Connect with us

Hi, what are you looking for?

Saúde & Bem-Estar

Trauma pode ser transmitido geneticamente para filhos, segundo estudo

(Imagem: Psychiatry Advisor)

É sabido que situações adversas ocorridas na infância, como negligência ou violência física, psíquica e sexual, podem ter reflexos negativos na saúde mental durante a vida adulta. Estudos também demonstraram que esses efeitos negativos podem ser transmitidos para gerações futuras, mesmo que os descendentes não tenham vivenciado tais experiências. O chamado trauma intergeracional foi observado pela primeira vez em descendentes de sobreviventes dos campos de concentração.

Agora, os mecanismos de transmissão envolvidos serão investigados em uma pesquisa com 580 gestantes em situação de vulnerabilidade na cidade de Guarulhos (SP).

O estudo, apoiado pela FAPESP e pelos National Institutes of Health (NIH), dos Estados Unidos, é conduzido por pesquisadores da Columbia University e da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Continua depois da publicidade

“Embora alguns estudos tenham demostrado a influência de eventos adversos ocorridos na infância da gestante sobre o desenvolvimento cerebral de sua prole, pouco se sabe ainda sobre os mecanismos envolvidos no processo. Nosso estudo é o primeiro a analisar as alterações placentárias e o neurodesenvolvimento do bebê por meio de análises genéticas, imagens de ressonância magnética neonatal e avaliações cognitivas”, disse Andrea Parolin Jackowski, professora da Unifesp e coordenadora do projeto no Brasil.

Transmissão via placenta

Segundo Jackowski as hipóteses predominantes relacionam a transmissão intergeracional de trauma a altos níveis de marcadores inflamatórios ou de cortisol – o hormônio do estresse – durante a gestação. Tal condição resultaria em alterações epigenéticas (modificações bioquímicas nas células que controlam a ativação ou silenciamento de genes) que são transmitidas para os bebês.

De alguma forma, as substâncias pró-inflamatórias e o cortisol produzidos durante a gravidez de mulheres que sofreram traumas na infância ativa ou silencia genes ligados a problemas de saúde mental – como depressão, déficit de atenção e outros.

Continua depois da publicidade

“Isso é transmitido para o feto via placenta, que é o meio de comunicação entre a mãe e o feto. São essas alterações epigenéticas placentárias que alteram o desenvolvimento cerebral do feto”, disse.

Prevenção

Além de entender o mecanismo de transmissão do trauma intergeracional, o projeto tem o objetivo de identificar formas possíveis de prevenir problemas de saúde mental nos filhos de mulheres com esse histórico.

“Podemos identificar quais comportamentos são alterados por esses mecanismos e pensar em formas de prevenção, possivelmente a ser adotada durante a gestação”, disse.

Continua depois da publicidade

O estudo vai avaliar 580 grávidas atendidas em unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) de Guarulhos. O grupo será divido em dois: um composto por 290 mulheres que sofreram eventos adversos na infância e o outro por aquelas que não vivenciaram tais problemas.

Além da análise genômica e epigenômica da placenta e de amostras de sangue (para ver marcadores de inflamação) e de cabelo (nível de cortisol) das mães e dos bebês, o estudo também vai acompanhar o neurodesenvolvimento do controle cognitivo dos bebês por 24 meses após o nascimento.

A associação entre o trauma materno e o desenvolvimento do bebê será observada por meio de imagens de ressonância magnética de crânio dos neonatos e avaliações comportamentais de controle cognitivo aos 12 e 24 meses.

Continua depois da publicidade

“Sabe-se que as mães com histórico de experiências adversas na infância têm risco aumentado de gerar filhos que logo após o nascimento apresentam alteração em alguns circuitos cerebrais responsáveis pelo controle cognitivo. Aos 24 meses é possível identificar essas alterações no desenvolvimento. Por volta dos cinco ou seis anos, essas crianças apresentam risco aumentado de desenvolver comportamentos impulsivos”, disse.

Jackowski destaca que, embora existam estudos em andamento focados no desenvolvimento infantil, inclusive na Columbia University, nenhum deles conseguiu tão a fundo as vias que relacionam experiências adversas na infância, inflamação, placenta e cérebro.

“Só foi possível realizar esse estudo no Brasil porque infelizmente existe uma população vulnerável a vários tipos de violência e, felizmente, existe o SUS. Desse modo, conseguimos coletar informações detalhadas e de qualidade em uma população de baixa renda e em contexto propício para a realização de futuras intervenções que venham a quebrar esse ciclo de impacto da violência tão cedo quanto possível”, disse.

Continua depois da publicidade

O projeto é o desdobramento de um estudo-piloto realizado também em três UBS e uma maternidade em São Paulo com 40 grávidas e seus bebês. “Nossa ideia é, no futuro, prolongar o estudo com as 580 grávidas e acompanhar as crianças até a idade escolar”, disse.

Material originalmente publicado em Agência FAPESP.

LEIA TAMBÉM: Pesquisadoras com filhos lutam por equidade no ambiente acadêmico

Continua depois da publicidade
Agência FAPESP
Publicado por

A Agência FAPESP é uma agência de notícias eletrônica, totalmente gratuita, que tem um site e boletins diários distribuídos por e-mail a um público amplo e diversificado, formado por pesquisadores, dirigentes de órgãos de fomento, universidades e institutos de pesquisa do País.


Populares hoje