Hipátia: da Antiga Escola Neoplatônica de Alexandria

Uma pagã declarada em uma época de conflitos religiosos, Hipátia foi também a primeira  mulher na história a estudar matemática, astronomia e filosofia. Um dia nas ruas de Alexandria, Egito, no ano de 415 ou...

7055 2

Uma pagã declarada em uma época de conflitos religiosos, Hipátia foi também a primeira  mulher na história a estudar matemática, astronomia e filosofia.

Um dia nas ruas de Alexandria, Egito, no ano de 415 ou 416, uma multidão de fanáticos cristãos liderados por Pedro, o Leitor, abordaram uma mulher e, em seguida, arrastaram-na até uma igreja, onde a despiram e bateram -na até a morte com pedaços de telhas. Eles, então, esquartejaram seu corpo e o queimaram. Quem era essa mulher e qual era o seu crime?

Hipátia (355 d.C – 415 d.C) foi um dos últimos grandes nomes do pensamento da antiga Alexandria e considerada a primeira mulher a estudar e ensinar matemática, astronomia e filosofia. Embora ela seja mais lembrado por sua morte violenta, a sua vida dramática é uma lente fascinante através do qual podemos ver a situação da ciência em uma época de conflitos religiosos e sectários.

Fundada por Alexandre o Grande em 331 aC, a cidade de Alexandria cresceu rapidamente em um centro de cultural  e de aprendizagem para o mundo antigo. No seu coração ficava um museu e uma espécie de universidade, cuja coleção de mais de meio milhão de pergaminhos foi abrigada na Biblioteca de Alexandria.

Alexandria sofreu um lento declínio em 48 a.C., quando Júlio César conquistou a cidade de Roma e acidentalmente queimou a biblioteca (que foi depois reconstruída). Em 364, quando o Império Romano dividiu-se e Alexandria tornou-se parte da metade oriental, a cidade foi cercada por combates entre cristãos, judeus e pagãos. Guerras civis destruíram grande parte do conteúdo da biblioteca. Os últimos remanescentes provavelmente desapareceram, juntamente com o museu, em 391, quando o arcebispo Teófilo agiu por ordem do imperador romano para destruir todos os templos pagãos. Theophilus derrubou o templo de Serápis, que pode ter abrigado os últimos rolos, e construiu uma igreja no local.

O último membro conhecido do museu foi o matemático e astrônomo Téon, pai de Hipátia.

Alguns dos escritos de Téon sobreviveram. Seu comentário (a cópia de uma obra clássica que incorpora notas explicativas) nos Elementos de Euclides era a única versão conhecida do seu trabalho cardinal na geometria até o século 19. Mas pouco se sabe sobre a sua vida e a de sua filha, Hipátia. A data do nascimento de Hipátia é contestada – historiadores modernos acreditam  que 350 d.C seja a data mais provável. A identidade de sua mãe é um completo mistério, e Hipátia pode ter tido um irmão, Epifânio, embora ele possa ter sido apenas aluno favorito de Téon.

Téon ensinou matemática e astronomia a sua filha, e ela colaborou em alguns dos seus comentários. Pensa-se que o Livro III da versão de Téon do Almagesto de Ptolomeu – um tratado que estabeleceu o modelo geocêntrico para o universo que não seria derrubado até o tempo de Copérnico e Galileu – foi na realidade um trabalho de Hipátia.

Hipátia era um matemática e astrônoma em seu próprio direito, escrevia comentários próprios e ensinava uma sucessão de estudantes em sua casa. As cartas de um desses alunos, Sinésio, indicam que muitas das suas lições incluíram como projetar um astrolábio, uma espécie de calculadora astronômica portátil que seria usada até o século 19.

Hypatia-murdered-631

Nas ruas de Alexandria, no Egito, uma multidão liderada por Pedro, o Leitor, brutalmente assassinaram Hipátia, um dos últimos grandes nomes do pensamento da antiga Alexandria. (Mary Evans Picture Library / Alamy).

Além das áreas de especialização de seu pai, Hipátia estabeleceu-se como uma filósofa no que hoje é conhecida como a Escola Neoplatônica, um sistema de crenças em que tudo emana do Uno. (Seu estudante, Sinésio, se tornaria um bispo na igreja cristã e incorporaria os princípios neoplatônicos para a doutrina da Trindade.) Suas palestras públicas foram populares e atraíram multidões. “Vestindo [o manto de um estudioso], a senhora fez aparições em torno do centro da cidade, expondo em público àqueles dispostos a escutar Platão ou Aristóteles“, escreveu o filósofo Damascius, após sua morte.

Na matemática, ela desenvolveu idéias sobres seções cônicas introduzidas por Apolônio. Editou o trabalho As Cônicas de Apolônio, que dividiu cones em peças diferentes por um plano. Este conceito desenvolveu as ideias de hipérboles, das parábolas e elipses.

Hipátia nunca se casou e, provavelmente, levou uma vida celibatária, que possivelmente estava de acordo com as idéias de Platão sobre a abolição do sistema familiar. O léxico Suda, uma enciclopédia do mundo mediterrâneo do século 10, a descreve como sendo “extremamente bela e formosa… em sua forma de articular a fala e a lógica, em suas ações prudentes e de espírito público, e o resto da cidade deu-lhe boas-vindas adequadas e reconhecendo seu respeito especial.

Seus admiradores incluíram o governador de Alexandria, Orestes. Sua associação com ele acabaria por levar à sua morte.

Teófilo, o arcebispo que destruiu o último remanescente da grande biblioteca de Alexandria, foi sucedido em 412 por seu sobrinho, Cirilo, que continuou a tradição de seu tio das hostilidades em relação a outras religiões. (Uma de suas primeiras ações foi fechar e saquear as igrejas pertencentes à seita cristã Novatiana).

Com Cirilo, o cabeça do principal órgão religioso da cidade e Orestes no comando do governo civil, a luta começou sobre quem controlada Alexandria. Orestes era um cristão, mas ele não queria ceder o poder para a igreja. A luta pelo poder atingiu o seu pico na sequência de um massacre de cristãos por extremistas judeus, quando Cirilo levou uma multidão que expulsou todos os judeus da cidade e saquearam suas casas e templos. Orestes protestou junto ao governo romano em Constantinopla. Quando Orestes recusou tentativas de reconciliação, alguns monges de Cirilo tentaram, sem sucesso,  assassiná-lo.

14474075_1432594463436093_8733282089031434240_n
Hipátia foi a primeira mulher na história a estudar matemática, filosofia e astronomia. (Bettmann/Corbis)

Hipátia, no entanto, era um alvo mais fácil. Ela era um pagã que falou publicamente sobre a filosofia não-cristã, o neoplatonismo, e ela era menos provável de ser protegido por guardas que os Orestes. Um boato espalhou que ela estava impedindo Orestes e Cirilo de resolver suas diferenças. A partir daí, Pedro, o Leitor, e sua multidão entraram em ação e Hipátia teve seu trágico fim.

O papel de Cirilo na morte de Hipátia nunca foi claro. “Aqueles cujas afiliações levá-los para venerar sua memória exonerada; anticlericais e sua laia tem o prazer em condenar o homem“, escreveu Michael Deakin em seu livro de 2007, Hypatia de Alexandria.

Enquanto isso, Hipatia se tornava um símbolo para as feministas, um mártir para os pagãos e ateus, uma inspiração para divulgadores científicos e professores e um personagem de ficção. Voltaire usou-a para condenar a igreja e a religião. O clérigo Inglês Charles Kingsley fez objeto de um romance meio-Vitoriano. E ela é a heroína, interpretada por Rachel Weisz, no filme espanhol Agora (Alexandria, na versão em português), lançado em 2010 nos Estados Unidos. O filme conta a história fictícia de Hipátia e como foi sua luta para salvar a biblioteca de cristãos fanáticos. Hipátia também foi citada em outras mídias, como na série de divulgação científica “Cosmos” de Carl Sagan, em 1980 e também na nova versão da série, “Cosmos, Uma Odisseia no Espaço”, apresentada por Neil deGrasse Tyson.

Hipátia, no filme Agora, de 2010.

Nem o paganismo, nem e astronomia, nem a matemática e nem a filosofia morreram em Alexandria com Hipátia, mas certamente levaram um golpe. “Quase sozinha, praticamente como a último acadêmica, ela se levantou para valores intelectuais, para matemática rigorosa, pelo ascético neoplatonismo, o papel crucial da mente, e a voz da temperança e moderação na vida cívica,” escreveu Deakin.  Ela pode ter sido uma vítima do fanatismo religioso, mas Hipátia continua a ser uma inspiração, mesmo em tempos modernos.

Referências:

  1. Biographies of Women Mathematicians – Hypatia. https://www.agnesscott.edu/lriddle/women/hypatia.htm
  2.  Zielinski, S. Hypatia, Ancient Alexandria’s Great Female Scholar. http://www.smithsonianmag.com/womens-history/hypatia-ancient-alexandrias-great-female-scholar-10942888/?no-ist
  3. Osen, LM (1992). “Mulheres em matemática.” Cambridge, MA:  Instituto de Tecnologia de Massachusetts
Publicação arquivada em