desenvolvimento semelhante ao de Dickinsonia, especialmente os animais de simetria bilateral, o tecido é normalmente adicionado na região posterior do corpo. Isso significa que a região deltóide está localizada na extremidade posterior e a região anti-deltóide na anterior.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Dickinsonia é um, dentre vários organismos estranhos da biota de ediacara, com corpos “acolchoados”. Imagem de Franz Anthony.

Dickinsonia é um, dentre vários organismos estranhos da biota de ediacara, com corpos “acolchoados”. Imagem de Franz Anthony.

Isso traz a origem dos animais bilaterais de volta ao Período Ediacarano, há 560 milhões de anos, e sugere que muitos outros organismos da biota de ediacara, com anatomia acolchoada ou semelhante também podem ter sido animais bilaterais. Os pesquisadores não puderam atribuir Dickinsonia a nenhum grupo de animais modernos, mas pode ser parte de uma linhagem extinta prematuramente. Outras pesquisas sobre os demais organismos ediacaranos podem determinar se eles desenvolveram-se do mesmo modo que Dickinsonia e se também eram ou não animais.

Leia o texto original aqui

Referências

Renee S. Hoekzema, Martin D. Brasier, Frances S. Dunn, Alexander G. Liu. Quantitative study of developmental biology confirms Dickinsonia as a metazoan. The Royal Society, 2017. DOI: 10.1098/rspb.2017.1348

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Avatar
Publicado por

Cursa bacharelado em Biologia na Universidade Federal de Pernambuco. Acredita que pode ajudar a transformar o mundo através da divulgação científica e incentivando o uso da razão.

Faça um comentário

Notícia

Durante o desenvolvimento embrionário, os mamíferos (a maioria deles) crescem na cavidade do útero da mãe. Esse ambiente vai se dilatando e desenvolvendo ao...

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Saúde & Bem-Estar

Os exercícios de alta intensidade de intervalos (HIIT) se tornaram populares nos últimos anos por uma série de razões. Eles não exigem tanto tempo...

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.