Físico do laboratório de Brookhaven Flemming Videbaek durante a instalação do Heavy Flavor Tracker no detector STAR no RHIC, um colisor de partículas no Brookhaven National Laboratory. Novas descobertas do experimento revelam que os quarks de charm podem interagir mais com o plasma quark-gluon do que se pensava anteriormente. Crédito: BNL.

 

Recomendamos aos leitores o artigo Uma breve abordagem da Teoria das Partículas elementares publicado aqui.

Uma misteriosa partícula criada em uma ardente bola de fogo com uma esmagadora colisão de átomos está se comportando de forma singular, mostra uma nova experiência.

A partícula, chamada quark-charm, revelou interações surpreendentes com as partículas subatômicas vizinhas, mostram as análises. Essa descoberta poderia melhorar a compreensão dos cientistas sobre as condições que existiam logo após o Big Bang , quando o universo estava permeado por uma sopa primordial de partículas elementares e, possivelmente, mostra pistas de física além do que os cientistas compreende hoje em dia.

Publicidade. A leitura continua abaixo.