Connect with us

Hi, what are you looking for?

Coronavírus

Como a Nova Zelândia deu alta ao último paciente hospitalizado pelo coronavírus há dois meses?

Pode-se afirmar, com certeza, que o país que melhor lidou com a pandemia do coronavírus foi a Nova Zelândia.

Primeira ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, em uma coletiva de imprensa. (Créditos da imagem: Mark Mitchell/Pool/AFP).

Pode-se afirmar, com certeza, que o país que melhor lidou com a pandemia do coronavírus foi a Nova Zelândia. Não há mais transmissão comunitária e o último paciente hospitalizado teve alta no dia 27 de maio.

Há, é claro, uma ajuda de alguns pontos: a Nova Zelândia é composta por duas ilhas isoladas no meio do Oceano Pacífico, além de ser bastante pequena. Entretanto, não se resume a isso, e muitas atitudes deles deveriam servir de exemplo para os outros países. 

Brasil e Estados Unidos são os dois países com mais casos de coronavírus do mundo. No à toa, também são dois dos países onde impera o negacionismo e as teorias das conspiração. 

Continua depois da publicidade

O Brasil possui o SUS, e devia ter sido um exemplo no combate ao vírus. Entretanto, a falta de respeito pelo isolamento social por parte da população, e a falta de ação por alguns líderes foram decisivas neste ponto – já estamos próximos das cem mil mortes. Não há apenas um culpado. 

A Nova Zelândia, por sua vez, teve apenas 1.562 casos e 22 duas mortes, com uma população de quase 5 milhões de pessoas. Lá, foram 314 casos para cada milhão de pessoas, em comparação aos mais de 12 mil casos por milhão no Brasil até o dia 01 de agosto.

Comunicação é primordial, e a Nova Zelândia sabe disso

Não. Falar sobre os fatos em relação ao coronavírus não é alarmismo. A realidade é necessária, mas infelizmente há uma tendência entre muitas pessoas de se ignorar a realidade.

Continua depois da publicidade

“Aqui na Nova Zelândia, todos sabemos muito bem a sorte que temos e nos conectamos com colegas no exterior e realmente sentimos por eles”, disse ao Business Insider Chris Poynter, do Auckland City Hospital.

Mais de quatro milhões de pessoas é uma quantidade considerável de pessoas, o suficiente para um descuido ocasionar no rápido espalhamento da doença pelo território do país.

Entretanto, a liderança da Nova Zelândia, com relação ao coronavírus, emitiu bloqueios de forma bastante rápida, que foram respeitados por parte da população, houve a testagem em massa e também o rastreamento de aglomerações.

Continua depois da publicidade

Evidências, na medida do possível

Ao observar que, mesmo após tentar encobrir no início, quando Wuhan e toda a China passou a ter uma abordagem de bloqueio, sucessos passaram a ser obtidos, a Nova Zelândia viu como a evidência de ciência mais concreta, conforme a BBC.

Eles instituíram, ainda em março, após observar que o vírus não poderia mesmo ser controlado, quatro fases de bloqueio. A partir da instituição desse sistema, eles já partiram do segundo estágio. 

Em 25 de março, com a constante escalada dos casos pelo mundo, eles optaram por já partir para a fase 4, o último estágio da escala, mesmo com apenas 102 casos e nenhuma morte até então. 

Continua depois da publicidade

“Eles realmente envolveram as mentes e os corações da população em fazer o impensável, dizendo ‘vá para casa e fique lá a maior parte das seis [próximas] semanas”, disse à BBC o professor Michael Baker, um epidemiologista neozelandês. 

O Brasil iniciou o enfrentamento à pandemia com cuidado: o Ministério da Saúde agiu rápido. A população estava assustada, a ponto de ser necessário pedir para que não estocassem máscaras nem álcool em gel.

Com o tempo, entretanto, as pessoas foram descuidando. Quando Mandetta, então ministro da saúde, tentou se posicionar fortemente para fazer com que as pessoas voltassem para as casas, foi demitido. A partir daí ficou claro que o Brasil  só pioraria com a falta de liderança e colaboração por parte da população.

Continua depois da publicidade

Com informações de Business Insider e BBC.

Avatar
Publicado por

É divulgador científico por paixão. Gradua-se em Física pela UFSCAR e atua principalmente na Ciencianautas e SoCientífica.


Populares hoje

Ciência

Na Paleontologia, encontrar novas peças que pertenceram a milhões de anos atrás é um dos principais objetos de estudo. No entanto, durante uma expedição...

Notícia

Os hominídeos Homo antecessor são parentes bem antigos dos Homo sapiens. Esses humanos ancestrais habitavam vastas regiões da Europa entre 1,2 milhões e 800...